03/06/2007

Reserve dinheiro para taxas e impostos

Fonte: O Estado de S. Paulo

Gastos podem chegar a 5% do valor do imóvel e são pagos à vista

DivulgaçãoZap o especialista em imóveisObrigatoriedade – Somente com o comprovante do pagamento do ITBI é possível tirar escritura

Você fez as contas e chegou à conclusão de que está perto de realizar o sonho da casa própria. Mas chegou a incluir nos cálculos os gastos com taxas e impostos? Muitos compradores se esquecem ou mesmo desconhecem os custos iniciais envolvidos nos processos de compra e venda de imóveis. Eles são altos e o pagamento deve ser à vista. É quando muitos são pegos de surpresa e se vêem obrigados a adiar os planos da aquisição do imóvel.

De acordo com o presidente do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci-SP), José Augusto Viana Neto, ao todo, o custo desses encargos compõe, em média, cerca de 5% do valor total do imóvel. “Sem dúvida, é muito importante que se faça uma reserva para esses gastos”, afirma.

As maiores despesas que incidem em todas as transações são o Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), a escritura e o registro do contrato, feitos no Tabelião de Notas e Cartório de Registro de Imóveis.

O ITBI é um tributo municipal cujo valor da cobrança varia de cidade para cidade. Mas, de acordo com o Creci-SP, o custo costuma representar em média 2% do valor do bem. “Há municípios onde a prefeitura isenta alguns imóveis da cobrança, conforme a faixa de valor”, esclarece Viana Neto.

Em São Paulo, não há isenção e a cobrança é de 2% do valor do imóvel. No caso da compra de uma casa no valor de R$ 60 mil, por exemplo, o imposto devido é de R$ 1.200. Para propriedades avaliadas em R$ 120 mil, a taxa sobe para R$ 2.400. O valor cobrado vai para R$ 4 mil, nas transações de imóveis no valor de R$ 200 mil.

A média de valor das despesas com documentação – escritura e registro – também fica em torno de 2%, mas a proporção varia conforme o valor do imóvel. A escritura somemte é emitida com o comprovante do pagamento do ITBI.

Segundo a tabela praticada na cidade de São Paulo, para um imóvel de R$ 60 mil, a escritura fica em R$ 1.079,39 e o registro em R$ 683,62. Uma casa de R$ 200 mil terá escritura no valor de R$ 1.927,16 e registro de R$ 1.180,96. (ver quadro)

Há ainda despesas que podem ou não ser cobradas do comprador. É o caso dos custos com a matrícula do imóvel e, em caso de negociação por meio de imobiliária ou corretor, o pagamento da comissão. “A obrigação do pagamento dessas despesas é de quem vende, mas, caso seja acordado em contrato, o comprador pode arcar com elas”, afirma Neto.

Nestes casos, o custo com a matrícula do imóvel – necessária para que o processo de venda seja concluído -, é baixo: R$ 30. Mas a comissão paga aos corretores fica em torno de 6% do valor do imóvel.

Serviços essenciais

Existem ainda despesas secundárias às quais o comprador da casa nova deve estar atento antes de se mudar. São as taxas cobradas para ligar ou religar os serviços essenciais, como água, esgoto, gás, telefone e energia elétrica.

A Sabesp, por exemplo, cobra pela primeira ligação da rede de água e esgoto em uma residência. Em caso de religamento a cobrança é feita apenas para a rede de água. A ligação do esgoto é gratuita. Mas o fornecimento da água somente é reativado caso não haja dívida anterior ou quando ela for quitada. A AES Eletropaulo não cobra para ligar, apenas para religar o fornecimento de energia elétrica.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.