15/05/2013

Revitalização do Baixa Augusta atrai lançamentos em SP

Região, que se tornou a queridinha dos intelectuais paulistas, valorizou 172% em seis anos

Fonte: ZAP Imóveis

Conhecido como centro alternativo da cidade de São Paulo, a região do Baixa Augusta, no bairro da Consolação, ganha espaço para novos empreendimentos comerciais e residenciais, que fazem parte da revitalização do local.

Incorporadora vendeu 100% de seus apartamentos na planta em seis horas (Fotos: Esser Incorporadora)

Casais sem filhos, pessoas solteiras, profissionais liberais, artistas e intelectuais ou qualquer outro público do universo “moderninho paulista” são os compradores potenciais de imóveis dessa região.

Mesmo investidores, visando lucros com o crescimento dessas comunidades no centro da cidade, estão de olho no bairro. O Baixo Augusta, antes conhecido apenas por bares e baladas, agora se revela como point residencial.

De acordo com Nick Dagan, diretor de incorporações da Esser, o custo do metro quadrado na região está em torno de R$ 12 mil para empreendimentos residenciais, chegando até R$ 15 mil para os comerciais.

“O Baixo Augusta tornou-se um ‘objeto de desejo’ para vários segmentos da sociedade. A região tem infraestrutura completa, está próxima ao Centro Velho, ao Jardins e à avenida Paulista”, pontua.

“A revitalização da Praça Roosevelt também agregou valor ao local”, completa.

O portal ZAP Imóveis avalia que bairros como Jardins e Moema possuem preços médios menores, que variam de R$ 8mil a R$9 mil o metro quadrado. Já a Vila Mariana, possui custo médio de R$ 8 mil/m².

A Esser é dona do empreendimento Capital Augusta, que vendeu 100% de seus apartamentos na planta em seis horas. Mas, a construtora Requadra lidera o recorde de tempo de vendas. Um de seus prédios, localizado na Rua Paim, bateu recorde de vendas na região: 256 unidades vendidas em duas horas.

Incorporadora do empreendimento BelAugusta

Ainda de acordo com o índice do ZAP Imóveis, houve um aumento de 172% na variação do preço dos imóveis na região da rua Augusta desde fevereiro de 2008 até abril de 2013.

Já Sílvia Santos, moradora da região, conta que, em 1997, seu imóvel custava cerca de R$ 90 mil e hoje custa certa de R$ 500 mil.

1 Comentário

  1. Quando uma incorporadora quer fazer seu empreendimento vender… faz isso! Tenta enganar os compradores e imaturos investidores, dizendo que uma região como Moema que fica ao lado do Ibira e se respira ar menos poluído, faz qualquer negócia e diz o que quer. Vá até Moema ou VNC e tenta comprar um imóvel por menos de 12 mil o m2?! Tenta?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.