22/08/2008

Predinhos charmosos

Fonte: Jornal da Tarde

Prédios baixos das décadas de 1940 e 60 são disputados no mercado de usados

É difícil imaginar que em São Paulo ainda seja possível viver em condomínios abertos, com muros baixos, sem qualquer aparato sofisticado de segurança, sem porteiro, sem elevador. Mas é assim que vivem os moradores dos edifícios de poucos andares construídos entre as décadas de 1940 e 60 em São Paulo, disputadíssimos no mercado de usados e conhecidos como ‘predinhos de charme’.

O maior conjunto desse tipo de construção fica no bairro de Pinheiros entre a Avenida Pedroso de Moraes e as ruas Teodoro Sampaio, Mourato Coelho e Artur de Azevedo. O conjunto foi construído no terreno que pertencia à Sociedade Hípica Paulista, que funcionou no local entre 1921 e 1939, e, por isso, os prédios ficaram conhecidos como ‘Predinhos da Hípica’.

Ao todo são 21 prédios de três andares e 14 sobrados, construídos pelo imigrante libanês Raduan Dabus, que enriqueceu exportando café e comprou o terreno quando a hípica decidiu se mudar. O objetivo de Dabus era gerar renda do aluguel dos apartamentos para todos os herdeiros da família. “Naquela época era comum que algumas famílias construíssem imóveis para renda em São Paulo. Esse tipo de construção, de prédios baixos e arquitetura muito simples era uma boa opção para quem queria ter renda de locação”, explica Maria Lucia Bressan Pinheiro, professora de História da Arquitetura da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP).

Os prédios foram projetados por Felix Dabus, filho de Raduan, com estilo arquitetônico inspirado em prédios alemães da época da industrialização, pré-guerra, que serviam para abrigar os funcionários das indústrias de forma adequada e simples.

Hoje, é justamente a simplicidade arquitetônica que atrai moradores interessados em ocupar esses imóveis. “Apesar de o modelo de construção dos predinhos ser extremamente simples, a qualidade urbanística desse tipo de conjunto é muito boa. As ruas são arborizadas e, apesar de não haver aparatos sofisticados de segurança, os prédios são seguros, porque os moradores se conhecem e ficam atentos a quem freqüenta o local”, diz a arquiteta Cássia Nobre, autora de um estudo sobre o conjunto de prédios da Hípica.

Oportunidades

Como a oferta de unidades em predinhos é rara, quem estiver procurando um deve entrar nas filas de espera das imobiliárias e com os zeladores dos prédios

A construtora Movimento Um tem lançamentos que seguem o padrão dos predinhos, mas com mais andares

Alguns predinhos são de um mesmo proprietário e só tem unidades para a locação, nenhuma para venda

Andar a pé por alguns dos bairros que concentram esse tipo de construção é a melhor forma de encontrar ofertas

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.