09/10/2009

Procura por imóveis para alugar cresce 68% no Rio

Fonte: Jornal Extra

A procura por casas e apartamentos para alugar não para de crescer no Rio. O número registrado pela Associação Brasileira das Administradoras de imóveis (Abadi), em agosto deste ano, é 68% maior do que o verificado no mesmo mês do ano passado. Segundo o Secovi Rio, a região de maior demanda é a Zona Oeste, com evolução de 17,81% no número de interessados em alugar. A Zona Norte ficou em segundo lugar com aumento de 11,73%, antes da Zona Sul: 6,59%. Os campeões de audiência nessas regiões são Barra, Tijuca e Botafogo, respectivamente.

Com tanta gente interessada em alugar, porém, como agilizar o processo e garantir logo a mudança? O segredo, segundo especialistas, é providenciar rapidamente a documentação, do locatário e do fiador. Somente assim é possível reduzir o tempo gasto com a burocracia do aluguel que, muitas vezes, parece maior do que a da compra da casa própria.

“Ter a documentação necessária de todos os participantes do contrato em mãos garante a prioridade ao imóvel pretendido”, disse o diretor da Protel Administradora, Alfredo Lopes.

Reunir a documentação, entretanto, requer disposição, pois são necessárias algumas idas e vindas a cartórios. Para tirar essa e outras dúvidas dos atuais e futuros inquilinos, o advogado Hamilton Quirino respondeu a algumas questões a pedido do Extra. Veja abaixo:

1) Que documentos ter em mãos na hora de alugar?
Identidade, CPF, comprovante de renda, declaração do Imposto de Renda e comprovante da propriedade de imóvel, se tiver.

2) O que o locatário e o locador têm que apresentar?
O locatário deve apresentar os documentos acima. O fiador, obrigatoriamente, tem que ter o comprovante da propriedade de um ou mais imóveis. As firmas dos dois devem ser reconhecidas em cartório.

3) Quanto custa a ficha de análise?
Cerca de R$ 40 para cada um (locatário e fiador).

4) Como negociar o contrato?
Podem ser negociados o valor, o índice de reajuste e detalhes como a realização de obras e a colocação de armários, entre outros, com a possível compensação no valor do aluguel.

5) O tempo de contrato pode ser negociado?
O tempo mínimo do contrato residencial é de 30 meses. Pode ser negociada a cobrança de multa pela rescisão a partir do 13 mês. Assim, em caso de ter que sair após o primeiro ano, o locatário não pagaria a multa.

6) Como negociar as melhorias no imóvel feitas pelo inquilino?
As benfeitorias não são indenizáveis, salvo se outro entendimento vier a ser acordado pelas partes.

7) Que taxas mensais cabem ao proprietário e ao inquilino?
Ao inquilino cabe pagar o aluguel, além de luz e água, que deve transferir para seu nome. Em nome do proprietário incidem o IPTU e parte do condomínio. No caso do condomínio, cabe ao proprietário pagar as despesas extraordinárias, com obras na fachada, troca de elevadores, substituição das tubulações, além do fundo de reserva.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.