01/04/2011

Minha Casa deve ser retomado em julho

Fonte: O Estado de São Paulo

Empresários da construção civil acreditam que novos projetos na faixa de zero a três salários só serão assinados no segundo semestre

A Caixa Econômica Federal só vai retomar o Programa Minha Casa, Minha Vida para famílias com renda de até R$ 1.395 no próximo semestre. Segundo nota divulgada ontem pela instituição, o principal programa habitacional do governo “está em fase de adequação de orçamento e procedimentos operacionais”. O problema, no entanto, é que a segunda fase do Minha Casa precisa ser aprovada pelo Congresso Nacional.

Segundo uma fonte ouvida pelo Estado, a expectativa é de que a medida provisória que trata do assunto seja aprovada em abril. Só então, o governo poderá fazer o reajuste do valor do imóvel pago às construtoras.

Para amenizar as perdas causadas pelo atraso, grandes construtoras que se dedicam à baixa renda estão diversificando o portfólio e antecipando lançamentos de imóveis mais sofisticados.

É o caso da Direcional Engenharia – empresa mineira que concentrou 30% dos empreendimentos no ano passado no chamado “segmento de zero a três”. “O último contrato que assinamos foi em dezembro”, diz o presidente da construtora, Ricardo Valadares. Em 2011, ele espera lançar R$ 1,6 bilhão em imóveis, em todas as faixas de renda. Os projetos para o segmento mais baixo do Minha Casa, Minha Vida já estão prontos, à espera da assinatura na Caixa. “O governo está postergando os gastos para o segundo semestre, mas tenho certeza que 100% do programa será executado.”

No início do ano, as construtoras trabalhavam com a possibilidade de que os contratos só voltariam a ser assinados em fevereiro. Diante das indefinições, tiveram de prorrogar o prazo e refazer o planejamento. Os empresários parecem estar dispostos a esperar mais um pouco, na certeza de que, com a retomada, virá também o reajuste do valor máximo dos imóveis do segmento de zero a três. Hoje, ele varia de R$ 42 mil a R$ 52 mil. “Tudo indica que o aumento vai girar entre 12% e 15%”, diz Fábio Cury, presidente da Cury Construtora. “Estamos tranquilos porque o atraso é normal: acontece sempre que há mudança de governo.”

O discurso apaziguador das grandes construtoras contrasta com a preocupação das pequenas companhias de construção civil. Foram elas que, até agora, tornaram viável os empreendimentos de zero a três salários mínimos – que por terem margens apertadas não despertaram o interesse das gigantes do setor. A MRV, por exemplo, conhecida por atuar na baixa renda, só constrói imóveis para famílias com renda superior a três salários.

As construtoras de pequeno porte foram responsáveis por mais de 80% das unidades de zero a três salários contratadas no ano passado. E estão contando com esses projetos em 2011.

Com faturamento anual de R$ 20 milhões, a More Fácil, de Fortaleza, investiu R$ 1 milhão em novos projetos. “Estão todos parados”, diz André Montenegro, sócio da construtora, que lançou no ano passado 200 unidades no MCMV e este ano pretende lançar 1,5 mil. “Aumentamos o quadro técnico, investimos em equipamento e não sei quanto tempo vamos manter essa estrutura.”

O primeiro susto do mercado em relação ao Minha Casa 2 veio no fim de fevereiro, quando o Ministério do Planejamento anunciou corte de R$ 5,1 bilhões nos investimentos de R$ 31,5 bilhões previstos para o programa neste ano. A pasta ressaltou depois que o valor reajustado se somará a R$ 9,5 bilhões de restos a pagar, fazendo com que o montante seja 4,9% superior ao de 2010.

LEIA MAIS:

Teto solar pode virar exigência para o Minha Casa, Minha Vida

Governo amplia prazo para incentivo do Minha Casa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.