06/10/2008

Sustentabilidade é o lema da 2ª edição do CAD Casa Arte e Design

Fonte: Editoria Zap

44 ambientes serão apresentados ao público a partir desta terça-feira

Fotos: DivulgaçãoZap o especialista em imóveisEspaço conceito Bilheteria da Graciela Piñero

Entre os dias 7 de outubro e 9 de novembro, uma mansão localizada no bairro Alto de Pinheiros, em São Paulo (SP), vai sediar a segunda edição brasileira da CAD Casa Arte & Design, mostra internacional de arquitetura, decoração, design e paisagismo.

Serão apresentados ao público, a partir de amanhã, 44 ambientes projetados com soluções criativas, tecnológicas e confortáveis, todos Rumo à Sustentabilidade – Menos CO2, tema adotado nesta edição.

A  organização do evento, Decorar Brasil Eventos e Promoções, buscou a curadoria da Sistema Ambiental, empresa prestadora de serviços, que desenvolve projetos na área de meio ambiente e de sustentabilidade. incentivaram arquitetos, decoradores, designers de interiores e paisagistas a utilizar propostas alternativas, que tivessem cunho social positivo e que contribuíssem ao melhor emprego dos recursos naturais, como reaproveitamento de entulhos, aproveitamento de águas pluviais, fontes de energia renováveis e materiais de baixo impacto ambiental.

Com essas e outras medidas tomadas pelo evento, espera-se diminuir os impactos ambientais. A primeira edição da mostra, realizada no ano passado, emitiu 31,71 toneladas de CO2, segundo cálculo feito pela Iniciativa Verde, uma organização que busca soluções ambientais para tornar produtos e processos produtivos menos agressivos ao meio ambiente.

Para compensar essa emissão, em outubro, serão plantadas 201 árvores nativas em área de proteção permanente da Mata Atlântica, o que conferiu à mostra a certificação com o selo Carbon Free.

A sede da segunda edição da CAD Casa Arte & Design é uma mansão de 2.500 metros quadrados, construída em 1967 para a família do empresário chinês Ting Ho Chuan e sua família. Foi projetada com linhas modernistas pelo arquiteto Araken Martinho, um dos responsáveis pelo Plano Diretor de 1969 da cidade de Jundiaí (SP), hoje também professor de arquitetura da PUC Campinas.

A CAD Casa Arte & Design é a versão brasileira da mostra Casa Decor, criada em 1992 em Madri. O evento também acontece em Valência e Barcelona (Espanha); Milão e Torino (Itália); Londres (Inglaterra); Algarve, Porto e Lisboa (Portugal); e Miami (Estados Unidos).

Zap o especialista em imóveisPot Cochere da Flávia Ralston

Entenda os 44 ambientes da CAD:
Luminotécnica da Fachada e Calçada
Rafael Serradura
A proposta foi destacar a casa como uma obra de arte multifacetada de cores e de efeitos. São quase 30 projetores de leds – que reduziram em 87% o consumo de energia –, posicionados nas fachadas e na laje. Até as copas das árvores da calçada foram iluminadas. “O principal destaque é poder pintar a casa com a luz, brincando à vontade com milhares de matizes, e formar um grande conjunto artístico. É um show de iluminação e de economia”, explica Rafael Serradura, arquiteto e lighting designer responsável pela Luminotécnica da Fachada.

Calçada Luz e Arte
Rafael Serradura e Projeto Arrastão
A união de vários profissionais resultou em um projeto diferenciado para a Calçada Luz e Arte. “Convidei uma equipe maravilhosa para, juntos, criarmos um espaço tecnológico, social e sustentável. Jovens do Projeto Arrastão reproduziram a natureza em 18 painéis feitos das antigas portas dos armários, retiradas da casa expositora”, explica o lighting designer. Para compor o efeito luminotécnico, projetores de leds iluminam o muro com uma grande variedade de cores, enquanto 90 lâmpadas halógenas, locadas no piso, destacam os painéis.

Port Cochere
Flávia Ralston
“Escolhi trabalhar o reciclado, as cores e a iluminação diferenciada para dar ao Port Cochere um clima alegre e descontraído. E também para manter e valorizar o estilo atual da casa, com algumas soluções que minimizem o impacto ambiental”, define a arquiteta. Entre elas, a reciclagem de latas de embutidos transformadas em charmosas galinhas espalhadas pelo jardim, junto a rosáceas de bambu – material natural e altamente renovável. Na pérgula construída com chapas de aço, peças de acrílico colorido harmonizam-se com o conceito do projeto.

Espaço Conceito Bilheteria
Graciela Piñero
Envidraçado, o Espaço Conceito Bilheteria integra as áreas externas e as internas com a luz natural. “A proposta foi criar um espaço-conceito que demonstre princípios de arquitetura sustentável, como a iluminação zenital, as placas fotovoltaicas e uma cobertura verde para trazer conforto térmico, entre outros. Tudo para economizar energia!”, explica a arquiteta. O mobiliário ganhou fibras naturais, placas de resina reciclada, além de madeiras certificadas e de demolição.

Jardim das Boas-Vindas
Keko Ferraz
Um ambiente cheio de bons fluidos. Assim é o Jardim das Boas-Vindas, inspirado na ilha de Bali, na Indonésia. “O grande destaque do espaço está exatamente no estilo balinês contemporâneo, que foi composto de estrutura de bambu, peças feitas de pedras, espelho-d’água, vasos, pastilhas e cores. Tudo em harmonia com as exuberantes espécies tropicais”, descreve o paisagista. Entre as soluções sustentáveis está o uso de energia solar para fazer o retorno da água do espelho.

Jardim das Palmeiras
Alice Rocha
A proposta do Jardim das Palmeiras foi criar um caminho para induzir o visitante a percorrer todo o espaço e desfrutar da sombra das palmeiras, das cores e texturas do piso e da vegetação. E ao longo desse passeio deixá-lo descobrir elementos, idéias e produtos sustentáveis. “Convidei antigos moradores de rua, que hoje transformam restos de vidro em arte numa cooperativa de reciclagem, para montar o espelho-d’água. Acredito que assim foi possível integrar a sustentabilidade ambiental com a parte social”, diz a paisagista.

Spazio K
Bya Barros
A proposta do Spazio K é retratar e homenagear a história dos 60 anos da construtora Kauffmann, numa mistura entre tradição e atualidade, através de impressões fotográficas. “O ambiente foi inspirado na obra do pintor modernista Mondrian, nos detalhes criativos e nas formas geométricas de sua produção dinâmica e sempre muito atual”, revela a arquiteta. As paredes ganharam revestimento de papel estampado e o piso recebeu granito preto absoluto. O pé-direito duplo ajuda a destacar a imponência do lustre de cristal.

Alpendre
Crisz Moura e Bia Mendonça
Caracterizado como local de passagem, o Alpendre ganhou ares de sala de estar. “Resgatamos o seu caráter original, porém acrescentamos uma área de permanência. Criamos limites e um espaço social confortável e sustentável”, explica a dupla de designers de interiores. A parede principal foi formada por um mosaico de pastilhas nas cores bege, marrom e vermelha intercalado em painéis de madeira maciça e certificada. A opção pela instalação de leds garante o uso racional de energia.

Zap o especialista em imóveisHall de Entrada da Marina Alcoba

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Hall de Entrada
Marina Alcoba
A proposta do projeto foi receber os visitantes com impacto e beleza, realçando os detalhes arquitetônicos da construção. “Quis valorizar as linhas originais da casa, que apesar do tempo continua atual e bela. Assim, no Hall de Entrada, o olhar corre para a presença escultural da escada, junto à horizontalidade da circulação, realçada pelas réguas de bambu em contraste com o mármore do piso original”, relata a arquiteta. O pé-direito foi preservado sem pontos de luz. A iluminação foi feita por calhas de leds.

Lavabo
Musse Stefan
No Lavabo, os materiais ecologicamente corretos revelam seu estilo contemporâneo. “Optei por uma composição em vários tons de branco para deixar o ambiente limpo e claro. Um dos destaques é o painel de pastilhas de vidro, produzidas com resíduos de lâmpadas fluorescentes, revelando o skyline da metrópole”, fala o arquiteto.
A bacia de caixa acoplada com sistema duplo de descarga garante o uso racional da água e destaca o compromisso do projeto com o meio ambiente.

Escada e Galeria de Arte
Claudia Pina
O antigo guarda-corpo de jacarandá, agora restaurado, e o piso de cacos de mármore original da casa, já polido e mais brilhante, dão personalidade à Escada e Galeria de Arte. São materiais nobres recuperados para conviver em harmonia com peças capazes de minimizar o impacto ambiental, como a madeira de demolição e as fibras de bananeira do mobiliário. “É um espaço moderno, requintado e agradável, onde a cor preta predomina e ajuda a destacar as obras de arte em exposição”, conta a arquiteta.

Sala de Ginástica
Alessandra Ribeiro e Robert Weigt
O desafio do projeto foi conciliar equipamentos de última geração com materiais de demolição. “Construímos uma Sala de Ginástica bem ventilada para diminuir o uso de condicionadores de ar, optamos pela instalação de aparelhos que economizem energia elétrica e priorizamos um espaço para atividades de solo”, dizem os arquitetos. “Procuramos encontrar alternativas sustentáveis sem comprometer a sensação de bem-estar ao praticar exercícios físicos”, concluem. A importância do Rio Amazonas está registrada num grande painel espelhado com vidro laminado.

Zap o especialista em imóveisJardim das Boas Vindas

Quarto do Jovem Alérgico
Bianka Mugnatto
O espaço foi criado para um pré-adolescente alérgico à poeira. “Optamos por colocar revestimentos frios e assim proporcionar conforto térmico e evitar a proliferação de microrganismos”, explica a arquiteta. Moderno e despojado, o Quarto do Jovem Alérgico ganhou soluções estéticas com conceitos ecológicos. O piso recebeu porcelanato reciclado, os armários são de madeira certificada e a iluminação é feita de leds. Um dos destaques do ambiente é a coleção de minibicicletas expostas em caixas de acrílico, imunes à poeira e aos ácaros.

Quarto da Menina
Ana Cristina Tavares e Claudia Krakowiak Bitran
“A proposta foi mostrar que o adolescente de hoje é consciente em relação à causa ecológica e está engajado no assunto. E isso está traduzido no seu espaço, com o uso de materiais naturais, reciclados e recicláveis”, contam as arquitetas. Graças à área generosa do Quarto da Menina, a cama e a mesa de estudos puderam ser colocadas no centro do espaço, e ao seu redor foram distribuídos os equipamentos de apoio. As paredes receberam revestimento de papel reciclado de fibra de bananeira e painéis compostos de fibra de sapucaí.

Suíte do Tio Solteiro
Sandra do Amaral Pavani e José Roberto Tieppo
Detalhes no ambiente revelam o perfil do proprietário deste dormitório. É a Suíte do Tio Solteiro, espaço criado para um homem na faixa de 50 anos de idade, que está sempre em busca de aventuras. “A nossa proposta foi projetar um quarto contemporâneo, bem masculino, com cores sóbrias, texturas marcantes e acessórios que fossem a cara do dono. Uma pessoa fanática por motocicletas, que viaja constantemente nos fins de semana para ficar mais próximo da natureza”, conceituam os profissionais. 

Banheiro do Tio Solteiro
Clara Fernandes e Suelem Monteiro
Conforto e tecnologia para um fotógrafo antenado e esportista. “Essa foi a proposta para o Banheiro do Tio Solteiro, projetado com cores e materiais contrastantes, remetendo à natureza e ao esporte preferido do morador”, explica a dupla de designers de interiores. Elaborado com matérias-primas extraídas corretamente, equipamentos sanitários de baixo consumo de água e utilização de lâmpadas econômicas, a intenção foi ressaltar o respeito ao meio ambiente, com o uso consciente e sem desperdícios.

Zap o especialista em imóveisBanheiros ganham conforto e tecnologia

Banheiro dos Filhos
Ana Paula Guimarães, Raoni Nakamura e Thiago Manarelli
Tecidos naturais, madeiras de reflorestamento e equipamentos hidráulicos com tecnologia capaz de minimizar o desperdício de água foram os principais elementos usados no Banheiro dos Filhos. “Buscamos inspiração no clima praiano e despojado da Bahia, com suas cores fortes e quentes. O resultado foi um ambiente jovem, compartilhado por um casal de filhos, onde se destacam as individualidades de cada um”, definem os autores do projeto.

Suíte dos Hóspedes
Renata Coppola
Um ambiente aconchegante e espaçoso, uma cama convidativa para receber os amigos ou acolher a família com conforto. Essa foi a proposta para a Suíte dos Hóspedes, onde a madeira e a fibra natural têm presença marcante, junto às estampas nas paredes e ao colorido do mobiliário. “O projeto foi elaborado a partir de materiais ecologicamente corretos, como o piso de madeira de manejo florestal, o revestimento de couro ecológico e as fibras de vidro que revestem as paredes, entre outros”, define a arquiteta.

Banheiro de Hóspedes
Carolina Travaglini
Aqui, a madeira utilizada é de reflorestamento, os painéis são de ecorresina, as pastilhas foram feitas de vidro reciclado. “Projetei para o Banheiro de Hóspedes uma decoração aconchegante, luxuosa e, acima de tudo, com 85% de materiais dentro dos quatro requisitos básicos da sustentabilidade: ecologicamente correto, economicamente viável, socialmente justo e culturalmente aceito”, fala a arquiteta. Os leds consomem 3 watts e os equipamentos sanitários possuem baixo consumo de água.

Suíte do Casal
Ângela Tasca
A proposta sustentável da Suíte do Casal foi concentrada na utilização de materiais e revestimentos ecologicamente corretos. “Optei por usar móveis de estilo tailandês, executados de madeira reciclada e na cor prata”, define a designer de interiores. As prateleiras feitas de MDF seguem o mesmo tom prateado e com fundo revestido de espelhos são um dos destaques do espaço. “De estilo contemporâneo, é um ambiente confortável e elegante que transmite aconchego e bem-estar ao casal”, conclui.

Sala Íntima e Closet do Casal
Rosa May Sampaio
Árvore da vida. Em tupi, esse é um dos significados da palavra buriti, considerada sagrada pelos índios. Dela aproveita-se praticamente tudo, mas foi a palha da palmeira a escolhida para ser o grande destaque no revestimento da Sala Íntima e Closet do Casal. “O ambiente possui estilo universal, aconchegante e harmonioso, com cores neutras e materiais naturais. A idéia foi projetar um espaço pensando no consumo consciente, coerente com um crescimento sustentável”, explica a designer de interiores.

Banheiro do Casal
Luciana Tomas
A proposta principal do Banheiro do Casal foi desmitificar a relação entre a sustentabilidade e a beleza. “Criei um ambiente que propõe a harmonia de um projeto belo e arrojado, com a consciência do uso de materiais ecologicamente corretos. Para isso, escolhi peças sanitárias que utilizam a água de maneira econômica. Também apostei no conceito do reúso das águas cinza, provenientes do chuveiro e tratadas para o retorno ao vaso sanitário ou para a irrigação do jardim”, conta a arquiteta. Entre os acessórios, foram usados espelhos sem metais pesados e iluminação com menos mercúrio.

Living
Frederico Morán e Haroldo de Barros Rodrigues
No Living, com grandes vãos de vidro e cercado de jardins, o estilo contemporâneo se mostra através dos materiais e tecidos. São fibras naturais com tons suaves entre o off-white e o fendi, e detalhes de verde e amarelo queimados. Em harmonia com o clássico das obras de arte e de algumas peças do mobiliário, resulta no equilíbrio do ambiente. “Nossa proposta foi criar um espaço agradável para conviver  e receber amigos, com classe e descontração”, explicam os arquitetos. 

Zap o especialista em imóveisProposta da Garagem multiuso de Ana Claudia Marinho Rodrigues e Manuela Gonçalves Moreno

Jardim-de-Inverno
Carlos Rossi
A harmonia dos quatro elementos básicos terra, fogo, água e ar e a agradável sensação de estar bem perto da natureza foram as inspirações para a criação do Jardim-de-Inverno. “Entre os destaques do meu projeto estão a madeira de demolição do piso e do painel, a árvore alta que ultrapassa os limites das paredes, o espelho-d’água no interior da casa e a proposta do jardim vertical”, explica o arquiteto. Entre os produtos sustentáveis evidenciam-se o uso de materiais reaproveitados como a lona de caminhão, tratada e tingida, e o tapete artesanal.

Home Office
Lídia Damy Sita
Com base na tese de que nada se perde, o Home Office foi elaborado nos moldes do caminho sustentável. Entre os destaques estão o tapete de resíduos de garrafas PET, o painel de madeira de reflorestamento, a mesa revestida de folhas de bambu, a escultura produzida de sobras de ferro de construção e a arte de papel reciclado na parede, executada por ex-moradores de rua. “São obras de uma aparência belíssima com cores e forma inusitadas. É a preservação do meio ambiente junto à inclusão social”, diz a designer de interiores.

Home Theater
Sandra Picciotto
A reutilização de peças antigas, como discos de vinil, gramofone e uma geladeira da década de 50, cria uma atmosfera retrô ao Home Theater. “Procurei desenvolver o projeto a partir da substituição de materiais e objetos comuns por outros produzidos com uma atitude sustentável, elementos naturais, recicláveis e reciclados. Me preocupei também com o descarte, para que fosse inofensivo ao meio ambiente”, diz a arquiteta. O espaço é composto também de um tapete de fibra natural e luminárias feitas de alumínio.

Sala de Almoço da Melhor Idade
Clélia Regina Angelo
As paredes receberam papel de fibra de bananeira e parte dos móveis é feita de rottin, um cipó considerado como matéria-prima ecologicamente correta. “A proposta foi conciliar sustentabilidade com acessibilidade, tornando a Sala de Almoço da Melhor Idade um espaço prático. Por isso, optei por colocar piso, parede, móveis e objetos decorativos produzidos de materiais ecologicamente corretos”, explica a arquiteta. Nos tecidos, totalmente naturais, ou nas luminárias feitas de papel predominam os tons suaves e harmoniosos.

Lavabo da Melhor Idade
Renata Cipriano e Patrícia Vidigal
Cores, recordações e histórias. Juntas, revelam momentos vividos e agora retratados no conceito do Lavabo da Melhor Idade. “O projeto conta um pouco da sabedoria da idade e as experiências de vida, transitando entre o passado e o presente. O tema é a Pérsia antiga, suas tradições, arte e cultura, representada no painel em destaque na parede”, explicam as arquitetas. A proposta sustentável foi promover a conservação e o uso racional da água, a educação ambiental, o consumo consciente e a preservação da cultura.

Suíte da Melhor Idade
Beatriz Dutra
Na Suíte da Melhor Idade, o pequeno ateliê de pintura, disposto num dos cantos do dormitório, revela a proposta do projeto. “É uma homenagem aos meus pais, que estão na melhor idade. O cavalete e o banco antigos são propriedade do meu pai, arquiteto e pintor”, diz a profissional. Tons sóbrios foram escolhidos para os acabamentos e o respeito ao meio ambiente está presente na madeira certificada, nos elementos sintéticos de baixo impacto ambiental e nas fibras – como o sustentável bambu, aplicado em réguas no revestimento do piso.

Banheiro da Melhor Idade
Ivone Dominguez
O canto especial projetado com ofurô, hidromassagem e cromoterapia trouxe conforto e um cuidado especial ao Banheiro da Melhor Idade. “Além do aconchego, minha proposta foi criar toda a segurança necessária ao idoso, com piso antiderrapante e barras de apoio, feitos de produtos ecologicamente corretos”, define a designer de interiores. A bancada, os bancos e alguns acessórios produzidos de madeira de demolição garantem um estilo rústico ao ambiente. 

Zap o especialista em imóveisBicicletário público assinado por Sabrina Baukelmann Matar

Sala de Jantar
Clarisse Reade
“Optei por uma combinação de contrastes entre os móveis e as cores, misturando o clássico com o moderno e agregando elementos”,  explica a designer de interiores. O tom vermelho intenso e ousado da Sala de Jantar é uma discreta reverência à origem chinesa da família para quem foi projetada originalmente a casa da mostra. Um dos destaques é a estante de madeira reciclada, com iluminação especial, que abraça o espaço. Seguindo a mesma linguagem, o piso original foi mantido e recebeu polimento.

Cozinha
Camilla Matarazzo
O colorido da Cozinha fica por conta da chita – tecido de algodão estampado com flores – que reveste as cadeiras ao redor da mesa, imprimindo uma identidade bem brasileira ao ambiente. “Tive a preocupação de utilizar materiais fabricados com garantia de sustentabilidade, porém sem comprometer a estética”, diz a designer de interiores. Todas as paredes foram revestidas de painéis de madeira, o piso recebeu granito preto e o teto foi pintado de cor cinza para dar um toque urbano ao espaço.

Restaurante
Sérgio de Oliveira
O objetivo do projeto foi investir em tonalidades fortes e nos efeitos ilusórios para parecer uma constante festa. “Por isso, criei um lugar alegre e aconchegante – como uma fantasia, com elementos envolventes, onde forma e cor estão perfeitamente ligadas aos atos de comer e de beber”, define o arquiteto e designer. “Também desenhei um banco comunitário, composto de laminado de madeira com recheio de papelão, para dar acústica, firmeza e beleza à peça”, explica. Uma cerca viva de camélias adultas foi preservada e se destaca no centro do Restaurante.

Jardim do Restaurante
Lina Idoeta e Eurídice Saltini
O Jardim do Restaurante é um espaço de experiências sensoriais, com ervas e temperos que interagem e incitam o olfato e o paladar dos visitantes. Os focos do projeto são os elementos que afetam os sentidos somados à presença de materiais sustentáveis espalhados por todo o ambiente. “Entendemos que sustentabilidade deve englobar também o aspecto social. Por isso, contratamos ex-moradores de rua, ensinamos técnicas e dicas para eles e assim foi construído o lago e montado o jardim”, explicam as profissionais.

Garagem
Ana Claudia Marinho Rodrigues e Manuela Gonçalves Moreno A proposta foi criar um ambiente multiuso, onde o dono da casa pode receber os amigos, programar viagens, guardar seus equipamentos de esporte e lazer, além de estacionar suas bicicletas e outros meios de locomoção. “Como é muito preocupado com o meio ambiente, o proprietário tenta não usar o carro para se locomover, por isso a ausência de um na Garagem”, explicam as arquitetas. O estilo totalmente moderno do espaço foi definido pela fachada, modificada com painéis certificados pelo selo Green Building.

Espaço CorArrastão
Studio Kitty Carvalho e parceiros
A maneira como as populações de baixa renda utilizam materiais disponíveis para criar as suas moradias está representada no Espaço CorArrastão, idealizado pela artista plástica Kitty Carvalho. O projeto foi feito com material da desmontagem da casa expositora, por moradores da comunidade do Projeto Arrastão. “O objetivo é fazer uma ponte entre quem tem e quem precisa e usar a cor como ponto principal para o resgate da auto-estima e o envolvimento do morador”, explica Kitty, que teve a ajuda dos arquitetos Aline Ostrowska e Rafael Popovic e do coordenador social Henrique Heder.

Playground
Idália Daudt
Uma grande árvore existente no espaço destinado ao Playground foi o ponto de partida do projeto. Ao seu redor foram colocadas aranhas, jacarés e uma família de caramujos. “Optei por criar um ambiente temático com peças em formas de bichos e de outros brinquedos que seguem o conceito do ecodesign. Eles são feitos de troncos de eucalipto de reflorestamento, de pneus e de outros materiais reciclados”, ensina a arquiteta e designer de interiores. O piso foi revestido de borracha 100% reciclada, perfeita para amortecer as inevitáveis quedas.

Zap o especialista em imóveisA harmonia dos quatro elementos básicos terra, fogo, água e ar do Jardim de Inverno de Carlos Rossi

Banheiro Público Feminino
Marcela Pelosini
Sobre a bancada de concreto, tinas de madeira substituem as tradicionais cubas no Banheiro Público Feminino. Pastilhas de vidro em tom berinjela revestem as paredes internas das cabines dos vasos sanitários, protegidas por uma porta de vidro leitoso branco. “É um ambiente bastante clean, alegre e feito para ser realmente utilizado pelos visitantes”, garante a arquiteta. O diferencial do projeto ficou por conta da divisória de vidro incolor que separa o lado feminino do masculino. Entre os dois espaços fica o banheiro público/PPD.

Banheiro Público Masculino
Marcela Pelosini
“O Banheiro Público Masculino e o Feminino são idênticos, só mudam de cor”, explica a arquiteta. A mesma tina de madeira que ocupa o lugar de cubas, sobreposta na bancada de concreto, surpreende os usuários. Aqui, pastilhas de vidro tingem de azul as paredes internas das cabines dos vasos sanitários, protegidos por portas de vidro leitoso branco. As portas de entrada dos ambientes são de madeira OSB com detalhe de acrílico branco leitoso.

Lavanderia Electrolux by Katia Perrone
A proposta foi criar uma Lavanderia agradável, fora do convencional, prática, contemporânea, com boa luminosidade e circulação. “Optei pelo uso predominante do branco e do preto, e com isso o ambiente ganhou um ar mais masculino e com aparência de loft. O principal destaque é o painel de azulejos, homenagem ao artista plástico Athos Bulcão. A clarabóia garante luz natural e dá leveza e personalidade ao espaço”, diz a decoradora. Um sistema para reaproveitamento da água eliminada pela máquina de lavar irriga o canteiro de plantas.

Jardim do Café
Jeane Calderan e Celso Bergamasco
À sombra da jabuticabeira, foi projetado o Jardim do Café, um lugar agradável para conversar e apreciar a bebida, onde a vegetação tropical é o principal destaque. “Em meio às espécies nativas, criamos um espaço de estilo rústico contemporâneo, em que predominam os materiais naturais – como a cerâmica e a madeira – e os tons de azul e de ocre”, definem os paisagistas. A escultura de cerâmica assinada pela artista plástica Paula Unger foi cercada por vasos e bancos e enchem o jardim de cor.

Café Gazebo
Karina Korn
Os painéis de pastilhas de coco chamam a atenção de quem entra no Café Gazebo. Eles revestem a parede, parte do piso e do balcão, e ainda servem de apoio para os dois aparelhos de televisão posicionados lateralmente, no lounge. Na área externa, um jardim vertical, com espécies que serão reutilizadas no final da mostra, divide o espaço com uma mesa comunitária feita de madeira certificada. “Todos os materiais escolhidos possuem o selo verde de sustentabilidade”, garante a arquiteta.

Jardim do Bem-Estar
Ricardo Pessuto
O Jardim do Bem-Estar é um espaço convidativo para relaxar, receber amigos e principalmente para se sentir bem. “Procurei criar um ambiente especial, contemporâneo e sustentável, onde os subprodutos da indústria moveleira foram transformados em arte”, define o paisagista. Entre os destaques estão a parede de palito de fibra de coco – numa releitura do estilo canjiquinha – e o revestimento feito do reaproveitamento de lâminas de aço usadas em serras de corte de granitos e usualmente destinadas ao lixo.

Bicicletário
Sabrina Baukelmann Matar
Esse é um projeto para incentivar o uso da bicicleta, já que é um meio de transporte de baixo custo, fácil de circular e, ao contrário dos demais veículos, necessita de pouco espaço para estacionar. Uma vaga de automóvel corresponde à cerca de seis a dez vagas para bikes. “É uma idéia para ser reaplicada em praças e áreas públicas”, defende a arquiteta. No Bicicletário foram usados vários materiais sustentáveis, como o tijolo ecológico, o ecotelhado, o piso drenante e o vidro impresso, material 100% reciclável.

CAD Casa Arte & Design
Data do evento: de 7 de outubro a 9 de novembro de 2008 (exceto às segundas-feiras)
Horário: das 11h às 20h
Local:  Av. Professor Fonseca Rodrigues, 899 (esquina com a Av. Arruda Botelho) – Alto de Pinheiros – São Paulo – SP
Ingressos:
de terça a sexta-feira: R$ 30
sábados, domingos e feriados: R$ 35
crianças até 10 anos não pagam ingresso
pessoas acima de 60 anos e estudantes pagam meia-entrada, mediante apresentação de documento (carteira de estudante com comprovante de matrícula ou boleto de mensalidade e documento de identidade).
Preço do catálogo: R$ 15
Serviço de manobrista
Bicicletário
Restaurante e Café
Mais Informações: (11) 3034-0600/(11) 3034-0470/(11) 3034-1023
cad.brasil@cadnet.com.br / www.casaarteedesign.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.