30/10/2006

Um bairro ainda na 1.ª geração de moradores

Fonte: O Estado de S. Paulo

Santa Terezinha completa 65 anos, com habitantes que praticamente nasceram com a vila; mas quem viu os bondes se assusta com o rápido processo de modernização

Quando Thelma de Souza Rodrigues, de 63 anos, lembra da infância, as recordações mais claras envolvem quintais cheios de árvores frutíferas e uma paisagem que se parecia com uma fazenda. Já da adolescência, recorda da saída dos bondes e da chegada dos ônibus elétricos, os trólebus. Na fase adulta, ela viu a chegada de mais casas, ganhou mais vizinhos.

Hoje, chegou à terceira idade, ela chama o bairro em que cresceu, e ainda vive, de “selva de pedra”. Thelma vive em Santa Terezinha desde que nasceu. No dia 1º, o bairro completou 65 anos, quase todos acompanhados de perto pela moradora. “Evoluiu muito, mas tudo tem seu lado bom e seu lado ruim”, afirma. Por ser um dos bairros mais jovens da capital, a modernização ocorre com rapidez, o que às vezes assusta os moradores mais antigos, como Thelma.

Na paisagem local não existe marcos históricos, mas sobradinhos simples, quarteirões inteiros só de residências, com as ruas largas. Tanta tranqüilidade, mesmo perto do centro de Santana, atraiu novos empreendedores – os prédios e moradores vêm em ritmo acelerado. Dois novos “marcos do progresso” estão nos empreendimentos nas Ruas Luís Antônio dos Santos e Nova dos Portugueses.

Os dois acompanham um processo de valorização do bairro e pretendem instalar um conceito de prédio de alto padrão na região. Para Marco Antônio Garofano, diretor da Mirante Imóveis, que negocia um dos empreendimentos, a região é cheia de atrativos, sendo o principal o fato de ser residencial e calma. “O bairro é bem mais sossegado do que lugares como o Imirim e outros locais próximos.

Por causa da qualidade de vida, nos últimos três anos os imóveis valorizaram. De R$ 2.600,00 o metro quadrado, o terreno de medida igual agora custa R$ 4 mil”, avalia. “Depois de terminar esse prédio, vamos lançar mais quatro empreendimentos”, adianta.

Os mesmos benefícios que atraíram a empresa de Garofano também fizeram com que a Teruya Construtora e Incorporadora Ltda investisse no local. “Estamos lançando um produto diferenciado e esperamos atrair mais moradores para cá”, afirma o proprietário, Antônio Kenzo Teruya.

O avanço de Santana 

A construção de mais prédios também estava sendo notada por Thelma. “Acho que as pessoas não têm mais aquele sentido de ter um pedaço só seu”, lamenta a moradora. Para o historiador da zona norte Enzo Bertolini, a mudança mostra o crescimento do bairro de Santana. “Está cada vez maior e vai se expandindo rumo aos bairros menores, como Santa Terezinha”.

A mesma opinião tem o diretor de lançamentos do sindicato do setor imobiliário (Secovi), Fábio Rossi. “Hoje, o bairro de Santana é considerado o de melhor localização em toda a zona norte. Com isso, os bairros vizinhos também se beneficiam”, disse. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.