27/05/2007

Pense no material e no tipo de sistema

Fonte: O Estado de S. Paulo

Alvenaria? A gás, a lenha? O que interessa é a eficiência do todo

Rogério Assis/AEZap o especialista em imóveisAlternativa – Coifa aparente, colocada no centro do ambiente, dá maior eficiência ao aquecimento

 

Sinônimo de sofisticação, de status, além de simplesmente aquecer o ambiente, a lareira continua a atrair consumidores, que têm à disposição no mercado modelos e sistemas variados.

A dica principal de especialistas quanto à escolha correta é: dimensione o sistema para o ambiente que se quer aquecer. É o que diz, por exemplo, o arquiteto sócio-proprietário do escritório Hochheimer Imperatori Arquitetura, George Hochheimer. A dica, ressalta, vale para qualquer sistema ou material.

Falando em sistemas, a proprietária da CalorArte, a engenheira Susana Fornero, explica que existem as lareiras que funcionam a lenha, como combustível, a gás ou elétricas.

As lareiras convencionais, diz Susana, em chapa (metálicas) ou em concreto refratário variam de tamanhos e modelos. “Com relação a eficiência , este tipo de lareira, aquece o ambiente por irradiação, portanto é um ponto concentrado de calor e não consegue homogeneizar a temperatura do ambiente”. Susana explica que nesse tipo a maior parte do ar quente gerado sai juntamente com a fumaça pela chaminé. “E o consumo de lenha é elevado.”

Com relação à sua instalação, são fáceis de serem instaladas. “Necessitam de chaminé para funcionarem, interna ou externa.” A chaminé, explica a engenheira, tem em média diâmetro de 20 cm, deve ser reta e sem curvas, para não prejudicar seu funcionamento (exaustão de fumaça).

Nas lareiras que funcionam a gás, há modelos com capacidades de aquecimento variáveis. Utilizam como combustível o gás natural ou Propano (GLP).

Divulgação Zap o especialista em imóveisOpção – Lareira elétrica da CalorArte, já acesa

Quanto à instalação da rede de gás para sua alimentação, Susana explica que é recomendável que esta instalação seja feita por uma empresa idônea e que emita certificado de que se encontra dentro dos padrões estabelecidos pela ABNT/NBR 13.932.

E por fim as elétricas, “que são práticas, de fácil instalação e não necessitam de mão-de-obra especializada para sua instalação”, diz a engenheira, ressaltando que podem ser instaladas num nicho de gesso, madeira, etc.

Funcionamento

Divulgação Zap o especialista em imóveisFerramentas de manuseio e grade

Além dos cuidados na escolha do material, o arquiteto George Hochheimer recomenda especial atenção a detalhes para o bom funcionamento do sistema.

Na lareira convencional, por exemplo, o arquiteto recomenda a coifa metálica, no lugar da de concreto refratário, “porque o metal irradia calor mais rapidamente”. Mas é preciso evitar que a brasa não caia fora, para o chão: “Nesse caso, deve-se fazer um rebaixo pequeno e por baixo da grelha colocar uma gaveta onde se deposite as cinzas da madeira”. No piso externo, próximo à lareira, ele recomenda que seja de pedra, por exemplo, ou outro de boa resistência.

“Quando a coifa for de alvenaria o volume de massa é significativo, o que obriga à espera de umas cinco ou seis horas para que a lareira esquente e comece a irradiar calor”, ressalta Hochheimer.

Aliás, o segredo da eficiência, diz ele, é simplesmente o conjunto irradiar calor. E há algumas formas de melhorar esse desempenho. Ele mesmo costuma pegar idéias de um especialista em termodinâmica para criar sistemas que atendam às necessidades do ambiente em questão.

Um dos casos em que se envolveu foi na adoção de um sistema funcionando por convecção, que implica a passagem de um tubo embutido no chão, que fica próximo, no ambiente, a uma tomada de ar. “Esse tubo passa próxima da chama e vai levar o ar quente a sair por cima.”

Outra dica do arquiteto é considerar as eventuais fontes de ventilação presentes no ambiente, como janelas. Dependendo da localização delas, há ventilação permanente, o que vai dificultar o aquecimento do cômodo. “Portanto, é preciso, nesse caso, pensar num projeto e num sistema que evitem esse problema.”

Quanto aos preços das lareiras, Hochheimer define uma larga faixa. Tão larga que pode até causar espanto, mas ele garante que a variação é mesmo grande: de cerca de R$ 800 até R$ 100 mil. No custo da lareira, incide com certo peso o tipo de revestimento escolhido, diz ele. Quando é material nobre, como mármore, por exemplo, o preço realmente sobe bastante.

Serviço

*www.calorarte.com.br  

*www.hiarq.com.br

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.