01/04/2009

Um novo nome em Milão

Fonte: O Estado de S. Paulo

Jum Nakao sai das passarelas para apresentar na Semana de Design, em abril, a luminária Cocar

Jum Nakao está de malas prontas. Desta vez, o destino é Milão. Uma das três capitais internacionais da moda onde ele desembarca, em abril, não nas passarelas mas sim na Semana de Design, onde faz sua estreia. Na bagagem, Cocar: uma luminária de parede, de irresistível sabor tropicalista, construída com sarrafos e LEDs. Jum projetou a peça em São Paulo e enviou o desenho por e-mail para o Nordeste para ser produzida por artesãos locais. Uma guinada na carreira de um dos estilistas mais instigantes de sua geração?

Fotos: DivulgaçãoZap o especialista em imóveisLuminárias em que Jum Nakao explora o efeito optico, em projeto para a Dominici

“Gosto, antes de tudo, do processo de criar”, argumenta ele, em meio ao cenário caleidoscópico de seu ateliê na Vila Mariana – repleto de desenhos, maquetes e protótipos, mas também de outras tantas amostras de tecido, roupas, modelos em construção. “Como pode ver, continuo ligado à moda, mas às vezes meu foco se direciona para outras áreas, como acontece agora com o design”, reforça Jum, brasileiro, neto de japoneses, artista, estilista e professor. Um “criativo”, no sentido nato do termo.

Zap o especialista em imóveis Zap o especialista em imóveis

O célebre desfile da São Paulo Fashion Week, na qual as modelos rasgaram as roupas. À direita, a manequim com a peça da coleção “”A Costura do invisível””, que está no Museu Gallira, em Paris 

Que ninguém vislumbre, porém, no interesse atual do artista, uma investida isolada ou a mera estilização de seu trabalho, exposta na forma, por exemplo, de uma linha home. Ao que tudo indica, o design tem credenciais suficientes para captar a curiosidade de Jum por muitas e muitas temporadas. “O desenho de objetos impõe hoje questões instigantes para os criadores, como a da preservação ambiental – ao contrário da moda, mais voltada para o consumo imediato”, analisa.

Zap o especialista em imóveisO artista em um dos seus primeiros projetos de desenho industrial: um minirrefrigerador para a Brastemp

DESFILE-MANIFESTO – Demonstrando plena aptidão para captar o desejo de seus clientes – e responder com criações significativas -, a trajetória de Jum Nakao como estilista começou em 1984, no Coordenação Industrial Têxtil (CIT). Em seguida, cursou artes plásticas na FAAP e começou a produzir roupas para sua grife. Considerado a revelação do Phytoervas Fashion de 1996, nesse mesmo ano assumiu a direção de estilo da Zoomp. A consagração, porém, só aconteceu em 2004, no desfile-manifesto A Costura do Invisível.

Zap o especialista em imóveisLuminária Cocar, de resquícios industriais e LEDs

Apresentado na São Paulo Fashion Week, foi um marco na sua carreira, deixando atônita uma plateia de 1.200 pessoas diante de modelos rasgando delicadas roupas de papel vegetal, inspiradas em modelos de época – e que foram moldadas em mais de 700 horas de trabalho. Além de um livro e do convite para integrar uma mostra no Museu Galliera de Paris, especializado em moda, o desfile rendeu ao estilista o convite para a criação de uma corte real para a minissérie Hoje é Dia de Maria, apresentada pela TV Globo.

O mundo do design, claro, não ficou indiferente ao despontar do seu talento. Em 2007, a convite da diretora de arte da empresa, Baba Vacaro, Jum passou a integrar o catálogo da Dominici com a luminária que, na prática, funciona como um dímer mecânico, possibilitando diferentes concentrações de luz a partir do girar de sua cúpula. Explorada com maestria, a linguagem do preto-e-branco reaparece em outra criação: as portas de um minirrefrigerador projetado para a Brastemp.

REPRESENTANTE DO NOVO – Saudada pelos críticos, mesmo antes de sua inauguração, como um dos grandes acontecimentos da Semana de Design, a mostra Floresta Mobile, organizada pelo fotógrafo brasileiro Robson Oliveira, na vanguardista Zona Tortona em Milão, além de apresentar a Cocar, contará com a direção artística de Jum. “Precisamos de um novo modelo de design de ideias. E Jum representa esse novo”, diz Oliveira.

A respeito da exposição, o artista afirma: “A ideia é apresentar produtos esteticamente interessantes, que aliem baixa tecnologia, materiais reciclados ou provenientes de reflorestamento e uso intensivo de mão de obra. Fazer com que o objeto volte aos primórdios, quando estava mais conectado ao homem e à natureza”. Para Jum, é essencial voltar a sonhar com objetivos maiores. “Como costumo dizer aos meus alunos: para criar é preciso ter algo a dizer.” E alguém duvida?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.