10/06/2007

Sistema varia de acordo com carga

Fonte: O Estado de S. Paulo

Consumidor vai gastar no mínimo de R$ 300 a R$ 500 na aquisição

DivulgaçãoZap o especialista em imóveisModelos – Sistema Padrão de Entrada, exigido pela AES Eletropaulo, varia para cada tipo de carga pretendida na residência

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A casa está em construção e há muito em que pensar. E das coisas mais importantes são as providências com relação ao fornecimento de energia elétrica.

Para quem ainda não sabe o que é preciso fazer, o diretor de Clientes do Varejo da AES Eletropaulo, Luiz Hernandes, explica: “Existe um sistema denominado Padrão de Entrada, que define os elementos que precisam ser adquiridos e executados para a ligação”.

Basicamente, diz Hernandes, o sistema inclui caixa para o medidor, fiação, dispositivo de proteção interno, visor, poste, entre outros. Esse sistema, é importante ressaltar, vai ter variações conforme a carga pretendida pelo cliente.

Caso a carga seja superior a 20 mil watts, esclarece Hernandes, a AES Eletropaulo vai fazer antes um estudo para analisar. O procedimento será o mesmo se o sistema for trifásico.

A padronização do sistema, diz Hernandez, é pela razão de garantir instalações que atendam aos requisitos de segurança e durabilidade da instalação. “A fiação de entrada, por exemplo, que vai até dentro da residência, precisa ser dimensionada para a carga que será utilizada”, salienta.

E quem vai fazer esse dimensionamento e de resto dizer todo o material que é necessário será o eletricista. Para quem tem um profissional de confiança, apele a ele. Para quem não tem, a AES Eletropaulo mantém o site, com lista de profissionais credenciados pela empresa.

O site oficial da empresa tem também uma lista de fornecedores credenciados, que vendem os equipamentos normatizados, ou seja, de acordo com as normas técnicas vigentes.

Conforme Hernandes, os preços mínimos que incluem compra de itens e execução de alvenaria saem para o consumidor na faixa de R$ 300 a R$ 500.

A AES Eletropaulo, ressalta Hernandes, vai exigir que o sistema instalado na residência seja exatamente o estipulado no Padrão de Entrada, para a carga definida. Caso haja alguma irregularidade, a ligação não será feita.

“Não temos interesse nenhum de rejeitar o fornecimento, mas isso vai acontecer se os técnicos da empresa verificarem que há alguma irregularidade.”

Leitura

Um item muito importante no sistema, salienta o diretor da AES Eletropaulo, é o visor que permite a leitura do consumo pelo profissional da empresa. Esse visor deve estar virado para a calçada, para que não seja preciso que o profissional precise adentrar o imóvel. Caso o visor não seja colocado à vista, para o lado da rua, o profissional vai acionar a campainha para ter permissão de entrar.

Se o cliente não estiver em casa, o valor estimado será a média de consumo dos últimos três meses, conforme explica Hernandes. “Caso essa situação ocorra por três meses seguidos, o cliente será comunicado e pode acontecer até uma interrupção no fornecimento de energia”.

O livre acesso ao medidor é aliás exigência presente na Resolução que trata das Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica, n.º 456, de 29/11/2000, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), no Art. 37: “A verificação periódica dos medidores de energia elétrica instalados na unidade consumidora deverá ser efetuada segundo critérios estabelecidos na legislação metrológica, devendo o consumidor assegurar o livre acesso dos inspetores credenciados aos locais em que os equipamentos estejam instalados.”

Para pedir ligação de energia elétrica: 0800-7272-120 (ou na loja AES Eletropaulo mais próxima do endereço pretendido)

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.