01/10/2009

Tigre avança no mercado internacional

Fonte: O Estado de S. Paulo

Com nova fábrica no Uruguai, fabricante de tubos cresce na América Latina, mas enfrenta a concorrência da mexicana Amanco no País

A crise não afetou os planos de internacionalização da Tigre, que inaugura hoje no Uruguai sua 10ª fábrica fora do Brasil. Fruto de um investimento de R$ 16 milhões, a fábrica foi concebida e construída em doze meses, em plena crise. “Todos os investimento previstos para 2009, um total de R$ 150 milhões, estão sendo implementados dentro do cronograma original”, afirma o presidente da empresa líder em tubos e conexões para a construção civil, Evaldo Dreher. “Já passamos por várias crises e, de alguma forma, a gente no Brasil sempre consegue fazer com que os negócios não sofram tanto com a crise.”

Hoje o mercado externo representa 20% das receitas da companhia. O objetivo é ampliar a participação para 40% nos próximos cinco anos. “Para nós que somos líderes absolutos no Brasil há muito tempo, crescer internamente é mais caro e custoso do que no exterior.” Enquanto as operações domésticas crescem na casa de um dígito, as operações internacionais registraram crescimento de 50% no ano passado e devem crescer mais 25% este ano.

Depois do Uruguai, onde a companhia já operava com um centro de distribuição, o próximo passo será entrar no México, país sede de seu principal concorrente, a Amanco, empresa do grupo Mexichem. “Estamos avaliando oportunidades de aquisição, possivelmente para o ano que vem”, afirma. Mas a tarefa não é fácil. O mercado mexicano é extremamente concorrido e a Tigre está há cinco anos tentando realizar uma aquisição no país. “Com a crise, os ativos estão depreciados.”

A Amanco é líder em todos os países da América Latina em que atua, menos no Brasil. Mas a companhia mexicana, que possui cinco fábricas no Brasil, incluindo uma em Joinville, sede da Tigre, já declarou que pretende alcançar a mesma posição também no País. As empresas não divulgam suas participações de mercado, mas estima-se que a Tigre tenha 50% e a Amanco, 27%.

Dentro dessa estratégia de buscar a liderança, a Amanco está investindo pesado em capacidade e marketing – terreno onde a Tigre é forte, com grande recall de marca. Só este ano serão R$ 111 milhões, sendo R$ 51 milhões em capacidade e R$ 60 milhões em marketing. Com faturamento líquido de R$ 623 milhões (2008), a Amanco aumentou em 28% sua capacidade de produção no ano passado. Para este ano, a capacidade deve aumentar em mais 20%. Na estratégia de marketing, Amanco tenta associar a marca com a questão da sustentabilidade. A empresa foi eleita, em 2007 e 2008, como uma das 20 empresas brasileiras modelo de sustentabilidade pelo Guia Exame de Sustentabilidade.

Já a Tigre avança no terreno da concorrente na América Latina (com fábricas Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Peru, Paraguai e, agora, no Uruguai), mas também não baixa a guarda internamente. Com os investimentos que estão sendo realizados este ano, a companhia deve entrar em 2010 com uma capacidade de produção 15% maior do que a atual. “A companhia está preparada para um crescimento importante em 2010”, revela Dreher, que assumiu a presidência da companhia catarinense em março deste ano.

Os números para 2010 não estão fechados, mas a empresa planeja um investimento superior ao deste ano. “O cenário para 2010 é bom e acreditamos que o PIB deverá crescer 4,5%”, afirma. O executivo espera que o governo mantenha o IPI reduzido por mais tempo, mas acredita que, mesmo sem o incentivo, o setor vai conseguir crescer de duas a três vezes o PIB no ano que vem. “Em 2010 tem eleição e ano de eleição é bom para infraestrutura. E tem também a Copa de 2014, com projetos gigantescos e que vão ter de sair do papel.”

Considerando as operações totais (doméstico e internacional), a companhia estima um crescimento de 6% este ano. Em 2008, a empresa cresceu 20%, o melhor resultado de sua história, alcançando uma receita de R$ 2,3 bilhões. “No mercado doméstico este ano, o IPI reduzido e o programa Minha Casa Minha Vida ajudaram a compensar um volume menor do que o esperado em projetos de infraestrutura, como previsto no cronograma do PAC.”

Apesar de otimista com relação ao programa habitacional, Dreher acredita que sua implementação será mais longa do que o previsto. “Acho que as 700 mil casas que estavam previstas para 2009 só ficarão concluídas no final de 2010.”

1 Comentário

  1. EU ESTOU INDIGNADO COM A PROVA DO ENEM ME 90 QUESTOES PARA SE RESOLVER EM 4 HORAS SENDO QUE CADA QUESTAO ERA GIGANTESCA MUITO TEXTO MESMO SEM CONDIÇOES APRA FASER AQUELA PROVA MAS EU FIZ TUDO E O INEP AINDA DIVULGAA UM GABARITO ERRADO QUE VERGONHA PARA O MEU PAIS QUERO QUE VCS LEIAM IASSO E MOSTREM PQ EU ACHO Q QUEM CORRIGIU ESSA PROVA FOI O PRESIDENTE LULAAAAAAAA !!!!!!! POIS O GABARITO OFICIAL ESTA COMPLETAMENTE ERRADO… O TITULO DA REDAÇAO NAO DEVERIA SER SOBRE ETICA , DEVERIA SER QUE PAIS É ESSE ? CONFIRAM OUTROS ALUNOS QUE COMENTARAM http://noticias.terra.com.br/educacao/noticias/0,,OI4142561-EI8398,00-Confira+o+gabarito+do+Enem.htmlASSINADO JOVEM ALUNO INDGNADO COM O SEU PROPRIO PAIS !!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.