01/04/2007

Qualidade de vida é o grande atrativo

Fonte: O Estado de S. Paulo

Área verde, clima agradável e até ruas de terra são charme da região

A ausência de geradores de poluição no entorno da Granja Viana reforça a vocação residencial da região que é procurada principalmente por pessoas em busca de boa qualidade de vida. “Não há lixão, ou indústrias poluidoras que espantem as pessoas”, afirma Luiz Eduardo de Oliveira, presidente da Associação de Empresas de Loteamento (Aelo).

A procura é crescente. “Existe demanda. Nós não somos criadores de demanda, e sim atendemos a ela”, ressalta. De fato, o desenvolvimento da Granja Viana ocorreu de forma espontânea. Em meados da década de 1960 começaram a surgir os primeiros moradores, muitos deles professores da Universidade de São Paulo (USP).

Depois da duplicação da Raposo Tavares, em 1975, o desenvolvimento local aumentou. Surgiram loteamentos como Palos Verdes, Parque Silvino Pereira e Jardim Mediterrâneo. Com muito verde, a Granja Viana apresenta lotes maiores, casas mais isoladas e ruas de traçado sinuoso.

Luiz Paulo Pompéia, diretor da Empresa Brasileira de Pesquisa de Patrimônio (Embraesp), mora no bairro desde a década de 1970 e confirma que os maiores atrativos do lugar são o verde e a tranqüilidade. “Meu pai era físico, pesquisador, e descobriu que os melhores ventos de São Paulo vêm da serra de São Roque”, conta. Pompéia lembra que o pai mediu a altura do terreno e constatou que a área estava acima do nível da Avenida Paulista. Assim, vendeu a casa na região da Avenida Nove de Julho e comprou pelo mesmo preço a antiga sede da Fazenda Viana, de área de um alqueire que abrigou a família grande, de 12 filhos.

Por não ser um bairro planejado, a infra-estrutura demorou a chegar. Há ainda ruas de terra. Algumas são preservadas por vontade dos próprios moradores. “É uma opção de vida. Me perguntam se eu lavo o meu carro todos os dias. Eu respondo que simplesmente não lavo”, brinca.

Mas, atrás desses moradores, chegaram ao local equipamentos como escolas, creches, comércio e segurança. O investimento público em infra-estrutura ao longo dos anos, como vias de acesso, energia elétrica, água e esgoto, também tornou o desenvolvimento viável.

Pompéia diz que a região concentra oportunidades de negócios para todos os padrões.


Leia também

Dois quartos a R$ 93 mil em média

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.