26/08/2015

São Cristóvão revive passado ‘real’ do Rio de Janeiro

Bairro reúne diversos museus e o zoológico do Rio de Janeiro

Fonte: Revista do ZAP

Quem caminha pelas ruas de São Cristóvão, na zona central do Rio de Janeiro, consegue ter uma ideia da quantidade de histórias que o bairro carrega. O local, com dezenas de prédios antiquíssimos, tombados pelo patrimônio histórico, era frequentado pela realeza durante o Império.

Feira tradicional no bairro São Cristóvão, Rio de Janeiro (Foto: Divulgação/ Prefeitura)
Feira tradicional no bairro São Cristóvão, Rio de Janeiro (Foto: Divulgação/ Prefeitura)

Atualmente a região transformou-se em um polo industrial, com empresas nacionais e multinacionais. A localização é um dos chamarizes: é um lugar central, cercado pelos bairro da Mangueira, Benfica, Caju, Santo Cristo e Maracanã, e tem infraestrutura excepcional no que  diz respeito ao transporte. Há linhas de trem, metrô e até uma rodoviária no local.

Museu Nacional fica no bairro de São Cristóvão (Foto: Divulgação/ Prefeitura RJ)
Museu Nacional fica no bairro de São Cristóvão (Foto: Divulgação/ Prefeitura RJ)

Apesar da grande concentração de comércio, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) contabiliza 26.510 moradores, com renda média de R$ 1.613. As ruas principais da região, São Cristóvão, Souza Valente e Figueira de Melo abrigam muitas lojas de auto peças. As ruas Escobar e Bela – esta “encoberta” pelo viaduto da Linha Vermelha – é ocupada por casas, em sua maioria de dois andares, com comércio no térreo. Há também supermercados, farmácias e padarias.

São muitos os centros de estudo, como os colégios Olavo Bilac e Colégio Pedro II, e o Centro de Ciência e Tecnologia da Faculdade de Engenharia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. A oferta de hospitais também é farta. Destaque para o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, e os hospitais Quinta D´Or, Frei Antonio e Dr. Aloan.

Zoológico do Rio de Janeiro (Foto: Divulgação/ RioTur)
Zoológico do Rio de Janeiro (Foto: Divulgação/ RioTur)

Uma área verde de 560 mil metros quadrados é um dos maiores tesouros de São Cristóvão. A chamada Quinta da Boa Vista, onde estão o Museu Nacional e o Zoológico do Rio, atrai moradores de todas as zonas do Rio de Janeiro. Culturalmente, São Cristóvão reúne ainda a casa da Marquesa de Santos, onde está instalado o Museu do Primeiro Reinado, o Museu de Astronomia e Ciência e o Centro Municipal Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, que recebe 300 mil pessoas todo mês e tornou-se Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil.

O bairro ainda se orgulha do futebol. Por lá estão os estádios de São Cristóvão, onde o jogador  Ronaldo, o Fenômeno, foi descoberto, e o São Januário, sede do Club de Regatas Vasco da Gama.

De acordo com informações da Prefeitura do Rio, o bairro “herdou” o nome do padroeiro de uma capelinha construída no século XVI por alguns pescadores da região. Anos depois, a ocupação por nobres veio a partir da chegada da Família Real Portuguesa, em 1808, que fazia do bairro sua residência oficial.

Usina de gás, em São Cristóvão (Foto: Divulgação/ IBGE)
Usina de gás, em São Cristóvão (Foto: Divulgação/ IBGE)

A construção de muitas fábricas e galpões ao final do século XIX foi modificando os ares do bairro, que firmou-se comercial com a inauguração da Avenida Brasil, nos arredores de São Cristóvão, na década de 1940.

 

Conheça a história do Rio de Janeiro

Conheça a história de Copacabana

Conheça a história da Barra da Tijuca

Conheça a história de Laranjeiras

 

+ Quer receber mais dicas de decoração e mercado? Informe seu nome e e-mail no espaço para comentários desta matéria. Os dados não serão publicados nessa página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.