23/02/2007

Síndico deve investir na formação de funcionários

Fonte: Jornal da Tarde

Qualificação de pessoal torna o serviço profissional, o que reverte em maior segurança para condôminos

Administradoras de condomínio e síndicos estão investindo em treinamento de pessoal. Perceberam que, para oferecer maior conforto e segurança, é importante tornar o serviço mais profissional. É essencial subsidiar o funcionário com informação e instruções.

Robson Fernandjes/AEZap o especialista em imóveisA qualificação dos empregados de um condomínio deve envolver o ensino de técnicas de segurança

Conforme o cargo, a preparação pode envolver técnicas de segurança preventiva, pequenos reparos, administração, gerenciamento de conflitos e tratamento pessoal – um dos temas mais procurados pelos condomínios.

Os condôminos querem que os visitantes e familiares sejam tratados da melhor forma possível. No entanto, a gentileza não pode ser confundida com uma abertura para descumprir as regras.

Os funcionários devem ter uma postura firme porque também aparecem visitantes que, por exemplo, insistem para conseguir informações de moradores que não estão na residência.

Isso vale para todos os funcionários. No caso dos zeladores, o treinamento é mais específico. Eles aprendem os procedimentos de liderança e de manutenção predial, além de noções de hidráulica e elétrica.

Desoneração

O investimento na qualificação do pessoal traz retorno. Não apenas a qualidade do serviço melhora como desonera o caixa do condomínio a longo prazo. Quando surgem pequenos problemas, o próprio zelador pode resolvê-los.

Isso traz economia. Se for chamar uma empresa para fazer o serviço, é necessário abrir processo de cotação. Até que o reparo seja feito, o tempo passou e o prejuízo pode aumentar.

Uma das principais lições é tratar todos os moradores e visitantes de forma igual. Essa recomendação visa a acabar com uma antiga prática: bastava uma pessoa chegar ao condomínio em um carro bonito ou bem vestida para que os porteiros abrissem a porta – muitas vezes sem fazer a identificação. Porém, quando aparecia alguém com uma postura mais humilde, o tratamento era diferente.

A orientação é para que proprietários e inquilinos sejam tratados igualmente. O que vale para um vale para o outro. A profissionalização também dá segurança para que eles tomem decisões.

Leia também

Mão-de-obra deve seguir avanços

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.