27/04/2009

O “”céu”” que nos protege

Fonte: Jornal da Tarde

Calhas e telhas merecem atenção. Inclinação certa evita danos e infiltrações

A construção e manutenção de um telhado passam, antes de mais nada, por um bom projeto, que evita falhas que podem gerar danos posteriores

Em tempos de chuvas, a falta de manutenção no telhado pode causar as tão temidas infiltrações. Antes que isso aconteça, a limpeza de calhas e a inspeção visual do telhado, além de um projeto bem planejado, podem prevenir o problema.

O engenheiro Carlos Alberto Massavelli, da Engetelhas, lembra que esses percalços geralmente começam no projeto. ?O problema não tem origem apenas em telhas quebradas. Telhas sem a inclinação necessária, de acordo com a dimensão do telhado, podem fazer com que a água volte pelas frestas, provocando vazamentos na laje, assim como calhas entupidas.?

Por isso, telhas onduladas merecem mais cuidados. A superposição lateral do material deve seguir a posição predominante do vento na região. ?Sem esse cálculo no projeto, a água entra mais fácil pelo telhado?, diz o engenheiro Ubiraci Espinelli Lemes de Souza.

As subcoberturas, além de evitarem esses vazamentos, também auxiliam na proteção térmica e acústica da cobertura, além de evitar que haja acumulação de pó na laje, afirma o engenheiro Nicolau Giovanetti, responsável pela unidade de recuperação estrutural da Pires Giovanetti Guardia.

Mantas de PVC sobre a estrutura de um telhado metálico também servem como uma camada de proteção. ?O revestimento tem garantia de, em média, 20 anos?, explica Espinelli. ?Apesar de ainda ser pouco utilizado Brasil, evita a troca do telhado. A lâmina tem peso insignificante, não precisa de manutenção e é bactericida. Não é uma opção barata, mas compete com telhas metálicas. Varia de acordo com o projeto, mas custa em torno de R$ 180 o m²?, completa.

Calhas precisam de limpeza periódica para que folhas e fuligem não entupam a passagem da água. Para isso, bastam lavagens internas com auxílio de uma mangueira.

É necessário lembrar que todo material tem prazo de validade. ?Calhas com chapas galvanizadas estão protegidas enquanto houver galvanização. Senão, podem ser corroídas. A impermeabilização deve ser feita a cada dois anos?, diz Espinelli.

Em casas antigas, atenção para cupins, que atacam coberturas com madeiramento de pinho, o que já não acontece com madeiras como peroba e ipê. ?Muitos problemas em casas antigas são causados pela fadiga de materiais, que podem provocar vazamentos que apodrecem o madeiramento?, explica Massavelli.

O engenheiro Nicolau Giovanetti, lembra que, para solucionar esse problema, existem produtos cupinicidas. A manutenção da caixa d?água também merece atenção, pois pode contaminar o telhado.

Além de infiltrações, os telhados podem aquecer ambientes, conforme explica Souza. ?Para que a casa não vire uma estufa, ele precisa ter um colchão de ar e não ter nenhum obstáculo que o impeça. Para melhorar esse desempenho, além de telhas com esse objetivo, o beiral do telhado, geralmente quase encostado na parede por economia, pode ser puxado para fora, que provoca sombras nas paredes.?

DICAS
Vazamentos são geralmente causados por telhas quebradas ou sem a inclinação necessária, além de calhas entupidas, que fazem com que a água retorne para as frestas do telhado.

A superposição lateral de telhas onduladas deve seguir a posição predominante do vento.

As subcoberturas evitam vazamentos e auxiliam na proteção térmica e acústica da cobertura.

Mantas de PVC preservam o telhado e têm garantia de, em média, 20 anos.

Calhas precisam de limpeza periódica para que folhas e fuligem não entupam a passagem da água.

A impermeabilização de calhas deve ser refeita a cada dois anos.

Para melhorar o desempenho, térmico, o beiral do telhado pode ser projetado de modo a provocar sombras nas paredes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.