26/02/2010

“Minha casa, minha vida” só vale para quem ganha até R$ 4.650

Fonte: Jornal Extra
Lei não prevê a atualização do valor do piso nacional a cada ano (Foto: Divulgação)
Lei não prevê a atualização do valor do piso nacional a cada ano (Foto: Divulgação)

O programa “Minha casa, minha vida”, lançado no ano passado com meta de financiar um milhão de novas moradias populares, não atenderá, pelo menos por enquanto, a quem ganha mais de 4.650 (9,1 salários mínimos). Embora o governo federal tenha anunciado que o programa seria direcionado a famílias com renda de até dez salários mínimos (5.100, em valores de hoje), a lei que criou o programa (11.977/2009) não prevê a atualização do valor do piso nacional a cada ano. Portanto, até que haja uma modificação por portaria ou decreto, a base de cálculo será sempre o valor do salário mínimo em 2009, ano da lei, ou seja, de 465.

O Ministério das cidades, gestor do programa, informou que não há qualquer estudo para que a lei seja altera este ano e que o valor máximo da renda permitida, por enquanto, é R$ 4.650. A Caixa Econômica Federal informou que a lei não prevê a atualização do mínimo porque isso significa vincular a renda máxima do programa ao piso, o que é proibido pela Constituição federal (artigo 7°, inciso 4°). Por conta da não atualização da renda, candidatos a mutuário não estão conseguindo os benefícios do programa, como subsídio de até R$ 23 mil para quem ganha até seis salários mínimos. No simulador da Caixa, a renda informada de R$ 2.840, por exemplo, não se encaixa no programa, embora seja inferior a seis salários mínimos de hoje (R$ 3.060).

LEIA MAIS:

SETOR IMOBILIÁRIO PROPÕEM AO GOVENO MINHA CASA, MINHA VIDA 2

CONSTRUTORAS TEMEM FIM DO MINHA CASA, MINHA VIDA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.