30/11/2010

Trabalho de alunos da UFF mostra o olhar dos moradores sobre a possibilidade de tombamento de Santa Maria Madalena

Fonte: O Globo
(Foto: Divulgação)
Tombamento da cidade deixou alguns moradores receosos (Foto: Divulgação)

Por mais de dez anos, a pequena cidade fluminense de Santa Maria Madalena, localizada a 230 quilômetros da capital, ficou parada no tempo. Como consequência disso, grande parte de suas edificações, construídas no século XIX, não sofreram alterações. Ciente da necessidade de proteger tal patrimônio, o Iphan iniciou um levantamento das obras do centro histórico local. Aproveitando o singular momento prévio à preservação arquitetônica e preocupados com a vulnerabilidade das edificações da cidade, professores do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFF, numa visita de estudo, fizeram um conjunto de trabalhos documentais tendo o patrimônio como tema principal. Durante as pesquisas de campo, o professor Sérgio Bahia, que acompanhou o processo com a também professora Andréa Sampaio, notou que a possibilidade de tombamento da cidade deixou alguns moradores receosos, levando alguns a fazerem reformas e a venderem suas propriedades.

“Parte da cidade pensa que, se Madalena for tombada, os moradores perderão suas propriedades ou serão obrigados a abrir as portas de suas casas para visitas turísticas. Justamente por isso, desde que o Iphan começou a fazer o levantamento da arquitetura, algumas construções foram postas abaixo. Outras tiveram suas características alteradas. Pudemos observar isso claramente durante o nosso período de visitas a Madalena (iniciada em maio deste ano e finalizada em outubro)”, revela Bahia.

Projeto dos estudantes contribui para enriquecer pesquisa do Iphan – O trabalho de vídeo com a sociedade civil de Madalena, desenvolvido pelos alunos Beatriz de Abreu Komatsu, Bruno Amadei Machado e Priscila Inácio de Andrade, retrata o olhar dos habitantes sobre a cidade. Nas entrevistas, alguns deles, em defesa do tombamento, revelam que alguns proprietários compraram outras habitações com o intuito de preservar as suas características. Já outros não escondem o medo de perder suas propriedades.

Para tentar conter as demolições e reformas, o Poder Executivo encaminhou um Projeto de Lei (PL 056/2010) para a Câmara Municipal solicitando que o prefeito Arthur Lima Garcia suspenda por 180 dias demolições e novas construções no centro histórico. A PL foi desenvolvida com consultoria dos arquitetos Sérgio Bahia e Andréa Sampaio.

“O projeto está em análise na Câmara dos Vereadores e ainda não há previsão de quanto o Iphan concluirá o inventário. Com isso, até lá, estamos tentando preservar as características históricas da cidade. Iniciativas como essa da UFF contribuem para enriquecer a pesquisa do Iphan sobre a importância do tombamento de Madalena”, diz o secretário de Planejamento urbano da cidade, Nestor Lopes.

Além do vídeo de entrevistas com a sociedade civil de Madalena, foi desenvolvido um almanaque sobre o patrimônio material e imaterial da cidade. O trabalho é dos alunos Andreza Telles Francisco, Jéssica Faria Rocha, Juliana de Almeida Peres, Laís da Costa Domingos, Natália Bedim Teixeira e Thais Cristine de Carvalho Alves. Por último, um jogo educativo, assinado por Helena Vianna Rodrigues, Joana Ferreira dos Santos, Kleber Guimarães de Sá e Thais Soares Alves, traz informações históricas sobre as construções de Madalena e também faz parte do resultado das pesquisas.

LEIA MAIS:

Aos 50 anos, Brasília vive boom imobiliário

Noroeste será o primeiro bairro ecológico brasileiro

DF permanece com o 2º lugar em faturamento e em número de unidades vendidas

Oscar Niemeyer: O melhor arquiteto brasileiro

1 Comentário

  1. Quantas mentiras.A população só tomou conhecimento do inventário que estava sendo feito pelo IPHAN em 2012.Hoje existe um movimento na cidade feito pelos proprietários e moradores do centro:Diga NÃO ao tombamento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.