11/02/2007

Vender mais por menos

Fonte: O Globo

Construtoras, bancos e governo querem estimular compra de imóveis de até R$150 mil

O GloboZap o especialista em imóveis

Este é o ano das pessoas de classe média que ainda não têm casa própria. Quem garante é o vice-presidente da Associação de Dirigentes do Mercado Imobiliário (Ademi) do Rio, José Conde Caldas. Segundo ele, os bancos, as construtoras e o governo federal vão oferecer uma série de estímulos para quem pode pagar até R$150 mil por um imóvel. O empresário diz que o objetivo é aumentar as vendas de residências na planta para quem pode fazer um financiamento na faixa de R$100 mil.

— Há fatores que já contribuem para um grande crescimento do mercado imobiliário em 2007. Hoje, é possível fazer financiamentos com taxas de juros de 9,5% ao ano, e estas deverão cair. Vale também destacar que, devido a limitações de espaços em áreas mais nobres da cidade, construtoras estão investindo muito em locais alternativos. Eles são os bairros da região do Centro, da Zona Norte e da Baixada de Jacarepaguá. A maioria dos empreendimentos nessas áreas terão preços até R$150 mil. E quase todos terão opções de lazer internas para atrair a clientela — afirma Conde Caldas.

Como exemplo de bairro fora do eixo Zona Sul-Barra em franca expansão imobiliária, o vice-presidente da Ademi cita São Cristóvão:

— Em 2006, lancei um dos dois grandes empreendimentos do bairro. Este ano, lançarei mais dois e outras nove construtoras também têm projetos para São Cristóvão.

Conde Caldas ainda destacou que o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal deverá aquecer o mercado: estão previstos R$106 bilhões para a habitação até 2010 — pelo menos 4 milhões de famílias de baixa renda e 600 mil de classe média serão beneficiadas. Segundo ele, o PAC impulsionará o projeto de ocupação residencial ao longo da Avenida Brasil e as construções em bairros “adormecidos” da Zona Norte.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.