28/09/2015

Saiba como funciona o consórcio de imóveis

No consórcio não existe cobrança de juros, mas há taxa administrativa, fundo de reserva e seguros

Fonte: Hatada Advogados

Os consórcios são uma modalidade de autofinanciamento. Quando um consorciado adquire a cota de consórcio, ele passa a fazer parte de um grupo com a finalidade de formar uma espécie de poupança, que é destinada à compra de imóveis.

consórcio
O dinheiro usado para comprar os imóveis é o dinheiro de todos os cotistas do grupo (Foto: Shutterstock)

+ Vai comprar um imóvel? Entenda os índices financeiros

+ Saiba quais as opções de financiamento imobiliário

Os participantes efetuam contribuições mensais que são feitas através do pagamento de prestações, calculadas de acordo com o valor do crédito contratado, somando a taxa de administração e fundo de reserva sem cobrança de juros.

O grupo será formado e administrado por uma empresa que cobrará taxas pelo serviço. Para fazer parte do grupo, basta comprar uma cota e pagar as mensalidades em dia. O dinheiro usado para comprar os imóveis é o dinheiro de todos os cotistas do grupo.

Antes de decidir comprar uma cota, pesquise se a administradora está registrada no Banco Central. O Banco Central também divulga os rankings dos administradores com maior número de reclamações.

Existem diversas administradoras, sendo possível escolher uma que esteja dentro do perfil do que se deseja comprar.

No consórcio, não existe cobrança de juros, mas há taxa administrativa, fundo de reserva e seguros.

Construção de apartamentos
Antes de decidir comprar uma cota, pesquise se a administradora está registrada no Banco Central (Foto: Shutterstock)

Para adquirir uma cota, o participante deverá ficar atento ao documento de Contrato de Adesão. Nele estão explicitadas as regras que regem o negócio contratado, como por exemplo: valor do crédito, prazo para pagamento, condições de contemplação, entre outras.

Mensalmente é feito o sorteio para a contemplação. Os participantes podem ofertar lances para conseguir antecipar a contemplação do consórcio e ter a carta de crédito liberada.

O consorciado também pode utilizar seu FGTS para fazer os lances ou para complementar o valor de sua carta de crédito.

Quando o consorciado tem sua carta de crédito liberada, o valor referente ao seu crédito é pago diretamente à pessoa ou à empresa que está vendendo o imóvel.

Caso o consorciado decida retirar o dinheiro, primeiramente ele precisa quitar todas as parcelas restantes e aguardar 180 dias.

Se o participante for contemplado, mas não deseja utilizar o crédito imobiliário, basta continuar pagando as parcelas e o valor referente à carta de crédito é depositado em uma conta bancária da administradora do consórcio.

A carta de crédito pode ser utilizada na compra de qualquer tipo de imóvel, para a reforma do imóvel que o consorciado já possui, ou para a construção de imóvel em um terreno de sua propriedade.

O crédito também pode ser utilizado para efetuar a quitação de algum financiamento que está em nome do consorciado.

As parcelas mensais de pagamento e o valor da carta de crédito são corrigidos a cada 12 meses pelo INCC (Índice Nacional de Custo da Construção).

Caso não seja possível mais arcar com as parcelas, é possível reduzir o valor mensal com a contrapartida de reduzir o valor da carta de crédito, ou então, vender a cota para outra pessoa.

Por fim, ante de comprar um consórcio, é importantíssimo analisar detalhadamente o contrato com a ajuda de um advogado, bem como, saber qual o custo efetivo total (CET) da operação que conterá todas as despesas embutidas.

*O escritório Hatada Advogados atua no mercado imobiliário. Recebeu o prêmio Top Empreendedor em 2012 da revista Top of Business.

Veja como funciona o consórcio imobiliário

+ Paredes de isopor são usadas em construção de casas. Saiba mais

+ Caixa vai financiar apenas 50% do imóvel usado

+ Banco do Brasil altera taxa de juros do financiamento de imóvel

+ FipeZAP divulga que valor médio de locação passa a cair em 2015

+ FipeZap aponta que preços de imóveis residenciais seguem abaixo da inflação

+ Veja 10 dicas para transformar o seu quintal

+ Confira 18 dicas de decoração de varandas

+ Pastilhas na decoração: Veja 5 dicas de como usar

+ Azulejos: trocar, aplicar novos sobre antigos ou pintar?

+ Saiba quais os pisos ideais para sua garagem

 

+ Quer receber mais dicas de decoração e mercado? Informe seu nome e e-mail no espaço para comentários desta matéria. Os dados não serão publicados nessa página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.