06/09/2017

Moradores terão experiência diferenciada em edifício que conta com aplicativo próprio

A tecnologia vai ajudar a facilitar a vida com acesso a serviços e garantindo mais convivência dentro do condomínio

Fonte: ZAP em Casa

As soluções estão cada vez mais na palma das mãos dos brasileiros. O acesso mais fácil aos smartphones e o uso da tecnologia crescem exponencialmente a cada ano e, conjugados, tornam-se facilitadores no dia a dia dos brasileiros. Pesquisa encomendada pelo Google revela que, em quatro anos – entre 2012 e 2016 -, o número de pessoas que usam o celular cresceu de 12% para 64% no Brasil. É uma tendência já concreta e o mercado, em todos os segmentos, tem se adaptado de forma rápida a essa realidade. Na construção, a tecnologia já se tornou um diferencial nos empreendimentos e construtoras buscam soluções. A SKR, por exemplo, lança agora em setembro, na Vila Madalena, em São Paulo, o Moou. O edifício residencial conta com aplicativo próprio que dá acesso a diversos serviços dentro do condomínio, dando características antes mais voltadas para hotelaria e flats.

+Baixe o App de Faça Você Mesmo do ZAP em Casa

+ Siga nosso perfil no Pinterest

Para Silvio Kozuchowicz, presidente da SKR, o aplicativo não vai apenas facilitar a vida dos moradores, mas traz também um diferencial na experiência com o empreendimento e na convivência entre os próprios moradores. “Dois componentes neste empreendimento são importantes: o projeto arquitetônico e a tecnologia. Existe a importância de como o prédio foi pensado e nós também entendemos o condomínio como uma comunidade e estamos trabalhando na experiência dos moradores pós-entrega. A ideia é levar comodidade e hospitalidade como elementos de qualidade que antes só existiam em flats e hotéis. Estamos estabelecendo uma vanguarda de uma experiência como um todo”, afirma.

O interior do apartamento (Foto: Divulgação/SKR)

O aplicativo, batizado de Compass, garante uma série de facilidades para a rotina dos moradores. Muitas delas são voltadas para serviços e outras focadas na convivência. Através dele, é possível realizar a comunicação interna, solicitar serviços e manutenção, avisar da chegada de uma visita à portaria sem precisar utilizar o interfone, manter um chat com a própria comunidade do edifício, acessar o mural de eventos, reservar áreas do condomínio – como o salão de festas – e ainda adquirir  pequenos itens de consumo e amenidades. “A ideia é ativar as áreas comuns do edifício e torná-las uma extensão do apartamento”, ressalta o executivo. Existem ainda parceiros externos que vão dar a possibilidade de ter acesso, através do Compass, a diaristas, lavanderia online, massagistas e até passeios de pets.

Outras tecnologias também fazem parte do empreedimento, como wifi em áreas comuns e compartilhamento de bicicletas. Os apartamentos também estão favorecidos, com tomadas USB em todos os apartamentos, estrutura de cabeamento de internet e preparação para automação. “Sempre focamos na arquitetura, no design de ponta e no alto padrão de acabamento. Estamos também embutindo tecnologia para o dia a dia, atualizando nossos empreendimentos na velocidade que o celular avança. E esse edifício tem tudo a ver com o morador jovem da Vila Madalena, antenado e que gosta de viajar”, detalha o presidente da SKR.

Cobertura do edifício (Foto: SKR/Divulgação)

Para Manoel da Silveria Maia, presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado do Rio de Janeiro (Creci-RJ), as novas tecnologias voltadas ao mercado imobiliário tendem a agregar valor ao imóvel e a gerar mais interesse por parte de quem busca um apartamento. “A aceitação e o interesse são maiores. Quando o cliente percebe a aplicação dos benefícios da tecnologia no imóvel e os impactos e facilidades que poderá ter ao adquirir a unidade, com certeza estará mais inclinado a concretizar a compra”, afirma.

Ainda assim, como a tecnologia é uma tendência que ainda vem se fortalecendo no mercado imobiliário, o uso dela pode gerar um certo receio por parte dos consumidores em relação aos preços. Mas Silvio Kozuchowicz garante que o investimento não interfere no valor final. “A tecnologia tem, sim, um custo, mas ele não influencia no preço do imóvel”, reforça. O Moou conta com 14 opções de apartamentos, que variam entre 50 metros quadrados e 172 metros quadrados, entre um e dois dormitórios, duplex e coberturas. O valor parte de R$ 600 mil e a previsão de entrega é para 2018.

+ Bairros verdes de São Paulo oferecem estrutura de serviços e melhor qualidade de vida

+ No 2º semestre, mercado imobiliário tem menos descontos e retorno dos investidores

+ Preço do aluguel teve nova queda em julho

+ Preço de venda do imóveis mostra novo recuo

+ Preços dos imóveis comerciais terminam o primeiro semestre em queda

+ Preço de locação de imóveis termina primeiro semestre em queda

+ Preço médio de venda de imóveis mostra novo recuo

+ Imóveis comerciais tem novo recuo em maio

+ Preço médio para locação de imóveis mantém estabilidade em maio

+ Índice FipeZAP registra maior queda nos preços dos imóveis desde 2012

+ Preço dos imóveis comerciais continua em queda em abril

+ Expectativa de queda nos preços recua no primeiro trimestre de 2017

+ Preço médio de locação de imóveis registra leve alta

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.