01/10/2010

Simpósio internacional debate novas soluções em arquitetura e urbanismo sustentável para o Brasil

Fonte: O Globo

Arquitetos, urbanistas e pesquisadores da área de tecnologia e ciência se reunirão no II Simpósio Internacional de Sustentabilidade em Arquitetura e Urbanismo (Sisau) para apresentar e debater novas soluções sustentáveis para o Brasil. A segunda edição do evento acontece a partir do dia 5 de outubro, nas três capitais da região Sul – Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre – e é realizada pela Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura (AsBEA). A ideia é encerrar o ciclo de palestras e debates com um manifesto que incluirá 10 ideias viáveis para aplicação da sustentabilidade na arquitetura e no urbanismo.

O coordenador do Grupo de Sustentabilidade da AsBEA do Rio Grande do Sul, Klaus Bohne, acredita que ouvir relatos de profissionais que aplicam as boas práticas de sustentabilidade em seus projetos é fundamental para buscar inspiração e referências técnicas.

“No Rio Grande do Sul, temos exemplos como o espaço Vonpar, do complexo do Multipalco, que apresenta telhado verde diferenciado. Temos também o SAP Labs Brasil, projeto do arquiteto Eduardo de Almeida, localizado no Campus da Unisinos, em São Leopoldo, e o Solar Park, um estacionamento com painéis fotovoltaicos que geram energia 100% renovável ao Colégio Anchieta de Porto Alegre”, destaca.

O ciclo de palestras conta com a participação de especialistas brasileiros e reconhecidos internacionalmente, como o pesquisador ambiental Michael Tymoff (Fundação Bill Clinton) e os arquitetos Brandon Haw (Foster + Partner Architects), José Enrique Dominguez (Cervera & Pioz Architects), Dorte Mandrup Poulsen (Denmark), Gustavo Restrepo (Colômbia) e Sérgio Coscia (RMJM Architects).

Um dos destaque do evento é a palestra “Arquitetura biônica como ferramenta para a inovação no desenho das mega cidades”, proferida por Enrique Dominguez, idealizador do Be-Bionic City Tower, o primeiro modelo arquitetônico de cidade vertical. Trata-se de uma construção inovadora, completamente auto-suficiente, capaz de gerar sua própria energia usando os recursos naturais à disposição, como radiação solar, vento e chuva.

Outro tema a ser tratado no simpósio é o movimento Cidades em Transição, que tem como objetivo preparar as cidades e suas comunidades para uma vida de menor impacto e com maior capacidade de adaptação às mudanças que vão acontecer nos próximos anos. Locais como Granja Viana e Vila Ipojuca, em São Paulo, e Serra, no Espírito Santo, estão participando desse movimento. Embora muito recente, a experiência já se espalhou por 8.000 localidades em todo o mundo.

Para Frederico Carstens, diretor de Sustentabilidade da AsBEA do Paraná, esta edição do simpósio terá um formato inovador, deixando 50% do tempo destinado aos debates na busca por novas alternativas de sustentabilidade. O II Sisau terá, entre seus objetivos, a apresentação de projetos de arquitetura já executados com base em estratégias de sustentabilidade (prática) e relato de estratégias que poderiam ter sido utilizadas (utopia), finalizando com um resumo das medidas que podem agregar ao repertório já estabelecido, a considerar no futuro (nova ideologia). Segundo Carstens, o novo lema da arquitetura, a partir de agora, deverá ser “more with less” (“mais com menos”), parodiando o “less is more” (“menos é mais”) da arquitetura moderna industrial e o “less is a bore” (“menos é uma chatice”) da arquitetura pós-moderna.

A arquiteto destaca ainda a possibilidade da “casa viva” e, para isso, o evento trará como debatedores especialistas em nanotecnologia, informática, genética e biotecnologia.

“O nascimento da vida sintética, anunciada no último dia 21 de maio pelo pesquisador Craig Vender, soa como música aos meus ouvidos”, conclui Carstens.

Será instituído também o Prêmio AsBEA de Sustentabilidade, reconhecendo as empresas de arquitetura e as indústrias da cadeia da construção civil que invistam e apresentem resultados balizados pelas diretrizes estabelecidas neste II SISAU. Ou seja, nas próximas edições dos simpósios, além de terem sua abrangência ampliada para todos os estados onde a AsBEA possui regionais, e não apenas no sul do Brasil, também terão seu conteúdo vinculado às propostas concretas apresentadas a partir das conclusões do simpósio 2010.

LEIA MAIS:

Grandes áreas arborizadas: pulmões verdes dentro dos novos empreendimentos cariocas

Arquiteto chinês cria 24 ambientes num apartamento de apenas 30 metros quadrados

Arquiteto cria projeto de edifício com apartamentos móveis para grandes centros urbanos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.