16/12/2013

Saiba como refrescar sua casa para enfrentar o verão

Veja o que pode ser feito na fase de projeto e também aprenda a escolher o ar-condicionado

Fonte: ZAP Imóveis

O verão está se aproximando e, com ele, as altas temperaturas. Se você estiver prestes a construir ou comprar sua casa, pode ficar atento a algumas dicas que devem ser observadas para deixar seu imóvel mais fresco e saudável.

Sol tem efeito germicida (Fotos: Thinkstock)

Segundo o arquiteto Augdan de Oliveira Leite, toda casa deveria seguir o norte geográfico. “Os quartos voltados para o sol da manhã, no lado norte, têm ambiente mais saudável, pois o sol tem efeito germicida. Além disso, eles ficam mais arejados à noite”, explica.

Quer receber mais dicas de decoração e mercado? Clique aqui e cadastre-se

Outras dicas do arquiteto são:
– Durante o projeto, estude a ventilação nos quartos. Pode-se dimensionar o brise-soleil (expressão francesa que significa literalmente quebra-sol), um dispositivo arquitetônico usado para impedir a incidência direta de raios solares no interior do imóvel. Segundo Augdan, pode ser colocado por fora das janelas dos quartos e da sala. “É um recurso natural bonito que direciona a ventilação para dentro do ambiente. Com ele, pode até não ser necessário o uso de ar-condicionado”, acredita.

– Quem tem jardim em casa pode colocar árvores, pois geram sombra agradável.

– Persianas também ajudam a controlar incidência de sol e de ventilação. Além de decorativas, são funcionais.

Ar-condicionado – Para as casas menores, geminadas, onde há falta de claridade e de área verde, normalmente existe a necessidade de colocar um aparelho para auxiliar na ventilação e refrigeração dos ambientes. Nesse caso, o mais indicado é o uso de ar-condicionado. “Hoje não são mais tão caros e, se o dono da casa fizer um planejamento, com o tempo pode colocar um em cada cômodo”, diz o arquiteto.

Se a construção não seguiu o norte geográfico os aparelhos podem auxiliar na ventilação dos ambientes

Flavio Faria, diretor da Soma Frio Ar-condicionado, explica que 90% dos equipamentos residenciais são da linha splits, que são compostos por um condensador (parte externa) e um evaporador (parte interna). Os outros 10% correspondem aos equipamentos compactos, instalados na janela.

“As vantagens dos splits em relação aos compactos ficam por conta do barulho menor e forma de instalação”, explica Faria.

Segundo ele, nas instalações dos compactos deve ser aberto um vão na parede do tamanho do aparelho, de 35cm x 45cm em média, podendo ser maior conforme a capacidade do equipamento. “Este tipo de equipamento faz ruído por conta do compressor que está fixo na base do aparelho”, explica.

Na instalação dos modelos splits é necessário um furo de aproximadamente 2 polegadas – ou seja, 5 cm. O condensador (externo) é instalado normalmente com 5 metros de distância da evaporadora (interna), evitando ruídos indesejáveis. Alguns splits podem ser instalados com até 60 metros de distância, dependendo do modelo e da capacidade.

Faria explica que os splits apresentam os seguintes modelos: Hi Wall, Piso Teto, Cassete, Dutados (de embutir no forro), sendo que cada um tem sua aplicação específica.

“O modelo mais aplicado em residências é o Split Hi Wall, nas capacidades de 9.000 btus,12.000 btus , 18.000 btus, 24.000 btus e 30.000 btus. Eles são encontrados nas versões Bi split, Tri split ou quadri split e apresentam soluções para quem tem pouco espaço externo, como em apartamentos.”

De acordo com Faria, essas versões contam com um condensador para cada dois, três ou quatro evaporadores .

Atualmente, algumas marcas fabricam splits que utilizam gás ecológico e sistema elétrico, o que pode economizar até 40% de energia (dos compressores e ventiladores). São conhecidos como linha Inverter e, em sua maioria, oferecem cinco anos de garantia.

Quem tem jardim em casa pode colocar árvores, pois geram sombra agradável

Em alguns sites de vendas de ar-condicionado é possível encontrar ferramentas que calculam a área a ser beneficiada e indicam a capacidade em btus aproximada. Para esse cálculo, Faria dá a dica: “Para cada metro quadrado calculamos 700 btus. Por exemplo, para uma área de 4×4, ou seja, de 16 metros quadrados, calculamos 16×700, o que equivale a 11.200 btus. Como não existe esta capacidade disponível, o segredo é sempre comprar um equipamento com carga superior à do valor apresentado no simulador, ou seja, neste caso um equipamento de 12.000 btus”, orienta.

É bom saber que todos os modelos podem ser adquiridos na versão só frio ou quente e frio. Esta variação entre um modelo e outro pode representar até R$ 300 do valor total do equipamento. Os preços variam no que se refere ao modelo, capacidade, marca e instalação.

“Para termos uma noção de valores, em um dormitório pequeno, sugerimos um equipamento de 9.000 btus, e o custo ficará em torno de R$ 1.600 pelo equipamento e instalação. Já em um ambiente maior, como uma sala de jantar, é indicado um equipamento de 18.000 buts, com custo aproximado de R$ 2.600 (equipamento e instalação).”

Faria explica que, nestes valores, estão inclusos 5 metros de tubulação, suporte para o condensador, parafusos de fixação, cabos de comunicação, carga de gás e mão de obra técnica. Não estão inclusos os serviços de alvenaria, ponto de força, dreno, gesso, entre outros trabalhos de acabamento.

3 Comentários

  1. Adorei as informações.Moro numa casa de madeira que sempre é mais quente e os cômodos voltados para a nascente são os mais fracos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.