07/11/2006

Use 13º salário para ter a casa própria

Fonte: Jornal da Tarde

O dinheiro extra do fim de ano pode ser empregado na entrada de um imóvel, em sua quitação parcial ou total e até mesmo no pagamento da custosa documentação

Marcos Mendes/AEZap o especialista em imóveisPúblico que usa 13º na transação geralmente compra imóvel até R$ 100 mil

Entre novembro e dezembro, os trabalhadores com carteira assinada deverão receber o 13º salário pago pelo empregador, conforme prevê a legislação. Com o dinheiro em mãos, é possível dar entrada na casa própria ou mesmo quitar prestações atrasadas e, com isso, se livrar da inadimplência.

Segundo o economista Marcel Solimeu, da Associação Comercial de São Paulo, a expectativa é de que o 13º salário lance R$ 50 bilhões na economia no País, já contando os R$ 5 bilhões adiantados para aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) no decorrer do ano.

Normalmente, explicou Solimeu, os consumidores usam o dinheiro para quitar dívidas e limpar o nome. “Os valores do 13º salário não chegam a ser muito altos, mas diversas pessoas aproveitam a oportunidade e utilizam esse recurso para quitar prestações de financiamento imobiliário em atraso”, revelou o economista.

Contudo, alguns consumidores preferem aplicar o dinheiro para dar uma pequena entrada no imóvel. Geralmente, explicou a gerente de locação e vendas da Lello, Roseli Hernandes, os candidatos a mutuários que mais usam o abono com esta finalidade compram casas e apartamentos de até R$ 100 mil e ainda planta. “O valor é mais baixo e, assim, é possível usar o 13º para garantir as primeiras parcelas.”

As pessoas ainda podem usar uma outra estratégia para ampliar o valor do montante para dar uma entrada maior no imóvel, ou mesmo amortizar o saldo devedor. “Às vezes, os trabalhadores juntam o adiantamento das férias, o abono do 13º salário e os recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para acumular mais recursos”, contou Roseli.

Outra alternativa para encurtar o caminho da casa própria é aproveitar o abono de fim de ano para quitar os custos com a documentação do imóvel, que são salgados. Uma das obrigações é pagar o Imposto de Transmissão Inter Vivos (ITBI). De acordo com a Secretaria de Finanças de São Paulo, o tributo custa o equivalente a 2% sobre o valor de transação do bem, ou seja, o quanto se pagou pela casa ou apartamento. Sendo assim, quem comprar um imóvel de R$ 50 mil, por exemplo, terá de pagar um ITBI de R$ 1.000, segundo a Prefeitura.

Além disso, há ainda os gastos com cartório e registro do imóvel, que também podem ser pagos com o abono de Natal. Os valores, no entanto, variam de acordo com o preço do imóvel (veja no quadro).

Parceria

Ontem, o Sindicato da Habitação (Secovi) e o Unibanco anunciaram a assinatura de uma parceria. A principal novidade é a criação de um plano pré-fixado, para imóveis com valores de R$ 40 mil a R$ 350 mil, com até 15 anos para quitar o débito. Neste caso, será possível financiar até 70% do valor da casa ou apartamento.

Além disso, agora é possível contratar um plano pós-fixado, que permite o parcelamento de 80% do valor total, com prazo de 20 anos para pagar. Esta linha de crédito também permite comprometer até 27% do salário do mutuário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.