11/05/2008

Opostos em harmonia

Fonte: O Globo

Como acertar na mistura de peças modernas com rústicas. Ou clássicas

 

Simone MarinhoZap o especialista em imóveisA cadeira de acrílico transparente suaviza o espaço da escrivaninha do século XIX

No meio da sala da casa em Itacoatiara, Niterói, decorada com móveis rústicos, há uma TV de plasma — totalmente integrada ao ambiente. Assim como a clássica e imponente escrivaninha do século XIX de um apartamento do Leblon, que casa perfeitamente com a transparente cadeira de acrílico desenhada pelo mestre do design contemporâneo Phillip Starck. Qual o segredo dessa convivência tão harmônica entre estilos opostos?

— Não há certo ou errado, é uma questão de intuição. Móveis antigos, por exemplo, têm, paralelamente ao valor afetivo, um grande valor estético. Mas, como o que se busca hoje é a funcionalidade e a descontração, a mistura com móveis e objetos contemporâneos é muito bem-vinda — diz o arquiteto Jairo de Sender, autor do projeto do Leblon.

De Sender conta que a família proprietária do apartamento, de 450 metros quadrados, tinha um acervo de móveis antigos, dos séculos XVIII e XIX, e não queria se desfazer deles. A idéia era dar uma roupagem mais atual à decoração, explica o arquiteto:

— O projeto começou, então, com uma iluminação descontraída, feita com rasgos de luz indireta. Peguei o lustre de cristal que ficava sobre a mesa de jantar, customizei a peça com cúpulas de seda marrom e instalei no meio da sala principal — descreve de Sender, acrescentando que ainda criou um lounge circular, com uma mesa redonda e quatro poltronas giratórias de design bem clean, alternando-as com poltronas Luís XV, que são forradas com seda safira.

Rústico: clima de aconchego

DivulgaçãoZap o especialista em imóveisA TV de plasma pendurada por uma corrente de ferro sobre um aparador de pingo-de-riga, está totalmente integrada à arquitetura de fazenda da casa em Itacoatiara, Niterói

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A arquiteta Maria Fernanda Santos, que fez o projeto da casa de Itacoatiara, afirma que, para a mistura dar certo, é preciso integrar os diferentes estilos, o que pode começar pela arquitetura:

— Essa sala tem muito vidro, um material tecnológico, emoldurado por toras de eucalipto, um material da natureza. Para pendurar a TV de plasma, usei uma corrente antiga, de ferro. E, abaixo dela, coloquei um aparador de pinho-de-riga, típico de armazéns antigos, fazendo essa ligação do novo com o velho — detalha Maria Fernanda, que instalou ainda, na sala, um poste de luz antigo, feito de tora de eucalipto com detalhe de ferro.

A arquiteta Patrícia Marinho fez o contrário: a decoração contemporânea da sala de estar de uma cobertura na Lagoa foi pontuada com objetos rústicos, “para dar a sensação de lar, doce lar”:

Divulgação/MCA StúdioZap o especialista em imóveisMadeira bruta nas mesinhas: contraponto a materiais como aço inox

— Nesse projeto, a arquitetura é muito limpa. São os complementos que fazem a diferença no ambiente. Usei materiais como o cimento, o aço inox e aí, num cantinho de leitura, a madeira bruta aparece em mesinhas de centro. É uma peça de design, mas que remete à natureza, dá uma personalidade ao ambiente.

Uma parede de tijolos aparentes foi o principal recurso usado pela arquiteta Risoleta Medrado para “esquentar a decoração” do apartamento de um casal jovem, no Alto Leblon, feita com móveis de design moderno, de linhas simples:

— O pai da cliente é o artista plástico Ivan Cascão, e a escolha dos móveis foi feita em cima de suas obras, bem contemporâneas. Assim, a parede de tijolos e um tapete magreb, artesanal, feito à mão, entram no ambiente para transmitir aconchego. 

Marco Antônio TeixeiraZap o especialista em imóveisA parede de tijolos aprentes e o tapete artesanal feito à mão tem a função de dar sensação de aconchego ao ambiente decorado com móveis de design contemporâneo e linhas simples

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.