02/05/2012

Salão Internacional do Móvel, em Milão, traz mais novidades

Fonte: O Globo

Arquitetos contam o que viram no último Salão do Móvel em Milão

Este ano Milão esteve muito fria e chuvosa, o que não desanimou uma avalanche de mais de dez mil brasileiros, que tomaram de assalto a cidade. Todos ansiosos para ver as novidades da 51. edição do Salão Internacional do Móvel e, paralelamente, a EuroCucina, a International Bathroom Exhibition e o Salão Satellite, que sempre faz sucesso por seus lançamentos ousados.

Salão Internacional do Móvel, em Milão, traz mais novidades
Estante Nuage, de Charlotte Periand, da coleção I Maestri, da Cassina (Fotos: Divulgação)

Apesar dos organizadores da feira terem anunciado que o número de visitantes superou as expectativas, a crise, é claro, deu as caras. A decoração das ruas esteve bem mais modesta do que nos anos anteriores. O arquiteto Pedro Paranaguá notou que muitos estandes tinham a metade do tamanho usual, e que houve menos intervenções na cidade. “Achei que, apesar de menores, as ambientações continuam fantásticas. Não só na própria feira, mas em muitos lugares da cidade. A Paola Lenti, por exemplo, expôs no claustro de um monastério; foi maravilhoso. Já as novidades foram poucas. Algumas marcas fizeram retrospectivas, e a Kartell se sobressaiu. O mais incrível é que o que ela lançou já tem aqui, na loja de Ipanema”, diz, acrescentando que gostou das mostras de design do Chile e da Colômbia no Salão Satellite, e dos eletrodomésticos, cada dia mais tecnológicos.

Designers nórdicos – A arquiteta Gisele Taranto, que já morou em Milão, concorda com Pedro: achou que a Kartell teve bons lançamentos, em especial uma interessante parceria de Philippe Starck com o cantor Lenny Kravitz. “Gosto de passar pelo menos dois dias na feira, sou detalhista. E a cidade fica tão cheia de eventos que foi preciso fazer uma esquema antes de sair do Rio”, diz

Salão Internacional do Móvel, em Milão, traz mais novidades
Luminárias de LED Mini Taj, de Ferruccio Laviani para a Kartell

Os “Fuori Salloni”, que aconteciam principalmente nos bairros de Tortona e Brera, agora também estão nas ruas do Lambrate. E as exposições se multiplicaram, desde performances na Triennale até a simulação de uma casa do futuro no Superstudio Più.

O arquiteto Miguel Pinto Guimarães é outro que procura aproveitar os eventos paralelos. “O mais importante para mim é circular para perceber no ar as tendências dos próximos anos. E o mais gratificante desta temporada foi constatar que os bons profissionais cariocas já estão praticando o que foi apresentado há pelo menos um par de anos. Para mim, as estrelas são sempre os designers nórdicos, pela simplicidade, sutileza, sustentabilidade e funcionalidade de seus traços”, afirma.

LEIA MAIS:

Arquitetos brasileiros contam as novidades da Feira de Milão

Mostras simultâneas ao Salão do Móvel de Milão recebem cariocas

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.