01/04/2013

Saiba quais imóveis você compra com R$ 300 mil em Porto Alegre e Região Metropolitana

Saiba quais imóveis você compra com R$ 300 mil em Porto Alegre e Região Metropolitana

Fonte: Revista do ZAP

Especialistas sugerem adquirir lotes de terrenos e investir em incorporações em vez de imóveis e alertam: o boom imobiliário está com os anos contados

Se por um lado o crescimento do mercado imobiliário brasileiro é motivo de euforia para boa parte dos novos investidores, por outro também é de cautela, já que, segundo analistas, o processo é semelhante ao que ocasionou a crise de subprime dos Estados Unidos em 2008 e levou milhares de famílias e grupos à falência. Por isso, antes de optar por um imóvel, é preciso conhecer efetivamente sua realidade financeira e se precaver contra os riscos projetados para os próximos anos.

porto alegre

 

Com uma quantia de R$ 300 mil, por exemplo, é possível fazer diversos tipos de investimentos no Rio Grande do Sul, desde a aquisição de um apartamento de 90 m² em Porto Alegre até o ingresso em um consórcio de incorporação. O fundamental, conforme Tales Morigi, da Trend Investimentos, é atuar em negócios certos. “Comecei comprando imóveis, todos na faixa de R$ 200 mil, mas com a alta dos preços não consegui um bom retorno. O metro quadrado estava muito caro e eu não tinha valorização. Então, acabou virando torcida e expectativa, sem a certeza de um bom resultado. Quando fui colocá-los à venda, estava sozinho no mercado, e como não era expert nisso, ficava acreditando nos outros”, conta ele.

porto alegre

 

Morigi relata que mudou o foco, passando a olhar para a incorporação: “São grupos de investidores que se juntam e, em vez de comprar uma unidade, adquirem uma cota ou porcentagem do empreendimento. Conforme as unidades são vendidas, eu já vou me remunerando.

É um formato mais interessante e uma nova tendência. Hoje, eu tomo minhas próprias decisões, tenho controle e a força de um grupo. A partir de R$ 50 mil, já existem cotas para entrar, e o interessante é que você vai colocando dinheiro à medida que a obra avança, não de uma vez só”.

TERRENOS NA ZONA SUL
Para o gerente da Imobiliária Condotta, Rodrigo Assis, uma boa forma de evitar as elevadas taxas de juros do crédito imobiliário são os lotes de terrenos, cuja valorização pode chegar a 40% em um ano, principalmente na Zona Sul de Porto Alegre. “Se pararmos para observar, a quantidade de construções na Capital é grande e continuará nesse ritmo. Os imóveis não serão absorvidos e daqui a pouco vai demorar para revendê-los. A consequência é que haverá muitos disponíveis para locação, inevitavelmente com custos mais baixos. Com terreno se consegue ter uma valorização bem maior do que com apartamento”, afirma.

“No último ano, os terrenos renderam cerca de 40% em Porto Alegre. É um caminho seguro. Com R$ 300 mil, eu investiria em três lotes residenciais em locais bons e bem-urbanizados, e ainda sobraria. Com mais audácia, dá para comprar dois lotes e construir uma casa num deles, tendo um retorno ainda maior. Hoje, a região mais interessante da cidade para isso é a Hípica, na Zona Sul”, completa Assis.

NOVIDADE NO MENINO DEUS
Entre os novos lançamentos previstos para a Capital, a CKS Incorporações destaca o Connect, no bairro Menino Deus, cujas unidades de até dois dormitórios abrangem a faixa de R$ 300 mil. O diretor da empresa, Luis Henrique Stedile, ressalta que o prédio está sendo pensado em função da mobilidade urbana, um dos principais problemas da cidade atualmente.

“Com metragem de 64 m², teremos apartamentos de dois dormitórios dentro dos R$ 300 mil. A incorporadora acredita que a mobilidade urbana é essencial, por isso o conceito de estar conectado aos principais pontos da cidade e ter todos os serviços do lado de casa. Ninguém mais aguenta perder tempo no trânsito caótico. Pensamos naquelas pessoas que prezam a qualidade de vida, como se exercitar no centro esportivo CETE ou caminhar na orla do Guaíba prestigiando o pôr do sol”, afirma.

Na região dos bairros Auxiliadora, Higienópolis e Passo d’Areia, é possível adquirir um usado, de dois quartos (75 m²) e sem garagem, por R$ 300 mil. Os novos, de acordo com Gilmar Carvalho, gerente da imobiliária Partner, não passam de 62 m² por esse valor: “O imóvel subiu muito e esta região é requisitada, por isso uma boa opção é a sala comercial”.

No bairro Três Figueiras, só é possível encontrar imóveis antigos, a maioria sem garagem, na faixa dos R$ 300 mil. A expectativa hoje é para o lançamento do Urban Concept, concebido com base nos conceitos do novo urbanismo, que propõe um caminho para o desenvolvimento sustentável de longo prazo, buscando equilibrar o impacto das intervenções urbanas nos planos social, ambiental e econômico. Próximo aos colégios Anchieta, Farroupilha e Província de São Pedro, praças Japão e da Encol, além dos shoppings Iguatemi, Bourbon Country e Bela Vista Plaza, o empreendimento oferece apartamentos de 56m² a 86 m², com o valor partindo de R$ 350 mil.

A GRIFE MOINHOS DE VENTO
Nos locais nobres da cidade, onde os preços são mais elevados – caso do Moinhos de Vento –, não se encontra um imóvel de dois dormitórios por menos de R$ 300 mil. Leonardo Brisola Jardim, gerente da imobiliária Excllusive, ressalta que isso acontece porque a “marca” do bairro custa caro: “Apesar de serem construções boas e prédios novos, o pessoal paga mesmo é pela marca do bairro Moinhos, por isso a procura é tão grande. Com R$ 300 mil dá para comprar, no máximo, um apartamento novo de apenas 34 m², com garagem”. Conforme Brisola, a alternativa para quem deseja estar perto do Parcão é o bairro Floresta, onde são vendidos imóveis de até três dormitórios, sem garagem e construídos há cerca de 30 anos, por R$ 200 mil.

Na Cidade Baixa, Bom Fim e Santana, encontram-se com facilidade imóveis seminovos de dois dormitórios com garagem. Pascoal Francisco Blotta, proprietário da imobiliária Mercus, acredita que a região, porém, é um “limbo” para quem deseja investir a quantia de R$ 300 mil. “Estamos falando de um nível médio, de cerca de 80 m², com infraestrutura legal, só que mais antigo. No caso de um novo, com três dormitórios, são necessários mais recursos. Portanto, a região fica no ‘limbo’ nessa situação, pois mesmo com a boa oferta, o comprador necessita de mais dinheiro para ter algo melhor, que possa render no futuro mais do que o investimento.”

Outros bairros consultados pela reportagem apresentam características heterogêneas, como o Petrópolis. Nele, existe uma variedade de preços, condições e estado de conservação. Um novo não custa menos do que R$ 250 mil, com apenas um dormitório; já os usados podem ser adquiridos por R$ 280 mil, com três quartos e sem garagem. No bairro Agronomia, apartamentos de até 100 m² são vendidos por menos de R$ 300 mil; no Cristo Redentor, é possível encontrá-los por este preço com mais de 100 m².

MIGRAÇÃO DE INVESTIMENTOS
Com a alta dos preços na Capital, o que vem ocorrendo é a migração dos recursos para a região metropolitana, onde os prédios são mais baratos e, conforme a proprietária da Lottici Incorporação e Construção, Eb Barbosa, não perdem em qualidade para os da Capital. “Com R$ 300 mil, dá para ter um produto de alto padrão, na planta, com 88 m², três dormitórios, suíte e garagem em Canoas. A grande vantagem é pagar bem menos do que em Porto Alegre e ter o mesmo nível de imóvel, pois o custo do metro quadrado é menor. As cidades da região metropolitana estão bem localizadas estrategicamente e também por isso está havendo uma migração de investidores e clientes”, diz ela.

No Vale do Sinos, o ganho está no espaço. “Nem o luxo, nem o simples. De um padrão médio, os apartamentos novos podem ter até três quartos, garagem, suíte, piso bom e sem grandes acabamentos por R$ 300 mil. A vantagem é o tamanho, que chega a 160 m² em bairros conceituados de São Leopoldo, Novo Hamburgo, Sapiranga e Campo Bom”, relata Douglas Ayres, sócio da construtora DP Ayres, atuante há mais de 25 anos na região.

Leia mais:
>> Veja imóveis à venda em Porto Alegre de até R$ 300 mil
>> Em 2012, imóveis sobem 15,2% em Porto Alegre

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.