24/11/2008

Palladio em versão atual

Fonte: O Estado de S. Paulo

Designer do Veneto cria, em mármore e granito, série de peças a partir dos originais do célebre arquiteto italiano

DivulgaçãoZap o especialista em imóveisVista da mostra Palladio e o Design Lítico, apresentada em setembro último, em Verona

São Paulo – O consórcio de marmoristas do Vale do Chiampo, na região do Veneto, norte da Itália, existe desde 2005. O know-how de seus profissionais, transmitido de geração em geração no manuseio do mármore e do granito, porém, acumula séculos de história. Remonta, por certo, à época de Andrea Palladio, o célebre arquiteto da República de Veneza e autor de tratados de arquitetura que deram origem ao “paladianismo”, movimento que por mais de três séculos influenciou toda a arquitetura européia.

Um fascínio que, passados mais de cinco séculos do nascimento do arquiteto, ainda se mantém. Desta vez, por meio do olhar do também italiano Raffaello Galiotto, designer industrial que acaba de criar uma safra de obras construídas à semelhança do famoso tagliapietre – objetos nascidos de originais do arquiteto, desenvolvidos por meio de programas digitais e concretizados em mármore ou granito pelos profissionais de Chiampo, que foram exibidos na mostra Palladio e o Design Litico, em Verona, em setembro passado.

“Não falo da personalidade única do arquiteto, manifesta em suas obras originais, mas sim de um perfil geométrico recorrente, constituído de curvas e traçados ornamentais bastante peculiares. Foi a partir deles que idealizei objetos contemporâneos, nos quais, ainda que de forma simplificada, os traços do mestre continuam presentes”, explica o designer, em alusão ao trabalho realizado com os marmoristas.

Resultado de anos de pesquisa junto a obras originais, arquivos e especialistas italianos, o projeto de Galiotto contempla as obras de Palladio, que, segundo o designer, poderiam bem ser enquadrados na categoria de semiprotótipos. Caso, por exemplo, da maioria de seus lavatórios e lareiras e de alguns desenhos obtidos no Museo Civico de Vicenza, cidade onde Palladio viveu a maior parte de sua vida.

OBRA INSTIGANTE – Na fase de estudos, segundo Galiotto, o objetivo era identificar, na produção de Palladio, objetos de mármore nos quais fossem reconhecidos elementos de design. Um projeto em particular imediatamente saltou aos olhos: o lavatório da igreja de São Jorge Maior, em Veneza. “É impressionante como a obra de Palladio continua fascinante ainda nos dias de hoje”, diz.

Construído para atender a uma finalidade específica e, em última análise, produzido em série – ainda que confeccionado artesanalmente em mármore -, o lavatório, com suas duas unidades idênticas, é exemplo emblemático. “Claro que o processo produtivo do século 16 não poderia ser entendido a partir da ótica industrial que temos hoje. Mas, apesar de não se tratar de um objeto de design, ao menos inclui fases claras de prototipagem.”

Assentada sobre o binômio design e inovação tecnológica, a coleção é composta por 30 peças, entre pisos, revestimentos, lavatórios, banheiras, boxes e mobiliário, executadas por empresas locais. Um conjunto que surpreende mais pelo elevado grau de acabamento do que propriamente pela alta cotação – em média, na casa dos muitos milhares de euros. Afinal, se não se está diante de um Palladio original, por certo se está frente a um de seus mais ilustres descendentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.