06/06/2007

Renda ainda é o grande obstáculo

Fonte: O Estado de S. Paulo

Fazia tempo que o agente financeiro Victor Alex Lemos, de 29 anos, tentava financiar a compra de sua casa. Bateu à porta de vários bancos, mas sempre encontrava barreiras. “”Cheguei a virar cliente de uma instituição financeira, mas não consegui crédito por ela””, diz.

O maior obstáculo era o salário. “”Eu não tenho renda compatível””, explica. Como Lemos mora sozinho, não pode somar seu salário com o de outra pessoa para facilitar a abertura do crédito. “”Se você não tem renda, passa muita vergonha””, reclama.

Mas ele não tirou o sonho da cabeça. Quando percebeu que as condições para obter financiamento melhoraram, resolveu tentar de novo. E conseguiu. Este mês, ele está eufórico. Sai da casa alugada na Vila Matilde, zona leste, para um apartamento novo, de dois dormitórios, em Pirituba, zona oeste. “”Quando me vi com o contrato de compra e venda assinado, quase não acreditei.””

O imóvel fica mais próximo de seu trabalho, no Morumbi. “”Hoje levo duas horas para voltar do trabalho. No apartamento novo, vai demorar 1 hora e 15 minutos””, calcula. Além disso, vai morar próximo da linha do trem e terá acesso mais rápido a rodovias que levam ao interior. “”Vai ficar mais fácil para eu visitar meus parentes em Jundiaí.””

O apartamento no condomínio levantado pela construtora Mudar – criada especificamente para atender ao público de rendas média e baixa – custou R$ 60 mil. Lemos ofereceu R$ 16 mil como entrada e financiou o restante pela Caixa Econômica Federal. “”Achei o processo rápido. Tive a proposta aprovada pelo banco e a construtora deu suporte.”” A prestação de R$ 400 vai ficar R$ 100 mais cara que o aluguel que paga. Mas ele não se importa. “”É quase o equivalente””, diz.

Na opinião de Lemos, o que ajudou na compra foi o momento econômico. “”De uma forma geral está melhor. Com relação à compra da casa, está mais fácil, mas ainda há um pé no freio””, afirma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.