19/01/2007

Quase não se vê, mas o bolso sente

Fonte: Jornal da Tarde

A maioria das novas tecnologias dos prédios fica escondida, mas barateia os condomínios

Patrícia Santos/AEZap o especialista em imóveisDiretor da Rossi, Alcides Gonçalves mostra o sistema individual de leitura de água no Condomínio Clube Tuiutí

Quase sempre, as inovações tecnológicas adotadas nos prédios residenciais de São Paulo estão escondidas atrás das paredes, no fosso do elevador, bem longe do que é visto e apreciado pelos moradores. Já os benefícios da modernidade ficam estampados, ao fim do mês, na conta cada vez menor do condomínio.

Nos empreendimentos novos, as construtoras planejam, desde o início da obra, estratégias que podem ajudar os futuros proprietários dos apartamentos a economizar com as contas de água, luz e gás. No pacote de novidades, são entregues sistema de aquecimento solar e reutilização de água, redutores de pressão, elevadores que consomem menos energia e medidores individuais e eletrônicos, que ajudam cada condômino a saber quanto consumiu naquele mês.

A preocupação em instalar novos equipamentos para reduzir o custo do condomínio tem ajudado as construtoras a conquistar os clientes mais rapidamente. “A preocupação também é com o desempenho. Essa constatação de economia vai acontecer no futuro, quando o condomínio ficar mais barato. Para o usuário é um impacto direto no bolso. Essa economia também será benéfica para quem está interessado em alugar o apartamento que comprar. Depois do valor do aluguel, o que o inquilino quer saber é quanto ele vai gastar com o condomínio”, afirma Giorgio Vanossi, diretor técnico da Setin Empreendimentos Imobiliários.

Com uma série de seis novos prédios, batizados de ‘Mundo Apto’, a Setin implantou boa parte de novos métodos para ajudar seus clientes a gastarem menos com a manutenção do prédio depois da entrega. “Nos prédios do Mundo Apto, existem sistema de aquecimento solar, fachada pré-fabricada, piso elevado na parte do térreo e reúso de água”, detalha Vanossi.

A utilização de tecnologias mais avançadas também deixou de ser artigo exclusivo dos prédios de luxo, situados em bairros de alto padrão de São Paulo. “O cliente está muito exigente, em qualquer faixa de renda. É fundamental ter parâmetros para saber quanto custará o condomínio e diminuir o impacto desse custo. Há três, quatro anos, a implantação dessas tecnologias implicaria um gasto muito maior. Hoje, existe demanda, as empresas passaram a exigir soluções dos fornecedores, e o cliente também pede essa atitude. Assim, o custo diminuiu”, diagnostica Alcides Gonçalves, diretor de engenharia da Rossi Residencial.

Atentas às exigências do mercado, as incorporadoras já catalisam as novidades para aumentar a velocidade de vendas dos lançamentos. “Existem coisas que fazemos há seis anos, mas só começamos a divulgar agora, porque o consumidor passou a dar importância para isso”, comenta Silvio Chaimovitzi, diretor técnico da Klabin Segall.

Inovações que ajudam a gastar menos

Aquecimento solar 
A implementação de sistemas de aquecimento de água que
utilizam a luz solar contribui para diminuir o consumo de energia elétrica, um dos fatores que mais pesam no valor do condomínio

Reúso de água 
A água utilizada para tomar banho, escovar os dentes e lavar a louça pode ser reaproveitada. Existem sistemas de purificação que guardam essa água em reservatórios e a utilizam nas descargas dos apartamentos, lavagem de áreas comuns e irrigação de jardins

Medidores individuais
A instalação de ‘relógios’ de água por apartamento, além de ser um método mais justo de divisão do gasto, contribui para reduzir o consumo, pois o morador toma cuidados para
evitar o desperdício. As construtoras podem planejar esse sistema na construção, o que barateia a implementação

Elevador inteligente 
Já existem sistemas que impedem que todos os botões dos elevadores sejam apertados por crianças e parem sem necessidade nos andares. Os motores mais modernos também consomem menos energia durante as viagens

Sensor de movimento 
A instalação de sistemas que acendem automaticamente as luzes contribui para diminuir o consumo de energia elétrica. As lâmpadas se apagam depois que o morador sai do local e não ficam acesas durante muito tempo

Pisos elevados 
Em áreas comuns por onde passam cabos de telefonia, TV e internet, a instalação de pisos que não precisam ser quebrados para se fazer a manutenção é uma alternativa para economizar

Fachadas prontas 
Peças pré-fabricadas para dar acabamento às fachadas dos
prédios é útil para diminuir o custo de manutenção com pintura e conserto de trincas, fissuras e rachaduras

Busway
Luz elétrica é levada aos apartamentos por uma barra de cobre, que evita perda de energia

Leia mais

Investindo em sua casa para ajudar o mundo 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.