17/07/2017

Morar perto do trabalho garante mais qualidade de vida, mas nem sempre é viável

Deslocamentos menores garantem menos tempo nos congestionamentos e mais tempo para o lazer. Saiba quais as soluções para conseguir alcançar essa equação

Fonte: ZAP em Casa

A busca por mais qualidade de vida se tornou uma constante para população das grandes cidades. Seja para fugir do trânsito caótico, do agito ou para buscar uma rotina menos acelerada, são vários as alternativas para tentar uma relação mais tranquila com a cidade. Os bairros mais verdes ou a escolha de um lugar fora dos grandes centros urbanos já são opções reais. Porém, essa busca também tem mudado a forma de se relacionar com o trabalho, já que algumas mudanças no âmbito profissional também são capazes de proporcionar bem-estar no dia a dia.

+Baixe o App de Faça Você Mesmo do ZAP em Casa

+ Siga nosso perfil no Pinterest

A forma como as cidades enfrentam os grandes congestionamentos hoje é herança da revolução industrial. “Naquela época, todos os horários foram sincronizados e, enquanto for assim, os engarrafamentos vão acontecer”, explica Francisco Cunha, formado em Arquitetura e Urbanismo e sócio da TGI Consultoria e Gestão. O problema acontece de forma mais forte porque os horários de entrada e saída do trabalho são basicamente na mesma hora.

A busca por mais qualidade de vida se tornou uma constante para população das grandes cidades (Foto: Shutterstock)

Outra herança do modernismo industrial, segundo Francisco Cunha, é a forma como os cidadãos são zoneados nas cidades, já que, de uma forma geral, existe um lugar para morar, outro para trabalhar e um para o lazer. “É preciso estar conectado com carro ou com um bom transporte público. E tem a questão também que antigamente existiam poucos carros e hoje fica difícil chegar com rapidez”, acrescenta.

O uso múltiplo do solo é importante nesse processo. Ou seja, os lugares residenciais não devem ser isolados para, desta forma, diminuir os impactos. “Tem que ter moradia, comércio, serviços, lazer, saúde e emprego próximos. De preferência, até no próprio prédio”, afirma James Wright, professor de Estratégia da Universidade de São Paulo e coordenador do Profuturo-Fia. Francisco Cunha reforça que ter esses elementos juntos ajuda na ocupação da cidade. “Não adianta ter só uma coisa ou outra porque fica isolado e se torna perigoso. É preciso ter gente circulando para que aquele local não tenha os horários de uso limitados com espaços construídos desocupados. As ruas só são seguras quando tem gente circulando”, completa.

Seja para fugir do trânsito caótico, do agito ou para buscar uma rotina menos acelerada (Foto; Shutterstock)

A capital de São Paulo, que concentra 58,2% da população ocupada, levou em média 139 minutos nos deslocamentos casa-trabalho-casa. Já na Região Metropolitana a média foi de 137 minutos. O último levantamento do Sistema Firjan, de 2013 e divulgado em outubro passado, leva em consideração a população ocupada com deslocamentos acima de 30 minutos. O município de São Paulo ainda respondeu a 64,1% do total da Região Metropolitana quando considerado o custo nominal dos deslocamentos. Os dados mostram que a dinâmica econômica (PIB e empregos) é determinante para o impacto do custo dos deslocamentos sobre a produtividade. Isso significa que, quanto maior o PIB, maior o volume da produtividade sacrificada per capita.

Ou seja, é preciso pensar em soluções para aproximar a população de seus locais de trabalho como forma de garantir mais qualidade de vida e também de ocupar melhor as cidades. Morar perto do ambiente físico profissional é uma alternativa, mas nem sempre viável. A reurbanização dos centros das cidades pode despontar como uma alternativa, desde que siga seja feito de forma organizada.

Atualmente a tecnologia também é uma aliada para aqueles que podem trabalhar remotamente, de casa, no home office (Foto: Shutterstock)

“Existem movimentos para reocupar com qualidade os centros da cidade, isso está acontecendo, mas desde que se possa morar com segurança”, afirma James Wright. Porém, esseé um processo que ainda promete demorar para se tornar uma realidade concreta. “A reurbanização não é um projeto de uma gestão apenas. É para olhar para os próximos 40 anos”, completa André Gomyde, presidente da Rede Brasileira de Cidades Inteligentes e Humanas.

Atualmente a tecnologia também é uma aliada para aqueles que podem trabalhar remotamente, de casa, no home office. “Empresas e governos precisam se reinventar e entender que a presença não é mais necessária. Qualquer trabalho hoje cabe essa lógica, até mesmo o trabalho braçal, que está acabando com as máquinas controlando mais. Desta forma, evitaria mais os deslocamentos, conclui Gomyde.

A capital de São Paulo, que concentra 58,2% da população ocupada, levou em média 139 minutos nos deslocamentos casa-trabalho-casa (Foto: Shutterstock)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.