31/03/2009

Uma ideia do moderno

Fonte: O Estado de S. Paulo

Aos 90 anos, Bauhaus continua referência em desenho

Às vezes é difícil estabelecer o começo, o instante em que o vento mudou de direção. Mas o design moderno tem certidão de nascimento, com data e local: Weimar, Alemanha, em 21 de março de 1919. Foi quando o arquiteto Walter Gropius assumiu a direção das duas escolas de arte da cidade alemã, unificando-as sob o nome de Bauhaus (em tradução livre, “casa para construir”). Surgia o “design para todos”, radicalmente oposto à “arte de salão”, clássica.

Fotos: Divulgação

Crown Hall, em Chicago

A Bauhaus nasceu pretensiosa: financiada pelo Estado alemão, reunia intelectuais de esquerda, uma dinâmica de forças em constante choque ideológico. Para muitos, a escola teria uma estética totalitária. Em seu manifesto inaugural, Walter Gropius deixou clara a intenção de popularizar o design, tornando-o síntese das artes e ofícios. Não é à toa, portanto, que a Bauhaus continua a interessar: ela é estímulo para questionar a arquitetura e o design atuais, ambos à mercê dos caprichos da indústria.

Cadeira Bauhaus

Desenho racional, paleta de cores que prioriza o azul, o vermelho e o amarelo, o geométrico e o assimétrico substituindo o ornamento. “Na época em que a escola foi fundada, a produção em massa desprezava qualquer preocupação com a funcionalidade”, lembra o arquiteto Aurelio Martinez Flores, admirador da escola alemã. “Chega então a Bauhaus com outro conceito: o mais importante é a habilidade técnica. Assim, as criações nada teriam além do absolutamente funcional – o fim dos enfeites desnecessários.”  

Prédio das oficinas da Bauhaus, em Weimar 

No mobiliário, isso se materializa nas linhas puras da cadeira Wassily, de 1925: o desenho está a serviço do conforto, o aspecto do móvel é de leveza – a Wassily em nada remete ao rebuscamento do fim do século 19, por exemplo. No morar, a Bauhaus propunha a superação de estilos como o barroco. Uma das formas era brincar com os volumes da fachada, o que evoca os quadros de Mondrian. Em 1927, um grupo de 17 arquitetos – entre eles Mies van der Rohe, Walter Gropius e Le Corbusier – montou uma exposição de arquitetura em Stuttgart. Nela, quase 500 mil pessoas se surpreenderam com a série de habitações coletivas, de fachada sóbria e aberturas repetitivas, ousadia que enchia as construções de luz e ventilação. Por dentro, plantas flexíveis e abertas.

Liminárias de Marianne Brandt

O ideário da Bauhaus era mutável, jamais uma cartilha seguida por todos. Mies van der Rohe era praticante de uma arquitetura grandiosa – e que se tornou significativa em sua carreira individual. “Já Walter Gropius teve papel ligado sobretudo ao ensino e à divulgação da Bauhaus”, chama a atenção o arquiteto Marcelo Suzuki, outro fã da escola alemã.

Chaleira de Wolfgang Timpel

Não por acaso, insiste-se, Gropius e Mies van der Rohe sintetizam os momentos mais importantes da Bauhaus. O primeiro por ter criado os seus fundamentos e levado a escola para a cidade de Dessau em 1925 – foi então que ela realmente passou a atrair especialistas de toda a Europa, com alunos e professores chamando a atenção em feiras internacionais. Nessa época, o húngaro Marcel Breuer, que havia estudado em Weimar, tornou-se professor de desenho – em pouco tempo, ganhou a reputação de melhor designer de mobiliário da Bauhaus. Van der Rohe, por sua vez, assumiu a direção quando ela esteve em Berlim (1932-33). O seu envolvimento com socialistas e artistas soviéticos motivou perseguições políticas a ponto de a escola ser fechada pelos nazistas em 1933.   

 

Edifício projetado por Walter Gropius

Mas o que deveria ser o ponto final da história da Bauhaus representou, de fato, o momento de maior difusão de seus ideais. Gropius passou anos lecionando arquitetura em Harvard, divulgando sua ?arquitetura?. Mies van der Rohe ergueu os arranha-céus de Chicago e, a convite de Le Corbusier, veio ao Brasil – aqui, projetou a sede do consulado dos EUA, em São Paulo, no fim de 1950. Não houvesse a experiência em Chicago, Mies van der Rohe não teria transcendido à própria Bauhaus em nome de sua assinatura – a linguagem do vidro, do aço e do concreto que tanto marca a arquitetura contemporânea. Ironicamente, pouco da Bauhaus foi produzido pela indústria da época – boa parte do mobiliário só se popularizou nos anos 50, quando empresas como a norte-americana Knoll editaram peças dos designers que haviam imigrado para a América. 

Cadeira Berlin, criada por Gerrit Reitveld

COMEMORAÇÕES – Os 90 anos da Bauhaus serão lembrados de um lado a outro do Atlântico. Weimar, Dessau e Berlim, as cidades alemãs que sediaram a escola, farão uma exposição conjunta de 22 de julho a 4 de outubro, Bauhaus 1919-1933: Workshops for Modernity. “É a primeira vez que o três institutos fazem uma mostra simultânea”, conta Annemarie Jaeggi, diretora do Bauhaus-Archiv. Serão exibidos protótipos, documentos históricos e correspondência de mais de 500 membros da Bauhaus, entre professores e estudantes. “O interesse pelo acervo é grande, porque a discussão sobre a modernidade que a Bauhaus provocou ainda está viva. É um legado que se absorve ou se rejeita, mas nunca se ignora”, diz. O MoMA de Nova York receberá a exposição a partir de 8 de novembro. É o maior acervo de Bauhaus a aterrissar nos EUA desde 1938.

Quanto ao Illinois Institute of Technology de Chicago – projeto de Mies van der Rohe -, terá programação especial sobre a herança da Bauhaus na arquitetura norte-americana. Começa em maio e segue até setembro. “Mies é nosso mentor. Ele influenciou não só a arte, o design e as escolas de arquitetura de Chicago e dos Estados Unidos, mas também os arranha-céus da cidade e o próprio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.