06/05/2007

Novos edifícios terão placas para gerar luz

Fonte: O Globo

Projetos sustentáveis viram estratégia de marketing de lançamentos imobiliários

Fabio RossiZap o especialista em imóveisO prisma 3, no Recreio dos Bandeirantes, utiliza coletores de energia solar desde 1999: redução na conta do condomíno chega a 30%

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com 2,4 milhões de habitantes, Belo Horizonte tem 60% dos 2,266 milhões de metros quadrados de placas instaladas no país. Muito pouco perto de Estados Unidos e China, por exemplo (28,3 milhões e 62 milhões de metros quadrados, respectivamente). Apesar disso, o alcance entre a população é baixo, já que essas são nações bem populosas. Assim, no ranking da Green Solar, feito a partir de dados da International Energy Agency, os dois países estão em 13º e 23º lugares. No topo, vêm Chipre e Israel, que receberam investimentos governamentais no setor.

A coordenadora do Green Solar, Elizabeth Marques Pereira, destaca que as iniciativas no Brasil são ainda incipientes para fazer do país um exemplo de sustentabilidade.

— Tanto que aqui, no segmento residencial, a energia solar só é empregada para aquecer água. Lá fora, ela é usada também para gerar iluminação — diz, acrescentando que, na Europa, os países contam com programas fiscais, e é obrigatória a instalação de coletores em novas construções.

No Brasil, alguns empreendimentos começam, aos poucos, a instalar placas para produzir eletricidade. No Rio, a iniciativa virou estratégia de marketing das construtoras, com promessas de redução na conta do condomínio de até 30%.

A construtora Gafisa lançará, entre 2008 e 2009, dois empreendimentos residenciais na Freguesia, Zona Oeste da cidade, com o conceito de eco-responsabilidade. As placas vão captar a luz do sol e convertê-la em energia elétrica para iluminar áreas comuns dos prédios, como corredores e escadas.

— O consumidor está cada vez mais preocupado com o meio ambiente e em diminuir suas despesas. Por isso, investimos em diferentes soluções que permitem baixar o preço do condomínio. Esses empreendimentos marcam o início de uma nova fase na companhia — diz Luiz Henrique Rimes, diretor regional da Gafisa.

A energia solar no Rio ainda é vista como algo isolado, já que o estado não tem dados sobre o setor e nem conta com qualquer política de incentivo. Cenário que deve mudar este ano, diz Manoel Antônio Costa, coordenador do Centro de Estudos e Pesquisas em Energias Renováveis (Ceper) da Uerj. A universidade, junto com o Green Solar (da PUC Minas) e a Eletrobrás iniciam em junho mapeamento no Estado do Rio para dimensionar o uso da fonte de energia renovável:

— No Rio, o gás canalizado é a segunda fonte de aquecimento de água mais usada, depois da energia elétrica, diferentemente de Belo Horizonte. Até porque ainda há poucas empresas especializadas em equipamentos solares na capital fluminense — ressalta Costa.

Na Barra e no Recreio, 70% das casas têm placas solares

Marcelo Pacheco, diretor da Casa do Futuro, empresa de automação residencial, revela que Barra e Recreio são exceções na cidade. Segundo ele, 70% das casas na região têm coletores solares. Oscar Corbella, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRJ, lembra que, nestes bairros, o sistema ganhou impulso pelo potencial de exploração:

— Em outros bairros do Rio, como o Centro, a energia solar não é viável, porque a concentração de prédios acaba fazendo sombras. Por isso, é importante investir em áreas mais livres e planas.

Depois de alguns prêmios internacionais, a sustentabilidade passou a ser o carro-chefe da construtora Prisma. De seus 12 lançamentos, cinco têm energia solar. O primeiro deles, o Prisma 3, foi lançado em 1999. Leonardo Ozenda, sócio-diretor da empresa, revela que a iniciativa contou com apoio da Light e do Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (Cepel):

— Criamos equipamentos e fiação específicos para o imóvel. Queríamos fazer um prédio adaptado para o nosso clima. Por isso, usamos vidros verdes, que absorvem menos luz, garantindo maior conforto térmico, e coletores solares.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.