31/08/2009

Qual o valor da segurança?

Fonte: Jornal da Tarde

Veja o custo de equipamento adequado às características de seu condomínio

Mais importante é ter o controle de quem entra do que de quem já está dentro: priorize equipamentos externos (Agência Estado)
Mais importante é ter o controle de quem entra do que de quem já está dentro: priorize equipamentos externos (Agência Estado)

Para quem mora em um condomínio, investir em segurança básica pode significar um investimento inicial de R$ 15 mil, dividido entre os condôminos (em prédio com 40 apartamentos). Pode ser composta por circuito interno, cerca perimetral e componentes que devem ser checados periodicamente pelo zelador ou síndico do condomínio, para verificar seu funcionamento e chamar técnico de manutenção se for o caso ou realizar a manutenção preventiva.
 
A manutenção é de baixo custo e pode significar R$ 250 mensais. “O que pesa é reposição e o investimento inicial”, afirma Fábio Khurbi, da Associação de Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios da cidade.

Contratação de mão-de-obra especializada também pode significar mais custos na cota condominial, considerando que chegam a representar 60% do valor.“ Duas pessoas na portaria já são mais comuns em empreendimentos de médio padrão”, diz Khurbi. “Um vigilante tem salário cerca de 30% maior que um porteiro,completa Paulo Roberto de Sá, da GR Condomínios.

O aumento da segurança pode estar em iniciativas mais simples. Uma delas é a mudança de comportamento.

“Os condôminos devem procurar atender ao que os funcionários dos condomínios solicitam. Ao chegar, tem de abaixar o vidro do carro, obedecer as determinações”, explica Hubert Guebara, vice-presidente de condomínios do Secovi.

Além disso, verifica-se que as invasões geralmente ocorrem com o auxílio de informações privilegiadas. O Secovi estima que a proporção de participação de funcionários e ex-funcionários do condomínio em sequestros e invasões seja de 47%, de desconhecidos, 35%, de prestadores de serviço, 13%, e de parentes, 5%. “Informações sobre seu padrão devida ou eventos como viagem devem ser evitadas”, completa Guebara.

Os condôminos podem exigir um regulamento interno com itens de segurança. “Ele deve conter regras sobre o acesso ao prédio e recebimento de encomendas“, afirma Khurbi.

SENSOR INFRAVERMELHO: Funciona com o uma barreira invisível, que, se cortada, emite sinal. O sensor de facho simples proporciona intensidade de alarmes falsos maiores que os de duplo facho. Quando acoplados a um sistema de câmeras, a imagem do local poder á ser fixada na tela do monitor, acompanhada de sinal sonoro para chamar a atenção do profissional na guarita.

CERCA CHOQUE PULSATIVO: Solução de baixo custo que melhora sistemas convencionais. Quando em contato com intruso aciona dispositivos de alarme na central de monitoramento.

CIRCUITO FECHADO DE TV: Sistema onde uma determinada área é monitorada por câmeras, cujas imagens são visualizadas através de monitores de vídeo.

CÂMERAS: Podem ser convencionais, profissionais, preto e branco ou coloridas. As câmeras preto e branco são eficientes para segurança. Existem lentes de foco fixo (2,8mm/12mm), e foco variável (3mm a 8mm), que pode ser ajustado manualmente permitindo o enquadramento do local a ser observado, evitando cortes indesejáveis na imagem. Para uso externo, lentes com auto-íris são fundamentais.

MONITORES: Os multiplexadores mostram de uma única vez até 16 câmeras no monitor, permitindo a gravação de todas ao mesmo tempo. Os seqüenciadores mostram as câmeras uma a uma, em um tempo ajustável, e não permitem agravação de todas ao mesmo tempo.

ILUMINAÇÃO: A fixa é recomendada para áreas que necessitam de iluminação constante,como entrada de pedestres e veículos, bem como o lado externo da guarita. Holofotes de presença são econômicos e podem ser utilizados ao redor dos muros e nos acessos ao edifício.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.