25/05/2009

Soluções diminuem custo

Fonte: Jornal da Tarde

Forma de instalação pode baratear preço do sistema. Veja a que se encaixa no seu bolso

Diminuir custos sem abrir mão do conforto térmico pode começar pela escolha do material que irá compor o sistema.

Enquanto o aço custa 1/3 do alumínio, mas necessita de mais manutenção, como pinturas a cada três anos, o custo da madeira corresponde a metade do alumínio. Mas deve-se considerar na escolha uma espécie oleosa, como a paúba, senão corre o risco de trincar.

Sistemas mais novos, geralmente importados, os brises de peças cerâmicas não são assentados com argamassa, mas colocados no formato do caixilho da janela, com perfil prensado na parede. De acordo com o arquiteto Roberto Fialho, do escritório Nave, apesar do custo mais alto, a solução tem maior custo benefício. “”A montagem é mais rápida, a obra mais limpa e manutenção mais simples, pois o material proporciona facilidade de limpeza. Material leve, ele diminui o peso da estrutura””, explica.

O arquiteto Carlos Verna também lembra que o sistema de brises pode ser colocado apenas sobre a janela a revestir toda a fachada inteira, o que torna a solução mais econômica. “”Desse modo, o sistema já consegue eliminar o sol das 10h30 até 15h30, horários mais quentes. Basta projetar 15 cm.””

Como janela de correr, pode ser fechado conforme a incidência do sol. Parte do caixilho, fica mais barato, pois a estrutura externa na cobertura, como grelhas, possuem custo adicional.

Para quem ainda achou o custo alto, Verna se lembra dos elementos vazados de concreto, os cobogós (espécie de blocos vazados de concreto), que também funcionam como brise e podem custar cerca de R$ 30 o m². “”Usados em construções mais antigas, misturados a elementos cerâmicos, eles estão voltando a ser comercializados redesenhados e podem ser colocados na extensão da parede ou na frente de vidro. Atuam como peneiras com a vantagem da ventilação e segurança. Filtra de 20 a 30% da luz solar.””

Outros usos para o sistema de brises pode ser impedir a visão do interior da casa enquanto se pode observar o exterior. Para isso, ele deve ser instalado sempre a um ponto acima do ambiente que se quer obter a visão.

Uma solução mais econômica e que já resolve boa parte do conforto térmico de ambientes são paredes grossas, com, no mínimo, 25 cm de espessura, explica a arquiteta Gilda Collet.

“”Nem sempre elas são previstas com essa espessura nas construções, considerando que um tijolo comum mede 25 cm x 14 cm. A parede mais grossa absorve calor, isolando-o do ambiente e expelindo aos poucos durante a noite, quando o ambiente está mais frio. A construção pode prever apenas uma parede mais grossa, onde bate mais sol na casa””.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.