07/10/2013

Tendência de apartamentos compactos chega a Itajaí, em Santa Catarina

Tendência de apartamentos compactos chega a Itajaí, em Santa Catarina

Fonte: Revista do ZAP

Construtora inaugura primeira leva de lofts na cidade, que devem atrair público como solteiros e idosos

Não há como escapar. Terrenos em áreas centrais cada vez mais escassos e caros, o valor do metro quadrado de imóveis novos e a nova configuração das famílias levam o mercado a construir apartamentos que equivalem ao tamanho de um único cômodo da casa de uma família. As unidades compactas chegaram para ficar. Em Itajaí, Santa Catarina, o primeiro edifício com apartamentos compactos foi entregue pela construtora Racitec, na semana passada.

Apartamento compacto


Móveis feitos sob medida ajudam a organizar os compactos

Os lofts têm entre 40m² e 65m² e foram planejados a partir de uma percepção dos sócios Flávio Mussi, Maurício Machado e Altamir Stolfi. A tendência é simplificar. Se nos apartamentos compactos a metragem não permite grandes espaços de estar ou de estoque, os prédios costumam ter áreas comuns generosas e também serviços.

“O edifício conta espaço fitness e salão de festas com espaço gourmet, perfeito para reunir a família ou cozinhar para os amigos”, diz um dos sócios da construtora, Altamir Stolfi.

Apartamentos com menos de 40 m² atendem o público single, de terceira idade e casais sem filhos. É com essa ocupação que o centro das grandes cidades vai se renovar, dizem os urbanistas. A tendência aparece em capitais do Brasil e em outros centros urbanos pelo mundo, como Tóquio, Honk Kong, São Francisco e Nova York.

Os prédios novos não vão atrair apenas moradores. A ocupação estimula o comércio, serviços, gastronomia e entretenimento nas regiões centrais. A verticalização urbana melhora também a mobilidade, reduzindo o uso de carro e transporte público para quem mora perto do trabalho e de tudo que é necessário para o dia a dia.   

Mudança de rotina

A rotina de quem vive em apartamento de baixa metragem tem que ser, também, compacta e racional, por isso quem vai morar em uma delas deve se preparar para uma mudança de hábitos. Não dá para levar móveis prontos nem coleções de estimação. O mobiliário tem que ser feito sob medida para otimizar cada metro quadrado dos ambientes.

Visitar o decorado de um empreendimento dá uma prévia de como viver dessa forma. Está tudo ali: sofá, TV, cama, guarda-roupa, cozinha, mesa de refeições, cortinas e luminárias mas não há espaço para o supérfluo.

A ideia é viver mais fora de casa, usufruindo serviços, parques e espaços públicos da cidade. Os empreendimentos são pensados para um público que passa pouco tempo dentro do apartamento.

“Para viver em espaço pequeno, a opção é interagir com a cidade. Nesses projetos, a área privativa é o mínimo necessário, mas em contrapartida, o morador vai usar o espaço urbano que está à disposição”, comenta o arquiteto Rodrigo Freire.

Freire diz que os imóveis menores estão em sintonia com os novos tempos.

“É uma nova forma de morar, e também mais sustentável. Você não poderá ter um guarda-roupa abarrotado. Livros e álbuns de fotografia podem ser digitais. O tamanho dos apartamentos segue essa movimentação contemporânea e econômica”, explica o arquiteto.

Leia mais:
>> Apartamentos pequenos: veja como solucionar a falta de espaço
>> Como ganhar espaço em ambientes pequenos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.