06/05/2007

Serviços para facilitar a vida

Fonte: O Estado de S. Paulo

Prédios oferecem comodidades como arrumação, limpeza, manutenção e até manobrista aos moradores

Monalisa Lins/AEZap o especialista em imóveisBastos – ‘Serviço básico é incluso na taxa de condomínio’

A mordomia é de hotel, com arrumadeira, recepcionista, manobrista, segurança disponíveis diariamente. Mas o ambiente é de lar: não há hóspedes, todos são moradores. O conforto de ter acesso a serviços dentro dos condomínios tem conquistado muitos compradores de imóveis na capital.

O perfil dos interessados é principalmente de quem tem a vida bastante corrida. “Eu e minha mulher só ficamos em casa das 23 horas às 6 da manhã”, afirma o bancário Fabrizio Pacheco Vellone. O casal trabalha no horário comercial e faz faculdade à noite e não tem muito tempo para se dedicar à casa.

A possibilidade de ter limpeza diária do apartamento, entre outras comodidades, foi decisiva na hora de comprar uma unidade no condomínio Home Stay Paulista, da Cyrela. O apartamento de 53 metros quadrados custou cerca R$ 120 mil no lançamento, há cinco anos. “Dava para comprar um maior, mas a filosofia de ter serviços a um custo baixo inclusos no condomínio pesou”, diz. Hoje, Vellone diz que o imóvel vale R$ 260 mil.

Os serviços incluídos no pacote do condomínio, de cerca de R$ 500, são arrumação da cama, retirada de lixo, manutenção hidráulica e elétrica, além de acesso a TV a cabo e internet. “É bom chegar em casa e ver tudo pronto”, conta Fabrizio. Do contrário, como fazia antes de se mudar para o apartamento, ele teria de despender de tempo durante o fim de semana ou no fim do dia, quando chega em casa, para realizar essas tarefas cotidianas. “A diferença é muito grande.”

O edifício também oferece serviços à parte, como o de lavanderia e sapataria, pagos pelo sistema de pay-per-use (pagamento por uso).

Economia

O fato de o condomínio reunir uma grande quantidade de pessoas acaba sendo uma boa moeda de barganha para os administradores e síndicos. Dessa forma, eles conseguem contratar serviços a custo muito mais baixo do que o de mercado e oferecer para o coletivo a um preço diluído. “A economia de escala permite que se tenham mais serviços e mais baratos”, afirma Azamor Bastos, síndico do residencial Le Bougainville, em Alphaville.

No prédio, os moradores têm arrumadeiras todos os dias, recepcionista e manobrista como serviços básicos. Também incluso na taxa do condomínio, os condôminos contam ainda com o privilégio de ter professor de tênis quatro vezes por semana e outro de educação física, que vai duas vezes por semana dar orientações aos moradores de como fazer os exercícios na academia de musculação do prédio. “Depois que contratamos os professores, aumentou o uso da área comum. A quadra de tênis, que havia acabado de ser reformada, era pouco procurada; agora tem gente que vai regularmente praticar o esporte”, afirma Bastos.

O que motiva a ocupação, segundo ele, é o serviço ser incluso. “Só o fato de ele não gastar nada mais, faz com que o morador aproveite”, diz.

Pay-per-use

No residencial administrado por Bastos, há também os serviços cujo pagamento é feito apenas se usado. Os chamados pay-per-use disponíveis no condomínio são lavanderia, faxineira para limpezas pesadas e cozinheira – os moradores pedem pratos que são levados nos apartamentos. “São serviços que envolvem despesas extras.”

 

Leia também

Perfil de solteiros é foco de atendimento 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.