06/07/2007

Vizinhança se une para combater arrastões

Fonte: Jornal da Tarde

Sistema integrado de segurança é mais um recurso contra assaltos a condomínios em São Paulo

Monalisa Lins/AEZap o especialista em imóveisPortarias de condomínios vizinhos dividem recursos e trocam informações em esquema de segurança eficiente

A máxima de que “a união faz a força” tornou-se, nos condomínios residenciais paulistanos, um dos últimos recursos para combater as invasões a imóveis na Capital. Como nem a presença de guardas em portarias e equipamentos modernos de vigilância inibem mais a ação de bandidos, alguns prédios já estão lançando mão de um sistema integrado de segurança para evitar furtos e arrastões em seus apartamentos.

Além de monitorar a rotina e o movimento em suas instalações, os condomínios também vigiam agora uns aos outros. Em esquema de cooperação, os prédios compartilham uma série de recursos e informações entre si através da interligação eletrônica de suas portarias. Desta forma, se uma guarita for tomada e o porteiro rendido, os condomínios vizinhos saberão a tempo de acionar a empresa de segurança e a polícia para evitar maiores danos.

Embora tenha demonstrado eficiência em outras cidades, como Recife e Curitiba – onde nenhuma ocorrência foi registrada nos condomínios integrados -, o sistema ainda é pouco difundido na Capital. Segundo o presidente do Grupo Hubert e vice-presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), Hubert Gebara, apenas dez condomínios já atuam em conjunto na vigilância dos prédios e redondezas.

Principal incentivador do modelo nos condomínios que sua empresa administra, Gebara acredita que a integração de sistemas de monitoramento é uma solução eficaz na prevenção de invasões e arrastões em apartamentos. “É um passo além que estamos dando na questão da segurança. O risco de insucesso nos roubos é muito maior. Isso afasta os bandidos”, afirma.

Gebara salienta ainda que é nesta época do ano, quando centenas de imóveis ficam desocupados por conta do mês de férias escolares, que a segurança integrada se torna indispensável. “A segurança nesta época tem de ser redobrada”, diz.

O sistema, defende ele, pode ser instalado e mantido a custos baixos para os moradores. Ele estima cerca de R$ 600 por apartamento para um prédio com 15 unidades. “Segurança não é despesa, e sim investimento”, justifica.

Para viabilizar o método, o primeiro passo é persuadir os vizinhos a adotar o sistema. “Quanto mais condomínios melhor”, explica Gebara. Depois é só procurar uma empresa especializada para fazer as instalações.

Algumas delas já desenvolvem softwares específicos que facilitam a intercomunicação entre os condomínios.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.