08/04/2009

Sudeste paga mais caro para construir

Fonte: Revista ZAP

Sinapi (Índice Nacional da Construção Civil) ficou em 0,94% em março, apresentando uma aceleração de 0,62 ponto percentual em relação a fevereiro (0,32%)

A redução da alíquota do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) dos materiais de construção veio em boa hora, principalmente para os consumidores da região Sudeste. A Pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgada nesta quarta-feira (08), mostra que o custo do metro quadrado na região chegou a R$ 728,08, incluindo materiais e mão-de-obra, enquanto que o custo médio nacional atingiu R$ 688,00 em março.

Verônica LimaCusto dos materiais subiu 0,71% em março, acima da taxa de fevereiro (0,49%)

O custo nacional da construção por metro quadrado passou de R$ 681,58 (fevereiro) para R$ 688,00 (março), sendo R$ 402,52 relativos aos gastos com materiais e R$ 285,48 com a mão-de-obra. A parcela dos materiais subiu 0,71% em março, acima da taxa de fevereiro (0,49%), interrompendo a trajetória de desaceleração observada a partir de outubro do ano passado. Por outro lado, a componente mão-de-obra apresentou forte aceleração com alta de 1,28% devido aos reajustes salariais ocorridos nos três estados citados.

Em fevereiro, o componente mão-de-obra havia ficado praticamente estável, com apenas 0,08% de variação. Estes resultados ficaram acima daqueles registrados em março de 2008 (0,60% e 1,16%, respectivamente). Já no acumulado do ano de 2009, os materiais de construção registrou alta de 1,74% e, em doze meses, 13,54%. Nestes mesmos períodos, a mão-de-obra registrou acumulados de 1,55% e 9,14%.

NORDESTE –  Pressionada pelos índices da Paraíba e Bahia, a região nordeste, com alta de 1,72%, foi a única a apresentar resultado acima da média nacional (0,94%). As demais taxas regionais foram: sudeste 0,93%; norte 0,46%; centro-oeste 0,39% e sul 0,25%.

O nordeste apresentou o maior índice acumulado no ano (2,57%) e nos últimos doze meses o aumento mais acentuado ocorreu na região norte (13,24%). O menor acumulado no ano manteve-se com a região Sul (0,93%), ficando com o sudeste (11,28%) o mais baixo nos últimos doze meses.

Os custos regionais por metro quadrado foram: R$ 728,08 no sudeste; R$ 684,11 no norte; R$ 673,28 no sul; R$ 652,90 no centro-oeste e R$ 649,23 no nordeste.

MAIORES ALTAS – Entre os estados, Paraíba, Rio de Janeiro e Bahia registram as maiores altas. Devido à pressão exercida pelos reajustes salariais das categorias profissionais, a Paraíba (4,93%), o Rio de Janeiro (4,10%) e a Bahia (3,63%) apresentaram resultados bem acima dos demais estados. A Paraíba registrou, ainda, o maior acumulado no ano (5,69%) enquanto o Acre se destacou nos últimos doze meses (15,62%).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.