01/11/2010

Para um fim de ano tranquilo sem cota extra de condomínio

Fonte: Jornal Extra

Que tal um fim de ano sem cota extra de condomínio para pagar? Seria ótimo, não é? Mas, para isso, é preciso que o síndico não se esqueça de uma palavrinha mágica no decorrer dos meses: planejamento. De acordo com a gerente operacional da administradora Protel, Cristiane Salles, existem três maneiras de planejar o pagamento … Continue lendo “Para um fim de ano tranquilo sem cota extra de condomínio”

(Foto: Divulgação)
É preciso rever as contas para saber se haverá dinheiro para pagar os extras (Foto: Divulgação)

Que tal um fim de ano sem cota extra de condomínio para pagar? Seria ótimo, não é? Mas, para isso, é preciso que o síndico não se esqueça de uma palavrinha mágica no decorrer dos meses: planejamento. De acordo com a gerente operacional da administradora Protel, Cristiane Salles, existem três maneiras de planejar o pagamento do 13º salário dos funcionários.

“O dinheiro pode ser arrecadado em duas ou quatro cotas extras no curso do segundo semestre; utilizando o fundo de reserva, desde que a convenção permita; ou incluído no orçamento anual aprovado em assembleia ordinária”, afirma.

Das três opções, a melhor, segundo o gerente geral de condomínios da administradora Apsa, Washington Rodrigues, é a última. No entanto, não é garantia de tranquilidade no fim do ano.

“Além de incluir a verba no orçamento anual, é preciso proteger o dinheiro, para que ele não seja utilizado em alguma emergência ou em imprevistos. Para isso, vale fazer uma poupança, guardar o dinheiro no colchão etc. Cada síndico deve usar sua habilidade de economia doméstica para fazer o planejamento dar certo”, aconselha Rodrigues.

Na hora de prestar contas aos moradores, o síndico precisará comprovar a sobra de caixa e o pagamento feito aos trabalhadores.

E agora, o que pode ser feito?

Se o planejamento do início do ano não previu o pagamento do 13º salário, ainda há uma esperança. Segundo Washington Rodrigues, da Apsa, o primeiro passo é rever as contas para saber se haverá dinheiro para pagar os extras:

“Quanto mais cedo o condomínio tomar uma providência, melhor. Se sobrou algum dinheiro de reserva, a quantia pode ser usada, mas isso precisa ser aprovado em assembleia ordinária. Antes disso, porém, é preciso fazer um balanço para saber se os recursos não estão comprometidos com outra despesa.”

Se não há sobra de caixa, não tem jeito. Será preciso recorrer à tão temida cota extra. Para não doer tanto no bolso, o valor poderá ser dividido segundo o número de meses que restam para o fim do ano. Ou seja, se o condomínio só lembrou do 13º agora, terá que dividir a cota em duas parcelas.

Como a folha de pagamento equivale a 40% das despesas de um condomínio, isso significa que a cota extra será equivalente a aproximadamente esta porcentagem. Mas lembre-se: o síndico é um prestador de serviço, e somente deve receber o salário extra se isso estiver estipulado em contrato.

Não perturbe seu vizinho – O fim do ano não traz somente despesas. A alegria fica garantida pelas festas e pela confraternização com família e amigos. Para não azedar o convívio em condomínio, os moradores precisam ter em mente as regras da boa convivência. Segundo Washington Rodrigues, da Apsa, o mais importante nessa época é zelar pela segurança:

“Em períodos de festas, a tolerância aumenta, pois todos estão comemorando. Para não comprometer a segurança do prédio, o ideal é deixar uma lista com os nomes dos convidados na portaria.”

LEIA MAIS:

Casas construídas com plástico reciclado

Grandes áreas arborizadas: pulmões verdes dentro dos novos empreendimentos cariocas

Arquiteto cria projeto de edifício com apartamentos móveis para grandes centros urbanos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.