03/04/2009

Seu inquilino perdeu o emprego? Saiba como receber em dia o aluguel

Fonte: Revista ZAP

Em fevereiro foram registrados 1.992 casos de ações de despejo. Falta de pagamento é o principal motivo

A falta de pagamento do aluguel fez com que as ações locatícias crescesse 30,9% em fevereiro em relação a janeiro deste ano e 17,1% em comparação ao mesmo mês do ano anterior, segundo levantamento realizado pelo Secovi-SP junto ao Fórum da Cidade de São Paulo. Para evitar esse tipo de problema, donos de imóveis estão recorrendo ao seguro-fiança para garantir a locação, principalmente em épocas de crise.

De acordo com a advogada Katia Peperaio, o seguro-fiança é a melhor opção entre as modalidades de garantia locatícias, tanto para o locador, quanto para o locatário. “Em caso de falta de pagamento, a seguradora acionada realizará os pagamentos dos aluguéis ao locador, que não terá que aguardar o desfecho de processos judiciais demorados”, diz Katia.

Verônica LimaZap o especialista em imóveisSeguro-fiança é também uma grande vantagem para o locatário

O seguro-fiança é também uma grande vantagem  para o locatário, já que ele não terá que recorrer a um fiador ou fazer o depósito à vista de três meses de aluguel, que a lei exige que seja feito por meio de conta poupança conjunta com o locador. Porém, pouco aceita pelos locadores em razão da insegurança.

COMO FAZER – Para a aprovação do cadastro, o locatário tem de comprovar renda mensal equivalente a três aluguéis, podendo essa renda ser composta dos ganhos mensais de até três dos moradores, e não precisa ser feito pelo período total do contrato. “O mais comum é fazer o seguro pelo período de um ano, com renovações anuais obrigatórias, mas que possibilitam um custo menor, e ainda o seu pagamento em parcelas”.

OUTRA OPÇÃO – Caso o inquilino tenha perdido o emprego neste período de crise e não tenha optado pelo seguro-fiança na hora de fechar o negócio, deve procurar a administradora do imóvel ou o proprietário do imóvel para tentar renegociar o período em atraso.

A lei estima que locatários que têm boletos com mais de trinta dias em atraso podem receber uma notificação de despejo. E caso não saia do imóvel em quinze dias por conta própria, a Justiça vai com o caminhão de mudança e retira o morador. Sendo que o inadimplente terá que arcar também com todos os custos da mudança, deslocamento do caminhão e aluguel do espaço onde os móveis ficaram.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.