30/10/2006

O melhor dos Jardins, mas com menos gente

Fonte: O Estado de S. Paulo

Com alto poder aquisitivo, freqüentadores da região pagam pelo tempo economizado

Os clientes das facilidades do trecho luxuoso da Marginal do Pinheiros têm em comum, além de uma boa conta bancária, a falta de tempo e o gosto por bens e serviços sofisticados. Foi em torno dessas “necessidades” que o perfil da região foi forjado.

A empresária Andrea Horta, moradora do Real Parque há oito anos, é uma típica freqüentadora das lojas, academias e shoppings da área. “Aqui tem todos os serviços que eu poderia encontrar nos Jardins, com a vantagem de a densidade populacional ser menor, o que permite que o atendimento seja ainda melhor.” Nos últimos meses ela trocou a academia num bairro próximo pela Reebok e o supermercado em Santo Amaro pelo Pão de Açúcar de terceira geração, todos a menos de cinco quadras de sua casa.

A variedade das lojas permite que Andrea ganhe tempo com as tarefas. Quando vai ao supermercado, por exemplo, ela aproveita para deixar as roupas na lavanderia, revelar as fotos do fim de semana e comprar o jantar do dia. “Quando saio do caixa já está tudo pronto”, conta a empresária.

Mesmo quando as compras vão além das necessidades básicas a região é bem servida. Só no setor automotivo a vizinhança ganhou uma concessionária Land Rover e BMW, viu a ampliação da loja Volkswagen que também trabalha com a marca Audi e a instalação de revendas de quase todas as marcas nacionais.

A qualidade dos serviços faz com que moradores de bairros não tão próximos se desloquem para aproveitar os avanços da região. Morador do Brooklin, o engenheiro Peter Wong aproveitou a abertura da academia Living Well, que fica dentro do Hotel Hilton, para voltar a malhar. “As academias mais próximas da minha casa eram escuras e mal equipadas, não animavam a gente”, diz ele, que, uma vez por mês, ainda aproveita os serviços de massagem do spa do hotel para aliviar as tensões. “É muito bom poder ter um ambiente e serviço de qualidade por perto.”

Seguranças

Na Reebok, primeira academia mais sofisticada que se instalou na área, é comum encontrar executivos de grandes empresas. “Em horário de pico chega a ter 40 seguranças parados na porta”, conta José Otávio Marfará, dono academia.

A Reebok foi uma das pioneiras a incluir salão de beleza, lavanderia e equipe de massagistas para facilitar a vida de sua clientela. Todos esses serviços, é claro, são pagos à parte da mensalidade de R$ 318, assim como o acompanhamento de um personal trainer, que faz a conta passar facilmente dos R$ 1 mil.

“Antigamente não tinha nada por aqui, só uma concessionária Volkswagen e um motel. Agora, esse trecho do rio se tornou a principal “alameda” de serviços da região, com atendimento diferenciado para um público bastante qualificado”, afirma Marfará, que há cinco anos morou no bairro e pôde sentir de perto as necessidades latentes que hoje começam a ser preenchidas inclusive com a construção, em breve, de um novo empreendimento imobiliário e comercial com saída direta para a Marginal. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.