17/08/2010

SP: conta de água ficará 4,05% mais cara

Fonte: Jornal da Tarde
(Foto: Divulgação)
Índice aprovado é menor do que a inflação acumulada no período (Foto: Divulgação)

As tarifas dos serviços de água e esgoto dos municípios atendidos pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) sofrerão reajuste de 4,05%, a partir de 11 de setembro. O aumento foi autorizado pela Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado (Arsesp) e publicado no Diário Oficial do Estado. O índice será aplicado em 362 municípios atendidos pela concessionária, exceto São Bernardo do Campo, Lins e Magda, que têm regras contratuais diferenciadas.

O índice aprovado é menor do que a inflação acumulada no período de julho de 2009 a julho de 2010 medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que foi de 4,6%. De acordo com a Arsesp, a metodologia aplicada para determinação do Índice de Reajuste de Tarifas (IRT) considerou a seguinte composição de custos: uma parcela A, que inclui os custos cujas variações não são administráveis pela concessionária como impostos, despesas com energia elétrica e produtos químicos. Já a parcela B correspondente aos demais custos da prestação dos serviços.

Para se ter uma ideia de quanto o reajuste pesará na conta de água, a Arsesp fez algumas simulações para a região metropolitana de São Paulo. Em uma residência normal com consumo de até 10 metros cúbicos por mês, a tarifa passará de R$ 27,28 para R$ 28,38, ou seja, um aumento de R$ 1,10.

A tabela completa com as tarifas para todos os municípios atendidos pela Sabesp no Estado pode ser consultada no site da Arsesp.

Na data de vigência do reajuste, a Sabesp também informará as tabelas tarifárias em sus página eletrônica na internet e em todas as agências de atendimento da companhia. Clique aqui e encontre a agência de atendimento mais próxima de sua residência.

LEIA MAIS:

Desconto na conta de luz terá novo critério

Reajuste de energia pode cair pela metade

Chuveiro “flex” chegará a 2,6 milhões de casas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.