30/10/2006

Sondagem de subsolo: segurança para a obra

Fonte: O Estado de S. Paulo

Pesquisar o subsolo antes de iniciar uma obra de infra-estrutura – como a construção de uma linha de metrô – ou de um edifício é o objetivo da sondagem de solo. É um instrumento fundamental para conhecer o perfil do subsolo – definir tipo de solo, detectar a presença de rios subterrâneos (lençóis freáticos) e garantir a a segurança da construção e dos trabalhadores que nela vão estar envolvidos.

Estima-se que a sondagem de subsolo representa 0,5% do custo total de uma obra. Ao contratar uma empresa é possível verificar se ela tem o selo do Inmetro, o que garante a qualidade técnica do trabalho. A Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Construção Civil (Abratec) também recomenda que se observe o controle tecnológico dos materiais usados e o controle da própria obra.

Quem vai contratar uma obra ou comprar um imóvel deve questionar se houve sondagem do subsolo, quem o realizou e quais os resultados. Isso evita problemas futuros como rachaduras e problemas estruturais.

Televisionamento 

Ao fazer a sondagem do subsolo da obras da Linha 4 do Metrô da capital (Linha Amarela que vai ligar a estação Luz à Vila Sônia), a Alphageos, que faz parte do consórcio construtor, adotou a técnica de Televisamento 360° das paredes de furos de sondagem.

“Uma microcâmera colocada num tubo transparente com espelhos que permitem a visão total das paredes do furo faz as filmagens”, explica a diretora da Alphageos, Paula Baillot. A filmagem é feita após a perfuração mecanizada, feita pelo martelo automático.

Com essa investigação se descobriu que parte do trecho – entre a Avenida Faria Lima e a Vila Sônia – onde vai ser aberto o túnel é de rocha. “Ainda existem poucos exemplares da sonda com câmera no mundo. O aparelho agiliza em até 50% a produtividade da investigação geotécnica, proporcionando uma redução de custo em até 30% de uma campanha normal”, conta Paula. “Também está em fase de adaptação para investigação de solos contaminados.” A empresa é a única que possui este tipo de equipamento no País.

Segundo o diretor-presidente da Alphageos, Ruy Baillot, para aperfeiçoar a atuação no setor a empresa investiu em equipamentos de última geração para melhorar a qualidade e a precisão da sondagem do subsolo. Com certificado no Inmetro, a Alphageos que está há 19 anos no mercado, apostou alto ao adquirir o equipamento que faz o televisionamento durante a perfuração. Isso permite um trabalho rápido e colhe informações importantes que até então não podiam ser obtidas por métodos tradicionais de investigação geotécnica.

“Os caminhões com equipamento de perfuração do solo foram importados dos Estados Unidos. O trabalho realizado com este instrumento é quatro vezes mais rápido e precisa de três homens para o serviço”, explica Baillot.

Testemunho 

Das sondagens são retiradas amostras do solo, chamadas de testemunho. É esse material que vai ser analisado pelos especialistas. “Há situações que o testemunho tem a rocha quebrada, mas ao verificarmos as imagens da câmera transformada em fotografias que mostram como é o solo de fato descobrimos que a rocha está intacta”, explica Baillot.

Em obras onde são abertos túneis, como é o caso do metrô, a sondagem é fundamental, principalmente para se ter certeza de existe ou não um lençol de água subterrânea.

Na avaliação de Paula, a realização da sondagem de subsolo é importante desde as obras de habitação popular à obras sofisticadas como as do Metrô e a do projeto de transposição do Rio São Francisco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.