17/11/2015

Veja dicas para evitar acidentes e afogamentos de crianças em piscinas

Veja dicas para evitar acidentes e afogamentos de crianças em piscinas

Fonte: Revista do ZAP

O Pense Imóveis separou algumas dicas de cuidados e precauções para evitar que esse tipo de acidente aconteça na piscina da sua casa

Quem tem crianças e piscina em casa precisa ficar atento. O afogamento é a segunda maior causa de mortes por acidente entre crianças e adolescentes de até 14 anos no Brasil, só perde para acidentes de trânsito. É o que mostrou levantamento feito pela ONG Criança Segura com base nos números de mortalidade de 2009 do Ministério da Saúde. Naquele ano, foram 1.376 mortes por afogamento. Para ajudá-lo a evitar que esse tipo de acidente aconteça na piscina da sua casa, o Pense Imóveis separou algumas dicas de cuidados e precauções. .Divulgação

Antes de mais nada, é importante ressaltar que, segundo a pesquisa da ONG, entre as mortes por afogamento, as piscinas representam o segundo principal perigo com 7%, ficando atrás apenas de águas naturais (rios, mares e lagos). Muitas crianças que se afogaram em piscinas estavam sob cuidado de um responsável. Um mero descuido é suficiente para que um afogamento ocorra.

Divulgação

De acordo com a ONG, deve-se ensinar a criança a nadar sempre com um companheiro e que nadar sozinho é muito perigoso. Diga para a criança não brigar de empurrar, de dar “caldo” dentro da água ou de simular que esta se afogando. É importante também que a criança saiba ligar para um número de emergência para passar as informações de localização e do que está acontecendo, caso haja perigo.

Confira outras dicas da ONG Criança Segura para prevenir e proteger os pequenos de afogamentos:

– Piscinas devem ser protegidas com cercas de no mínimo 1,5 metro que não possam ser escaladas e com portões com cadeados ou travas de segurança que dificultem o acesso;

– Use alarmes e capas de piscina em conjunto com as cercas e a constante supervisão de adultos. Esses recursos garantem mais proteção, mas não eliminam o risco de acidentes;

– Evite brinquedos e outros atrativos próximos à piscina e reservatórios de água;

– Bóias e outros equipamentos infláveis passam uma falsa segurança. Eles podem estourar ou virar a qualquer momento. O ideal é que a criança use sempre um colete salva-vidas;

– Saiba quais amigos ou vizinhos têm piscina em casa. Quando levar seu filho para visitá-los, certifique-se de que ele será supervisionado por um adulto enquanto brinca na água;

– Esvazie piscinas infantis depois do uso e guarde-as sempre virados para baixo e longe do alcance das crianças;

– Crianças devem aprender a nadar com instrutores qualificados ou em escolas de natação especializadas. Se os pais ou responsáveis não sabem nadar, devem aprender também;

– Muitos casos de afogamentos acontecem com pessoas que acham que sabem nadar. Nunca superestime a habilidade de crianças e adolescentes;

– O socorro rápido é fundamental para o salvamento da criança que se afoga, pois a morte por asfixia pode ocorrer em apenas cinco minutos. Por isso é tão importante que pais, responsáveis e educadores que cuidam de crianças aprendam técnicas de primeiros socorros;

– Tenha um telefone próximo à área de lazer e os números de atendimento de emergência anotados (SAMU: 192 e Corpo de Bombeiros: 193).

Leia mais:
>> Preço mais acessível torna o sonho da piscina em casa uma realidade
>> Piscinas ganham cores e estampas diferentes
>> Piscina vai para dentro de casa para ser aproveitada o ano todo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.