21/05/2019

Saiba como funciona o financiamento de terrenos

Atualmente, muitas instituições financeiras já oferecem opções de crédito para financiamento de terrenos

Fonte: ZAP em Casa

Na hora de comprar o imóvel, a opção mais comum é adquirir uma casa ou apartamento que já estão prontos ou em construção. Porém, há quem prefira começar o projeto dos sonhos do zero, comprando um terreno.

Isso costuma acontecer por dois principais motivos: primeiro, para deixar a casa exatamente do jeito que planejou e, segundo, porque com dedicação e paciência tudo pode sair mais em conta para o bolso. O primeiro passo é comprar um lote e, para isso, é possível entrar em um financiamento de terreno.

Na Caixa Econômica Federal, na modalidade Carta de Crédito SBPE, é possível financiar terrenos que custam a partir de R$ 200 mil, com valor mínimo de financiamento de R$ 100 mil, isto é, 50% do preço total. O prazo para pagar é de 18 anos ou 216 meses e as parcelas não poderão ultrapassar o limite de 30% da renda familiar.

Quarto sobrando em casa: conheça vantagens e desvantagens de alugá-lo

terreno
Parcela para pagar financiamento não pode ultrapassar 30% da renda (Foto: Shutterstock)

Em uma simulação no site da Caixa para um imóvel de R$ 200 mil na cidade de São Paulo e renda de R$ 6 mil, o prazo máximo de financiamento é de 216 meses, com cota máxima de 60%.

O valor da entrada é de R$ 80 mil e o preço a ser financiado R$ 120 mil. Os juros nominais são de 10,93% ao ano mais TR, enquanto os juros efetivos são de 11,50% ao ano mais TR. A primeira prestação será de R$ 1.689,29, e a última de R$ 585,61.

Se o valor do imóvel for menor que R$ 200 mil, existe uma outra modalidade de financiamento, o Crédito Imóvel Próprio. Nesta linha, o pagamento pode ser feito em 240 meses. O valor contratado é depositado em conta corrente aberta na Caixa e não há destinação específica.

Neste caso, o cliente que tiver um imóvel quitado ou financiado pelo banco poderá financiar até 60% do preço do seu imóvel e os percentuais de financiamento permitidos variam de acordo com o tipo de imóvel, que pode ser residencial, comercial, rural ou terreno. Para os que contam com um imóvel financiado na Caixa, o saldo residual não pode ser superior a 30% do valor do novo empréstimo.

Há ainda uma terceira possibilidade, esta para quem deseja financiar não apenas a compra do terreno, como também a construção. Neste tipo de contratação, o cliente precisa ter o projeto arquitetônico do imóvel, desenvolvido por um arquiteto ou engenheiro.

A partir dele, será desenvolvido o cronograma da obra, que vai auxiliar o acompanhamento e liberação das etapas seguintes. Neste caso, o valor do financiamento é liberado de acordo com a evolução das etapas do cronograma previamente elaborado.

As taxas de juros são diferentes em relação às taxas para a compra da casa que já está pronta. Em geral, elas são um pouco mais altas. Numa mesma simulação, mas para a aquisição de um imóvel novo de R$ 200 mil na cidade de São Paulo com renda de R$ 6 mil, os juros nominais são de 8,16% ao ano mais TR e os efetivos são de 8,47% ao ano mais TR.

Mesmo que a diferença não seja tão grande, é preciso levar em consideração que em um financiamento longo, ao final, esse montante pode ter muita importância.

Saiba o que fazer para deixar o imóvel mais atraente para venda

terreno
Além do terreno, é possível também financiar a construção da casa (Foto: Shutterstock)

Outras características do financiamento de um terreno é que ele deve estar localizado em área urbana ou em lugares com infraestrutura e que não existe um valor máximo para este tipo de financiamento, já que o montante será calculado com base na capacidade de pagamento.

“Para conseguir o financiamento, é preciso atender a todos os requisitos do banco e um deles é que seja um terreno de fato e de direito, não pode ser um pedaço de terra, tem que estar com a documentação regularizada. Para saber se está tudo certo com o terreno, é possível pegar a certidão de propriedade no cartório”, explica Elísio Cruz Júnior, presidente do Sindicato de Habitação de Pernambuco (Secovi-PE).

Ainda é comum que a aprovação do financiamento aconteça de forma mais rápida e eficaz. Para conseguir a liberação do financiamento de um imóvel pronto, ele precisa passar por uma vistoria e estar em condições para servir como garantia do financiamento. Já o terreno não tem muito o que analisar, já que ainda não há construção. Ou seja, precisa que a documentação esteja em ordem.

Saiba como as redes sociais podem te ajudar na busca por um novo imóvel

Alternativa

Porém, antes de assinar o contrato de financiamento com o banco, pesquise se a própria construtora não disponibiliza algum tipo de financiamento do terreno. Essa forma de pagamento pode ser mais vantajosa e pesar menos no bolso.

“Às vezes é preciso avaliar a forma de financiamento diretamente com a construtora. Muitas vezes é possível comprar um lote em até 60 parcelas mensais fixas ou em 120 meses com o valor sendo corrigido pelo IGP-M, o que torna mais barato porque o financiamento no banco vai ter a taxa de juros mais alta”, ressaltou Elísio.

Veja abaixo uma simulação de financiamento de terreno:

terreno
(Arte: Noelly Capovilla)

Ocupante de imóvel retomado por banco deve ter preferência em leilão, aprova CCJ

Aprenda a decorar uma casa com canos de PVC:

+Prédio com floresta vertical em fachada será inaugurado em São Paulo

+Fim do aluguel: o que fazer para não sair do imóvel com punições

+Guarda móveis e self storage: saiba o que são e como funcionam

+Confira a documentação para compra e aluguel de imóveis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.