11/12/2013

Preços dos imóveis sobem mais do que o dobro da inflação

Alta atingida pelos valores dos imóveis é 7,9 pontos percentuais acima da inflação medida pelo IPCA esperada para o mesmo período

Fonte: ZAP Imóveis

Os imóveis continuam a ser uma boa opção de investimento em quase todo território brasileiro. Isso porque a valorização no período de um ano tem sido mais do que o dobro da inflação.

Quer receber mais dicas de decoração e mercado? Clique aqui e cadastre-se

Segundo dados do último Índice FipeZap, os preços do metro quadrado dos imóveis prontos subiram 13,8% no acumulado dos últimos 12 meses (novembro de 2012 a novembro de 2013).

Preços dos imóveis sobem mais do que o dobro da inflação
O preço médio do m² anunciado no Brasil ficou entre R$ 7.231. Mas, o Rio de Janeiro, por exemplo, superou a média nacional: R$ 9.812 (Foto: Banco de Imagens / Think Stock)

A alta atingida pelos valores dos imóveis é 7,9 pontos percentuais acima da inflação medida pelo IPCA esperada para o mesmo período, que é de 5,9%, segundo o Boletim Focus do Banco Central.

De acordo com o índice, a média do metro quadrado dos imóveis anunciados atingiu R$ 7.231 em novembro, com alta de 1,3% em relação a outubro. O preço médio do m² no Brasil ficou entre R$ 9.812 (Rio de Janeiro) e R$ 3.797 (Vila Velha).

Das 16 cidades cujos preços são monitorados, Curitiba não teve a maior alta no último mês (2,1%), mas, em 12 meses, é o lugar onde reúne os imóveis que mais se valorizam no Brasil. A variação anual chega a 38,6% na capital do Paraná.

“Alguns bairros têm um peso maior no índice e, por isso, puxaram a média da cidade paranaense para cima. Mas, temos de entender que é um cenário de recuperação. No ano passado, Curitiba estava muito abaixo da média nacional. Por isso, estes números expressivos em 2013”, explicou Eduardo Zylberstajn, coordenador do FipeZap.

Florianópolis (com aumento de 2,3%) e Belo Horizonte (2,2%) registraram as maiores elevações de preços no último mês, enquanto os menores crescimentos foram verificados em Salvador (0,1%), Porto Alegre (0,7%) e São Bernardo do Campo (0,7%).

Já nas cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro as variações foram, respectivamente, de 1,3% e 1,2%.

Veja na tabela abaixo o desempenho de cada cidade em novembro. Todas as 16 cidades compõem o Índice FipeZap Ampliado, lançado no início deste ano. Sete dessas cidades, que estão com asterisco, já compunham o Índice FipeZap Composto Nacional, existente desde 2010.

 

 

Preços dos imóveis sobem mais do que o dobro da inflação

 

 

+ Veja ofertas de casas à venda em Salvador

 

7 Comentários

  1. Realidade os construtores apenas atualizou custos, não há ganho por outro lado,os compradores estão mais longe dos financiamentos, a renda não acompanha,havendo perda de capacidade de compra.

  2. A BOLHA IMOBILIARIA VAI EXPLODIR EM NO MAXIMO 2 ANOS DERRUBANDO OS PREÇOS E O VALOR DE M2. QUEM COMPRAR AGORA, VAI PERDEE!!!

  3. Boa Tarde; estou no mercado, como Corretor desde 2002, e acompanhei varias fase do mercado, e creio que neste Momento o Mercado de Curitiba e região Metropolitana, não sofrera variações de preço, nos próximos anos.Grato Mendes.

  4. Muito bom o gráfico comparativo, dá uma real avaliação do que acontece no mercado. Ajuda no ajustar valores acomodados para venda.

  5. Estou tentando comprar um apartamento a mais de 1 ano mas a alta do preço não me permite fazer uma arriscada compra na alta prevendo perder na baixa. Infelizmente terei que segurar meus investimentos apostando que esses preços irão cair, porque se comprar agora tenho quase certeza que perderei dinheiro no futuro

  6. Excelente momento para aquisição, quem não comprar e continuar fazendo investimento está a cada dia ficando mais longe do sonho da casa própria, pois os dados são claros a aplicação financeira está dando um retorno em torno de 0,6% a.m ou nem isso e o aumento do imóvel 1,3% a.m pegando como referencia São Paulo.. Acabei de adquirir um novo imóvel agora no final do ano e estou muito feliz.. Estas informações são boas apenas para o mercado financeiro do Pais que a cada dia bate novos recordes de ganhos, pagam 0,6% a.m para o aplicador e emprestam a 8, 10, 12% a.m.. Boa Sorte..

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.