30/09/2007

Momento é bom para investir

Fonte: O Estado de S. Paulo

Quem comprar unidades para locar pode ter rendimento de até 12% ao ano, mais a valorização do imóvel

Claytom de Souza/AEZap o especialista em imóveisRetorno – Apesar de período de recessão, mercado é umdos mais rentáveis a longo prazo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com a recuperação do mercado imobiliário, puxada pela vasta oferta de financiamento habitacional e pela estabilização da economia, volta-se a olhar para a compra do imóvel como forma de investimento muito vantajosa.

Para alguns especialistas do setor mais otimistas, os imóveis podem compensar até mais do que o mercado financeiro. E ressaltam que hoje investir em casas, apartamentos e salas comerciais com o objetivo de alugar pode ser uma boa oportunidade de negócio.

Houve um período, principalmente entre 1994 e 1998, em que o mercado de locação esteve estagnado. “Há dez anos, havia excesso de ofertas em função da economia recessiva. A procura caiu e isso fez com que o aluguel ficasse desvalorizado. Proprietários até davam desconto para segurar os inquilinos nos períodos de reajuste de contrato”, lembra José Roberto Graiche, presidente da Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios (Aabic). Mas depois que a moeda se estabilizou, o setor voltou a ficar aquecido.

Mesmo levando em conta o período de recessão, Graiche defende que o mercado de locação não deixou de ser rentável no longo prazo. “O aluguel sempre foi muito mal tratado pelos economistas que diziam ser melhor aplicar no mercado financeiro.

Mas, no acumulado dos últimos dez anos, os imóveis ganharam de todos os outros investimentos, com exceção da bolsa de valores”, afirma o advogado com base em uma pesquisa realizada pela própria Aabic divulgada esta semana.

Cálculo

Ele esclarece que, no momento atual, com a queda nas taxas de juros, investimentos em papéis devem render menos do que nos períodos anteriores. Isso torna os imóveis mais atrativos do que outras modalidades. Mesmo porque, a tendência é de forte valorização nos próximos anos, por causa do aquecimento do mercado.

Com isso, o preço do aluguel tende a aumentar também, já que o valor mensal da locação fica entre 0,7% a 1% do valor do bem, em média. Num cálculo superficial, o proprietário de um imóvel locado terá um retorno entre 8,5% e 12% ao ano com o aluguel, mais a valorização do bem.

Segundo o Índice Periódico de Valores Médios dos Aluguéis Residenciais (Ipevemar), em agosto, os valores das locações tiveram aumento de 1,09% – acima da inflação medida pelo IGP-M no mesmo período. A valorização acumulada dos últimos 12 meses é de 15,14%, contra 4,63 da inflação. A maior alta registrada em agosto ocorreu no segmento de apartamentos de um dormitório: 10,45%. A segunda foi no de casas de um dormitório, cuja valorização foi de 8,23%.

Mesmo com o recente movimento de inquilinos trocando o aluguel pela prestação da casa própria, Graiche afirma que o mercado de locação não deve deixar de ter procura.

“São Paulo é o centro financeiro e cultural do Brasil, onde muitas pessoas chegam para morar temporariamente. Sempre terá quem procura pelo aluguel”, garante. No Brasil, segundo ele, o mercado de locação ainda tem muito espaço para expandir. Segundo ele, aqui, 20% das moradias são alugadas, ao passo em que em vários países da Europa este valor passa de 30%.

Aliás, o financiamento pode até ser parceiro do mercado de locação: “Aconselho que mesmo o investidor que tenha disponibilidade para comprar à vista, em vez de comprar um imóvel, compre dois e financie o restante a uma taxa prefixada, no prazo de dez anos, de forma que o aluguel pague a prestação”, recomenda. Segundo Graiche, no fim do financiamento, o investidor terá dois imóveis pagos pelo próprio aluguel.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.