06/09/2010

No Arte de Portas Abertas, em Santa Teresa, peças decorativas que quebram a monotonia dos ambientes

Fonte: O Globo

Tinta guache e caneta esferográfica ou restos de ferro recriam, num quadro ou numa escultura, o cotidiano carioca. Trabalhos como estes vão roubar os olhares de quem for passear por Santa Teresa neste sábado e domingo, 4 e 5 de setembro, e no próximo fim de semana, dias 11 e 12. O elenco do evento fica cada vez mais numeroso: nesta 20ª edição, participam 80 artistas, que vão expor fotografias, esculturas, pinturas, objetos decorativos e móveis em 39 ateliês e 13 centros culturais. Quem está buscando ideias de decoração pode encontrar no evento boas peças para quebrar a monotonia dos ambientes. 

No registro da fotógrafa Kitty Paranaguá, uma garrafa com uma carta deixada por alguém chamada Patrícia (Fotos: Divulgação)
No registro da fotógrafa Kitty Paranaguá, uma garrafa com uma carta deixada por alguém chamada Patrícia (Fotos: Divulgação)

Uma das novidades deste ano é o estúdio dos fotógrafos Renan Cepeda, Kitty Paranaguá e Thiago Barros. O trio inaugura um espaço exclusivamente dedicado à fotografia durante o evento, com destaque para séries em preto-e-branco, além da exposição de outras técnicas, coloridas e distorcidas. Peculiaridades do bairro de Copacabana, por exemplo, são capturadas pelas lentes da fotógrafa Kitty Paranaguá. Em cerca de 20 imagens, a artista explora os caminhos da Princesinha do Mar. Como a clicada na praia dias após a festa de fim de ano, que traz uma garrafa com um bilhete assinado por uma mulher chamada Patrícia. As conhecidas ressacas também são registradas por suas lentes.

Bicicletas clicadas por ângulos que fogem do lugar comum são parte do trabalho de Thiago. Já Renan investe numa técnica chamada infravermelho para modificar as cores das imagens, alterando a fachada de casas, trechos de ruas e outras paisagens. Todas esses cenários cariocas, ampliados em papel fotográfico, podem dar vida àqueles cantinhos da casa que andam monótonos, à espera de uma bossa.

Morador de Santa Teresa, o escultor José Luis Ribeiro cria um sambista com acrílico para homenagear a cultura carioca
Morador de Santa Teresa, o escultor José Luis Ribeiro cria um sambista com acrílico para homenagear a cultura carioca

Morador de Santa Teresa há 72 anos, o escultor José Luis Ribeiro coloca em exposição suas peças figurativas em resina. As estatuetas de 50 centímetros ganham a forma de sambistas, dançarinas, dragões, cavalos e outras figuras que fazem parte do imaginário popular. O trabalho do artista pode ganhar lugar no piso da casa, na mesa de centro, na estante do corredor ou na escrivaninha. A criatividade é um bom guia.

Outras artes que podem roubar a cena são as criadas pelo multiartista Pedro Grapiúna. Inspirado no surrealismo, o baiano, artista plástico, ator, cenógrafo e pintor de carros faz do ferro-velho um lugar de criação para suas esculturas. Cenas do cotidiano, como mulheres carregando cestos, são reconstruídas com o material e transformadas em arte.

Caneta esferográfica e tinta ghuache dão forma ao quadro Passageiros, do artista Luis Trimano
Caneta esferográfica e tinta ghuache dão forma ao quadro Passageiros, do artista Luis Trimano

Quadros feitos com tinta guache e caneta esferográfica do artista e ilustrador Luis Trimano, nascido em Buenos Aires, também estão numa das casas que terão suas portas abertas para o evento. Ou seja, o que não falta é arte para dar vida à casa. Por isso, a pé, de ônibus ou bondinho, trace o seu roteiro. As portas estarão abertas.

LEIA MAIS:

Estudantes apresentam sala reformada com menos de mil reais

De depósito improvisado a um cômodo com mil e uma utilidades

Blogueiras dão dicas sobre decoração

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.