25/06/2012

Nomes estrangeiros de condomínios podem ter pronúncia difícil e atrapalhar a venda

Fonte: Jornal Extra
Se, por um lado, o uso de estrangeirismos para nomear lançamentos imobiliários dá um ar de requinte e de sofisticação, por outro, pode causar confusão na pronúncia e até gerar prejuízo para as construtoras.
 
O Píer Residências é um exemplo de empreendimento sem estrangeirismos lançado pela Rossi (Fotos: Divulgação)

Para evitar problemas, desde o ano passado, a Rossi vai no caminho contrário, conforme explica a gerente de marketing institucional da construtora, Vivian Cukier: “Se o nome for complicado, não ajuda na venda. Tivemos um empreendimento chamado Predilecto, que ninguém achava nos sites de busca, por causa do “c””, diz.

Segundo Marcelo Fróes, da Percepttiva, o nome não é um fator fundamental para a compra, mas influencia. Arquiteto e historiador, Nireu Cavalcanti acredita que ninguém quer morar num condomínio desconhecido.

Segundo Marcelo Fróes, na Percepttiva, a escolha dos nomes dos lançamentos considera os perfis dos clientes. Condomínios mais populares costumam ter nomes em português ou com termos estrangeiros simples, como top (topo). Já na Barra e entorno, região que atrai uma classe média emergente, geralmente vinda da Zona Norte, a maioria dos nomes escolhidos é em inglês.

Na Zona Sul, onde vive a classe alta, a agência de marketing dá preferência a termos europeus. Na onda da sustentabilidade, algumas construtoras apostam no conceito green (verde) para dar nome aos seus empreendimentos — como o Grupo CPS, a Santa Cecília e o Grupo Avanços Aliados.

A escolha da construtora em nomear parque como "park" pode gerar dificuldade na hora da procura do empreendimento na internet

Na MRV, a escolha dos nomes procura facilitar a identificação do que é lançado em cada cidade. Em São José dos Campos, os nomes começam sempre com a palavra campo. Em São Paulo, todos os prédios têm nomes de santos.

No Rio de Janeiro, a maior parte dos empreendimentos da MRV começa com a letra R. A empresa dá prioridade a termos com origem em outras línguas, a nomes de pintores e a referências históricas.

Nem sempre os nomes gringos soam bem quando são traduzidos. É o que acontece com o Butique Conceito Residências, da Polo Capital, em Botafogo. Não é muito mais chique morar no Concept Living Boutique?

 LEIA MAIS:

Empreendimentos temáticos são nova forma de atrair quem quer comprar imóvel

Projetos imobiliários buscam identificar gosto local

 

4 Comentários

  1. Olá boa dia o site é excelente,parabéns zap,é verdade que colocar nomes como: COND.FRANCISCO,COND.PEDRO,COND.SEBASTIÃO, alguém pode não valorizar, mas é um nome como os outros, acho que o imóvel é que vai dizer a que ele veio, vale o conteúdo e não o casco.

  2. Concordo com Francisco.Acho que até pode ser um nome ingles ou italiano, mas nunca composto e de dificil pronuncia. Isso depende muito da região também.

  3. Sempre considerei muito ridículo nomes de empreendimentos em outrs línguas, posto que luxo e se comunicar com a população, e qualidade não se resolve apenas com a designação do imóvel. Estrangeirismo e demonstração de colonialismo, vamos valorizar o Brasil, nossos rios,poetas, enfim nossa cultura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.